Adolescente chinês condenado a prisão perpétua por comprar armas de brincar

CNS

As armas de imitação compradas por Liu Dawei

As armas de imitação compradas por Liu Dawei

Há brincadeiras que nunca se esquecem. Que o diga o jovem Liu Dawei de 18 anos, que comprou 24 réplicas de armas de brincar, e que por causa disso terá que passar o resto da vida na prisão.

Segundo o SCMP, Liu Dawei foi detido em setembro do ano passado, em Quanzhou, na província de Fujian, quando atravessava a alfândega com 24 armas de imitação que tinha comorado em Taiwan.

Liu certamente estaria longe de imaginar que a polícia iria considerar 20 das 24 armas de brincar como sendo armas a sério, o que lhe valeu uma acusação de tráfego de armas e a pesada sentença.

O problema não está no entanto na polícia em si, mas sim na definição do que constitui uma “arma real” na China.

A lei chinesa determina que qualquer arma que dispare um objecto com uma energia de 1.8 j/cm2 seja considerada uma arma a sério.

Basicamente, o equivalente a alguém atirar um feijão contra outra pessoa.

A energia cinética de uma arma, medida em joules por centímetro quadrado, é uma medida da potência com que a arma consegue disparar o seu projéctil.

Este valor é substancialmente mais baixo que o que o valor adoptado por outros países, e mesmo na China, até 2008 esse valor era de 16 j/cm2.

CNS

O jovem Liu Dawei, condenado a prisão perpétua por comprar armas de brincar

O jovem Liu Dawei, condenado a prisão perpétua por comprar armas de brincar

O mais absurdo ainda é que a sentença poderia ter sido a pena de morte, mas o juiz terá tido em consideração a juventude a ausência de antecedentes, tendo comutado a pena para “apenas” prisão perpétua.

O jovem Liu Dawei, que já recorreu da sentença, disse por seu turno que se prontificaria desde já a ser fuzilado com as armas que comprou –  e que se morresse, seria a sua admissão de culpa.

ZAP / Os Velhotes dos Marretas

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Bem é um pouco exigente por parte das autoridades. Talvez o ter de fazer trabalho comunitário, já fosse jeitoso. Com prisão perpétua, não volta a prevaricar. Por cá, nem repreendido seria.

  2. Olha lá Sr. Manuel Leite qual foi a parte de “ARMAS DE BRINCAR” que não percebeu? É que nem repreensão alguma se coloca sequer em hipótese e é ridículo pensar o contrário, muito menos fazer trabalho comunitário!
    Aquilo são “armas” de airsoft, ou seja, atiram bolinhas plásticas que nem matam uma barata e tendo em conta que qualquer adolescente em Portugal consegue comprar uma carabina de pressão de ar, ou pior ainda, qualquer CRIANÇA de 12/14 anos consegue comprar uma arma de caça submarina, seria o cúmulo do absurdo ser punido de que forma for por ter uma “arma” de airsoft! E mais alguém próximo à minha família perdeu um olho por causa de uma carabina de pressão de ar quando um rapaz que foi fazer a “brincadeira” de colocar um prego no lugar do chumbinho o prego furou-lhe o olho e ficou a menos de dois centímetros do cérebro.
    Trabalho comunitário por possuir armas de airsoft, valha-nos a nossa senhora do bom senso, é com cada uma …

RESPONDER

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …