Acordo com Brasil sobre vacinas ainda está em aberto, diz farmacêutica

Dois dias após o Brasil ter anunciado um acordo para receber até 100 milhões de doses de uma vacina contra o coronavírus, um diretor da farmacêutica AstraZeneca afirmou que se tratava apenas de uma carta de intenções e que ainda existem negociações pendentes.

O diretor da AstraZeneca, Jorge Mazzei, disse aos jornalistas na segunda-feira que, caso a vacina funcione, acredita que o país sul-americano irá ter acesso às doses até ao final do ano, anunciou esta terça-feira a agência Lusa.

Contudo, indicou que acabou de fazer agora os primeiros contactos com os parceiros locais da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o maior centro de investigação médica da América Latina, vinculado ao Ministério da Saúde brasileiro, e que começará esta terça-feira a trabalhar num contrato.

“É quase impossível que este contrato não seja assinado. (…) Demorou entre duas a três semanas para que a carta de intenções fosse assinada. O nosso objetivo é que este contrato seja assinado o mais rápido possível”, disse Mazzei, acerca do acordo que engloba também a Universidade de Oxford.

No sábado, o Ministério da Saúde do Brasil indicou que o país pagará 127 milhões de dólares (cerca de 113 milhões de euros) por material para produzir inicialmente 30,4 milhões de doses em dois lotes, para dezembro e janeiro. As autoridades brasileiras acrescentaram que os esforços de inoculação começariam rapidamente se a vacina fosse certificada como segura e eficaz.

Desde a semana passada, a vacina está a ser testada em mais de 5.000 brasileiros.

PAHO / WHO

O governo brasileiro disse que o acordo total é de 100 milhões de doses para um país com uma população estimada de 210 milhões de habitantes. “Acredito que exista uma estratégia (do governo brasileiro) sobre como vacinar todas as pessoas”, acrescentou o diretor da AstraZeneca.

Mazzei disse ainda que existem elementos-chave a serem negociados, incluindo a extensão da transferência de tecnologia e a compra do segundo lote de 70 milhões de doses. De acordo com o diretor, outros países já têm acordos nesta fase, mas diz que o Brasil está “certamente na mesma onda dos primeiros países a receber a oportunidade”.

Segundo o secretário nacional de Vigilância em Saúde do Governo brasileiro, Arnaldo Correia de Medeiros, caso se comprove a eficácia da imunização, estima-se que no início do próximo ano já possa ser realizada uma campanha de vacinação, a começar pelos públicos prioritários, ou seja, pela população mais vulnerável à Covid-19.

“Com a vacina aprovada teremos a cobertura realizada como parte da ‘expertise’ do Brasil em campanhas nacionais de vacinação, nesse caso priorizando públicos mais vulneráveis como idosos, pessoas com comorbidades, profissionais de saúde, professores, profissionais de segurança, indígenas, motoristas de transporte público e pessoas privadas de liberdade”, destacou Medeiros, no sábado.

O Brasil, segundo país do mundo com mais mortos e infetados, totaliza 58.314 óbitos e 1.368.195 casos confirmados de Covid-19 desde o registo oficial da pandemia no país, em 26 de fevereiro, informou o executivo na segunda-feira.

A pandemia já provocou mais de 502 mil mortos e infetou mais de 10,20 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting. A formação leonina continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim e poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …

Vanessa Guillen foi espancada até à morte. Jovem soldado tinha dito à mãe que era vítima de assédio

Vanessa Guillen foi vista pela última vez a 22 de abril, pouco tempo depois de confessar à mãe que estava a ser assediada por um sargento. O principal suspeito da morte da jovem suicidou-se e …

Presidente da Câmara do Funchal envia carta a Boris Johnson a defender a Madeira

O presidente da Câmara do Funchal escreveu uma carta a Boris Johnson, na qual realça "alguns argumentos fortes" a favor da Madeira como destino de férias para os cidadãos do Reino Unido. O presidente da Câmara …