Advogado acusa Angélico de ser um “assassino da estrada”

O advogado dos pais de Angélico Vieira defendeu esta quarta-feira, no Tribunal de Aveiro, que o acidente rodoviário que em 2011 matou o cantor e um amigo não teve nada a ver com a velocidade do automóvel.

“Para nós a conversa da velocidade é um pouco estéril. A causa do acidente foi o rebentamento de um pneu. A velocidade poderá ter potenciado os danos, mas não é a causa do acidente”, disse o advogado Nuno Areias.

O causídico falava aos jornalistas após as alegações finais do processo cível movido por Armanda Leite – uma das sobreviventes do acidente ocorrido na A1, em Estarreja – que reclama uma indemnização superior a 5,7 milhões de euros.

As autoridades concluíram que o veículo conduzido por Angélico seguia a uma velocidade entre 206,81 e 237,30 quilómetros horários, mas o advogado dos pais do cantor sustenta que o estudo de velocidade que foi feito “não apresenta qualquer base científica”.

Não é possível chegar aos pressupostos que permitissem determinar com maior exatidão qual a velocidade a que o carro seguiria, porque não foi feita uma perícia ao automóvel nem um teste de atrito ao pneu”, explicou o advogado, que pediu a absolvição dos seus clientes.

Opinião diferente tiveram a advogada de Armanda Leita e os defensores dos outros dois réus no processo – o Fundo de Garantia Automóvel (FGA) e o stand Impocar (de onde saiu a viatura envolvida no acidente).

Assassino da Estrada

Para a advogada de Armanda Leite, o condutor “teve a sua dose de culpa no acidente”, porque “imprimia uma velocidade que não era adequada”, considerando ter ficado “minimamente provado” que o veículo circularia a uma velocidade de 200 quilómetros por hora.

O advogado do Stand Impocar foi mais longe e apelidou Angélico Vieira de “assassino da estrada”, afirmando não ter dúvidas de que o cantor conduzisse acima de 200 quilómetros por hora.

Este senhor Angélico Vieira matou uma pessoa, matou-se a ele próprio e deixou uma senhora estropiada para toda a vida”, disse o advogado, lembrando que o cantor admitiu publicamente que gostava de velocidade.

Também o advogado do FGA disse que a viatura circularia a 200 quilómetros por hora, de acordo com as “tabelas de imobilização” usadas pelos tribunais, afirmando ainda que o carro “reunia as condições mínimas para andar na estrada”.

O causídico informou ainda que foi mandatado pelo FGA para celebrar uma transação com a autora no valor de “centenas de milhares de euros”, que só não foi concretizada “por inércia” dos outros dois réus.

Este é o segundo processo cível relacionado com o acidente rodoviário que causou a morte do cantor Angélico Vieira e de um amigo, bem como ferimentos nos outros dois ocupantes.

No primeiro processo, que foi julgado em junho de 2015, no Tribunal de Aveiro, os três réus foram condenados a pagar solidariamente uma indemnização de 117 mil euros aos pais de Hélio Filipe, a outra vítima mortal do acidente.

No entanto, esta decisão foi revogada pelo Tribunal da Relação do Porto, que absolveu os pais de Angélico do pedido, considerando que não podia ser atribuída qualquer culpa ao cantor na produção do acidente.

O processo-crime instaurado na sequência do acidente foi arquivado pelo Ministério Público de Aveiro.

ZAP / Bom Dia

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. É uma lei do senso comum, para quem conduz: aumento de velocidade, equivale a um aumento do grau de perigosidade na condução…

  2. Diz um dos advogados que a “conversa da velocidade é um pouco estéril” quando se sabe que a velocidade no mínimo rondou os 200Km/h.

    Julgo ser óbvio que se o condutor tivesse sido comedido e responsável e o limite legal de velocidade tivesse sido respeitado que o pneu não teria rebentado, o acidente não teria ocorrido e ninguém teria morrido.

    A única verdade é que àquela velocidade o pneu estava sujeito a enormes forças que inevitavelmente potenciaram qualquer minúsculo defeito no pneu que resultou no seu rebentamento naquela estrada naquele preciso momento… e isto se o pneu em questão foi sequer fabricado para velocidades daquela grandeza.

  3. Sim ok até sou contra a velocidade mas quem lá ia dentro não poderia ter apenas pedido para encostar e sair da viatura, acho piada agora chamarem isto ou aquilo a quem já não se defende,pergunto quando iam a essa velocidade não se iriam todos a divertir? Alguem disse encosta que quero sair ? Não enendo porque mais tarde aparecem sempre a pedir indemnizações, enfim.

    • Apesar da situação ser de potencial perigo, ninguém pediu para sair do carro pela mesma razão que, por exemplo, no caso dos caloiros praxados na praia que foram engolidos pelas ondas nenhum se foi embora mesmo que tivesse vontade: há uma enorme sensação ou de pertença a um grupo ou vontade de querer pertencer a um grupo e principalmente quando se é jovem e inconsequente ninguém, de maneira nenhuma, quer mostrar ter medo ou dar parte de fraco.

      Por mais simplista que pareça esta explicação para ninguém dizer basta a verdade é que a pressão do grupo é demasiado forte e domina cada um dos elementos mesmo os que à partida até pareceriam ser mais ajuizados.

RESPONDER

Metro de Nova Iorque pede à Apple para melhorar sistema de reconhecimento facial

A autoridade que gere o metro de Nova Iorque, nos Estados Unidos, pediu à gigante tecnológica Apple para melhorar o reconhecimento facial dos seus dispositivos depois de serem observados vários passageiros a retirar a máscara …

Rival da Tesla diz que o seu carro terá uma autonomia de 832 quilómetros

A empresa Lucid Motors, concorrente direta da Tesla no mercado automóvel elétrico, afirma que o seu carro Air terá uma autonomia de 832 quilómetros. A confirmar-se a autonomia deste carro, o automóvel da Lucid Motors ultrapassará …

Moradores das Maurícias estão a cortar o próprio cabelo para ajudar a evitar um desastre ambiental

Moradores das Maurícias estão a cortar o seu próprio cabelo para para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio janponês encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha. Estima-se que …

Atalanta 1-2 PSG | Reviravolta épica vale bilhete para as “meias”

Um final impróprio para cardíacos e o epílogo perfeito num excelente jogo. O PSG esteve a perder desde o minuto 27, mas em apenas três minutos dos descontos deu a volta ao texto diante da …

Um emblemático transplante nos EUA aconteceu graças a um coração "roubado"

Um dos primeiros transplantes de coração realizados no mundo aconteceu no Estados Unidos. O que muitos não sabem é que este caso de sucesso também deu aso ao primeiro processo civil no país por homicídio …

"Pandemia de sem-abrigo" nos EUA. Há 30 milhões de pessoas sob risco de despejo

Nos Estados Unidos da América avizinha-se uma "pandemia de sem-abrigo". Até ao final de setembro, 30 milhões de norte-americanos estão em risco de despejo devido à covid-19. Nos Estados Unidos, a pandemia de covid-19 pode estar …

Tráfego nas autoestradas cai para quase metade. Foi o pior trimestre de sempre

A rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) registou de abril a junho "o pior trimestre de circulação e tráfego médio desde que há registos", recuando 46% devido …

Bielorrússia cortou acesso à internet e tentou fazer com que parecesse um acidente

No seguimento da reeleição de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia, multiplicam-se os apagões de internet. O Governo diz que se trata de um ataque cibernético, mas há suspeitas de que seja um plano do presidente. Os protestos …

Resgatados 28 cães sem registo ou vacinas de barracões onde também vivia a proprietária em Lisboa

Vinte e oito cães foram retirados pela PSP terça-feira de barracões em Lisboa onde também vivia a proprietária, avança a agência Lusa, detalhando que os animais serão depois colocados para adoção.  Os animais foram posteriormente recolhidos …

Pela primeira vez em 300 anos, é possível visitar esta ilha em Cabo Cod

Pela primeira vez em 300 anos, uma ilha ao largo da costa de Cabo Cod, península em forma de gancho no estado norte-americano de Massachusetts, está aberta ao público. A Ilha Sipson é propriedade privada desde …