Apps Signal e Telegram disparam em Portugal e no mundo à boleia das novas regras do WhatsApp

(CC0/PD) picjumbo / pixabay

As aplicações de troca de mensagens para telemóvel Signal e Telegram dispararam nos downloads efectuados em todo o mundo depois de terem entrado em vigor as novas regras de partilha do WhatsApp que permitem a cedência de dados ao Facebook.

Em Portugal, Signal e Telegram são as duas apps mais populares do momento na Google Play Store. Um fenómeno que está directamente associado às novas regras de partilha do WhatsApp.

Foi a 4 de Janeiro que o WhatsApp anunciou a mudança na sua política de privacidade, realçando que os seus utilizadores teriam que aceitar a partilha de alguns metadados para fins comerciais com o Facebook, a empresa que a tutela. Em caso de recusa, os utilizadores deixam de poder usar o serviço a partir de 8 de Fevereiro.

A app de mensagens apontou que as mensagens escritas e os contactos guardados na aplicação vão permanecer encriptados, não estando acessíveis ao Facebook. Mas admitiu que, a partir de 8 de Fevereiro, há metadados que vão estar ao dispor da empresa liderada por Mark Zuckerberg para melhorar os serviços de comércio electrónico e de publicidade.

A situação, que se junta aos recentes casos de segurança e de privacidade envolvendo o WhatsApp e o Facebook, está a levar muitas pessoas a aderirem ao Signal e ao Telegram.

Comissão Europeu troca WhatsApp por Signal

A própria Comissão Europeia (CE) também deixou de utilizar o WhatsApp como plataforma privilegiada para a troca de mensagens, recomendando aos seus membros que optem antes pelo Signal, como destaca o jornal Politico.

“O Signal é a plataforma escolhida como aplicação recomendada para a troca de mensagens instantâneas públicas”, aponta a CE numa nota interna enviada aos seus membros, como cita aquele jornal.

Esta medida foi tomada no seguimento das reformas de cibersegurança que vêm sendo implementadas na CE após o ataque informático de que foi alvo em 2018.

Figuras como Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA), e o empresário Elon Musk já recomendaram o uso do Signal.

Esta app foi desenvolvida em 2013 por activistas pela privacidade. O projecto foi financiado por uma fundação sem fins lucrativos que é apoiada pelo fundador do WhatsApp, Brian Acton, que deixou a empresa em 2017 em divergência com as políticas do Facebook.

Esta app é elogiada pela qualidade da sua encriptação, ou seja, pela forma como codifica as mensagens, e também pelo facto de ser open source, isto é, de código aberto.

“Por ser de código aberto, podemos sempre verificar o que está a acontecer nos bastidores”, salienta, citado pelo Politico, o especialista em encriptação Bart Preneel da Universidade de Leuven, Bélgica.

O Signal baseia-se no mesmo protocolo do WhatsApp, conhecido como Open Whisper Systems, mas especialistas de privacidade dizem que tem uma segurança superior.

“Não podemos ler as suas mensagens ou ver as suas chamadas e mais ninguém pode”, explica-se no site da app que cifra as comunicações durante as conversas com chaves de segurança que ficam do lado dos utilizadores – isto significa que não podem ser lidas pela própria empresa.

O Telegram suscita mais dúvidas de segurança, apesar de estar a viver também um boom de utilizadores à boleia do WhatsApp, como fez questão de celebrar nas redes sociais.

Criado, em 2013, pelos irmãos russos Pável e Nikolái Dúrov, os mesmos que desenvolveram a rede social russa VKontakte, o Telegram tem sido alvo de várias tentativas de bloqueio em diversos países porque costuma recusar qualquer colaboração com as autoridades.

Tem sido muito usada por terroristas do Estado Islâmico para manterem conversas secretas, angariarem fundos e até para negociarem resgates de reféns. Essa realidade pode ter a ver com o facto de ter um sistema de criptografia mais elaborado, impedindo a gravação das conversas na aplicação e, assim, não permitindo que outras pessoas as consultem.

Telegram já tem mais de 500 milhões de utilizadores

Também nos EUA, a instalação do Signal e do Telegram aumentou desde o início do ano.

Entre os dias 6 e 10 de Janeiro, a Signal acumulou 7,5 milhões de downloads para os sistemas operativos móveis Android e iOS, superando em 43 vezes o número registado na semana anterior, adiantou o website Sensor Tower, especializado em ‘software’ para telemóveis.

Já o Telegram contabilizou, segundo o portal Apptopia, 5,6 milhões de descarregamentos no mesmo período e anunciou que ultrapassou os 500 milhões de utilizadores activos em todo o mundo, 25 milhões dos quais registados nas 72 horas anteriores.

Esta subida nos downloads aconteceu depois da invasão à sede do Capitólio, o Congresso norte-americano, perpetrada por apoiantes de Donald Trump, que resultou, pelo menos, em 5 mortes e motivou a remoção de conteúdo ultraconservador da Internet.

Os incidentes ocorridos em Washington ditaram, por exemplo, o encerramento da aplicação de mensagens encriptadas Parler, popular entre pessoas afectas à extrema-direita, e a suspensão das contas de Trump nas redes sociais Facebook e Twitter, após o chefe de Estado ter incitado ou desvalorizado os actos de violência.

Crítico da decisão das redes sociais contra Trump, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, já criou uma conta no Telegram. Também os ministros brasileiros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, migraram para a mesma app, tal como alguns deputados e políticos ‘bolsonaristas’.

Susana Valente Susana Valente, ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “O Signal baseia-se no mesmo protocolo do WhatsApp, conhecido como Open Whisper Systems, mas especialistas de privacidade dizem que tem uma segurança superior.”

    é precisamente o contrário, o whatsup é que usa o protocolo do signal, mas parece que modificado.

RESPONDER

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …