Câmara dos Representantes aprova processo de destituição de Trump

Michael Reynolds / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, esta quarta-feira, o pedido de destituição do Presidente cessante. Donald Trump torna-se o primeiro chefe de Estado do país a sofrer dois processos de impeachment.

De acordo com o jornal online Observador, depois de um debate de várias horas, os congressistas norte-americanos partiram para a votação final sobre o processo de destituição de Donald Trump.

A resolução alcançou o número de votos necessário para ser aprovada: 232 votos a favor (222 democratas e 10 republicanos) e 197 votos contra (todos republicanos). Segundo o mesmo jornal digital, o congressista republicano lusodescendente, David Goncalves Valadao, foi um desses republicanos a votar a favor.

Este é o processo de impeachment em que mais membros do Congresso votaram a favor. O recorde anterior era de 1998, ano em que cinco democratas votaram a favor da destituição de Bill Clinton.

O Presidente cessante torna-se, assim, o primeiro chefe de Estado dos Estados Unidos a sofrer dois processos de impeachment. O processo de destituição terá agora de ser votado no Senado, onde os republicanos têm a maioria, sendo necessária uma maioria de dois terços.

O artigo para o novo processo de impeachment foi apresentado na Câmara de Representantes, na segunda-feira, acusando o líder de “incitamento à insurreição” por ter induzido os seus apoiantes a assaltar o Capitólio.

Os democratas lutam agora contra o relógio para conseguir que o artigo de destituição seja aprovado na Câmara e levado a tempo de ser votado no Senado, antes da tomada de posse do Presidente eleito, Joe Biden, no dia 20 de janeiro.

Esta votação no Senado poderá ser adiada por alguns meses para que o Congresso se foque na aprovação de outros temas, nomeadamente de combate à pandemia de covid-19.

Caso a destituição seja aprovada, Donald Trump poderá ficar impedido de voltar a concorrer à Presidência. Recorde-se que cinco pessoas morreram na sequência dos incidentes violentos no Capitólio.

No arranque da discussão, a líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disse que os membros do Congresso “experimentaram a insurreição que violou a santidade do Capitólio do povo e tentou derrubar a vontade devidamente registada dos eleitores norte-americanos”.

“Sabemos que o Presidente dos EUA incitou esta insurreição, esta rebelião armada, contra o nosso país. Ele deve ir embora. Ele é um perigo claro e presente para a nação e para todos nós”, disse a democrata.

Pelosi lembrou ainda que Trump “mentiu repetidamente” sobre o resultado das eleições Presidenciais, “semeou dúvidas egoístas sobre a democracia e procurou, de forma inconstitucional, influenciar funcionários do Estado a repetir esta rebelião armada contra o nosso país”, concluiu.

Os republicanos, por sua vez, iniciaram a defesa de Trump, acusando os democratas de terem uma longa agenda política contra o Presidente, desde o início do seu mandato.

Jim Jordan, do Ohio, lembrou que, logo que Donald Trump tomou posse, em 2017, o jornal The New York Times escreveu que começara a contagem decrescente para a destituição do 45.º Presidente dos EUA, para defender a ideia de que o objetivo dos democratas sempre foi atingir pessoalmente o líder republicano.

Jordan disse que os Estados Unidos são o país que conseguiu colocar um homem na lua e que se deve focar em grandes objetivos e não em “pequenas lutas políticas” que apenas diminuem a imagem do país e da sua democracia.

“Se afastássemos todos os políticos que fazem discursos inflamados, este lugar (o Congresso) estaria vazio”, disse Tom McClintock, republicano da Califórnia, para contestar o argumento de que Trump é culpado de instigar violência contra o Capitólio por causa dos seus discursos inflamados.

Tentar destituir o Presidente é perigoso. Vai dividir o país e vai criar instabilidade”, disse a representante Louie Gohmert, usando um argumento que foi repetido pelos republicanos.

Este procedimento segue-se a um pedido formal, discutido na terça-feira, para que o vice-Presidente invocasse a 25.ª emenda da Constituição para retirar poderes a Trump, invocando os riscos da sua manutenção no cargo para a segurança do país, que Mike Pence recusou, alegando que não serve os interesses do país.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Dividida já a américa está há muito tempo graças ao Trump. Perdidos por cem, perdidos por mil… Rebentem com esse bandalho!

  2. O ridículo desta corja socialista americana. Por meia dúzia de dias (o que prova a miséria desse partido democrata) estão a arranjar lenha para ainda dividir mais os EUA. Em vez de apaziguarem o povo americano estão a dividi-lo cada vez mais. Patético, mesmo.

RESPONDER

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela …

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …