Câmara dos Representantes aprova processo de destituição de Trump

Michael Reynolds / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, esta quarta-feira, o pedido de destituição do Presidente cessante. Donald Trump torna-se o primeiro chefe de Estado do país a sofrer dois processos de impeachment.

De acordo com o jornal online Observador, depois de um debate de várias horas, os congressistas norte-americanos partiram para a votação final sobre o processo de destituição de Donald Trump.

A resolução alcançou o número de votos necessário para ser aprovada: 232 votos a favor (222 democratas e 10 republicanos) e 197 votos contra (todos republicanos). Segundo o mesmo jornal digital, o congressista republicano lusodescendente, David Goncalves Valadao, foi um desses republicanos a votar a favor.

Este é o processo de impeachment em que mais membros do Congresso votaram a favor. O recorde anterior era de 1998, ano em que cinco democratas votaram a favor da destituição de Bill Clinton.

O Presidente cessante torna-se, assim, o primeiro chefe de Estado dos Estados Unidos a sofrer dois processos de impeachment. O processo de destituição terá agora de ser votado no Senado, onde os republicanos têm a maioria, sendo necessária uma maioria de dois terços.

O artigo para o novo processo de impeachment foi apresentado na Câmara de Representantes, na segunda-feira, acusando o líder de “incitamento à insurreição” por ter induzido os seus apoiantes a assaltar o Capitólio.

Os democratas lutam agora contra o relógio para conseguir que o artigo de destituição seja aprovado na Câmara e levado a tempo de ser votado no Senado, antes da tomada de posse do Presidente eleito, Joe Biden, no dia 20 de janeiro.

Esta votação no Senado poderá ser adiada por alguns meses para que o Congresso se foque na aprovação de outros temas, nomeadamente de combate à pandemia de covid-19.

Caso a destituição seja aprovada, Donald Trump poderá ficar impedido de voltar a concorrer à Presidência. Recorde-se que cinco pessoas morreram na sequência dos incidentes violentos no Capitólio.

No arranque da discussão, a líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disse que os membros do Congresso “experimentaram a insurreição que violou a santidade do Capitólio do povo e tentou derrubar a vontade devidamente registada dos eleitores norte-americanos”.

“Sabemos que o Presidente dos EUA incitou esta insurreição, esta rebelião armada, contra o nosso país. Ele deve ir embora. Ele é um perigo claro e presente para a nação e para todos nós”, disse a democrata.

Pelosi lembrou ainda que Trump “mentiu repetidamente” sobre o resultado das eleições Presidenciais, “semeou dúvidas egoístas sobre a democracia e procurou, de forma inconstitucional, influenciar funcionários do Estado a repetir esta rebelião armada contra o nosso país”, concluiu.

Os republicanos, por sua vez, iniciaram a defesa de Trump, acusando os democratas de terem uma longa agenda política contra o Presidente, desde o início do seu mandato.

Jim Jordan, do Ohio, lembrou que, logo que Donald Trump tomou posse, em 2017, o jornal The New York Times escreveu que começara a contagem decrescente para a destituição do 45.º Presidente dos EUA, para defender a ideia de que o objetivo dos democratas sempre foi atingir pessoalmente o líder republicano.

Jordan disse que os Estados Unidos são o país que conseguiu colocar um homem na lua e que se deve focar em grandes objetivos e não em “pequenas lutas políticas” que apenas diminuem a imagem do país e da sua democracia.

“Se afastássemos todos os políticos que fazem discursos inflamados, este lugar (o Congresso) estaria vazio”, disse Tom McClintock, republicano da Califórnia, para contestar o argumento de que Trump é culpado de instigar violência contra o Capitólio por causa dos seus discursos inflamados.

Tentar destituir o Presidente é perigoso. Vai dividir o país e vai criar instabilidade”, disse a representante Louie Gohmert, usando um argumento que foi repetido pelos republicanos.

Este procedimento segue-se a um pedido formal, discutido na terça-feira, para que o vice-Presidente invocasse a 25.ª emenda da Constituição para retirar poderes a Trump, invocando os riscos da sua manutenção no cargo para a segurança do país, que Mike Pence recusou, alegando que não serve os interesses do país.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Dividida já a américa está há muito tempo graças ao Trump. Perdidos por cem, perdidos por mil… Rebentem com esse bandalho!

  2. O ridículo desta corja socialista americana. Por meia dúzia de dias (o que prova a miséria desse partido democrata) estão a arranjar lenha para ainda dividir mais os EUA. Em vez de apaziguarem o povo americano estão a dividi-lo cada vez mais. Patético, mesmo.

RESPONDER

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …

Putin avisa que quem ameaçar a Rússia "se irá arrepender como nunca"

O presidente Vladimir Putin emitiu um alerta durante o seu discurso anual ao Governo. O líder frisou que qualquer membro da comunidade internacional que ameace a Rússia "se irá arrepender como nunca se arrependeu antes". O …

Nove anos depois, Bruxelas deixa de monitorizar atividade da CGD

A Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) encerrou o processo de monitorização do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "A Caixa Geral de Depósitos, S.A. (CGD) informa que recebeu comunicação da Direção …

Se não fosse o vídeo de Darnella Frazier, "Derek Chauvin ainda seria polícia"

Darnella Frazier, na altura com 17 anos, foi a responsável pelo vídeo que mostra o ex-agente da polícia Derek Chauvin a prender o afro-americano George Floyd, que acabou por não resistir. Esta terça-feira foi um dia …

Eutanásia. Jurisdição do PSD considera haver matéria para processo disciplinar a Rio e Adão Silva

O Conselho Nacional de Jurisdição do PSD considerou que existe "matéria bastante para abertura de processo disciplinar" ao presidente do partido e ao líder parlamentar por violação de uma decisão do Congresso sobre eutanásia, faltando …

"Um charro para uma vacina." Ativistas oferecem canábis a nova-iorquinos vacinados

"Um charro para uma vacina." Este é o mote dos ativistas pela legalização da canábis que, esta terça-feira, ofereceram um charro às pessoas que receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid-19 …

Recurso de Amorim arquivado. Sporting avança para a "impugnação judicial"

O Sporting anunciou, esta quarta-feira, que o seu treinador vai avançar com uma "impugnação judicial" do castigo aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Portuguesa (FPF). Num comunicado, o clube de Alvalade lamentou …

Casa Branca exige que Congresso aprove reformas de práticas policiais

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, quer que o Congresso aprove reformas relativas às práticas policiais para fazer justiça ao legado do afro-americano George Floyd, depois de o ex-polícia Derek Chauvin ter sido …