Câmara dos Representantes aprova processo de destituição de Trump

Michael Reynolds / EPA

O presidente dos EUA, Donald Trump

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou, esta quarta-feira, o pedido de destituição do Presidente cessante. Donald Trump torna-se o primeiro chefe de Estado do país a sofrer dois processos de impeachment.

De acordo com o jornal online Observador, depois de um debate de várias horas, os congressistas norte-americanos partiram para a votação final sobre o processo de destituição de Donald Trump.

A resolução alcançou o número de votos necessário para ser aprovada: 232 votos a favor (222 democratas e 10 republicanos) e 197 votos contra (todos republicanos). Segundo o mesmo jornal digital, o congressista republicano lusodescendente, David Goncalves Valadao, foi um desses republicanos a votar a favor.

Este é o processo de impeachment em que mais membros do Congresso votaram a favor. O recorde anterior era de 1998, ano em que cinco democratas votaram a favor da destituição de Bill Clinton.

O Presidente cessante torna-se, assim, o primeiro chefe de Estado dos Estados Unidos a sofrer dois processos de impeachment. O processo de destituição terá agora de ser votado no Senado, onde os republicanos têm a maioria, sendo necessária uma maioria de dois terços.

O artigo para o novo processo de impeachment foi apresentado na Câmara de Representantes, na segunda-feira, acusando o líder de “incitamento à insurreição” por ter induzido os seus apoiantes a assaltar o Capitólio.

Os democratas lutam agora contra o relógio para conseguir que o artigo de destituição seja aprovado na Câmara e levado a tempo de ser votado no Senado, antes da tomada de posse do Presidente eleito, Joe Biden, no dia 20 de janeiro.

Esta votação no Senado poderá ser adiada por alguns meses para que o Congresso se foque na aprovação de outros temas, nomeadamente de combate à pandemia de covid-19.

Caso a destituição seja aprovada, Donald Trump poderá ficar impedido de voltar a concorrer à Presidência. Recorde-se que cinco pessoas morreram na sequência dos incidentes violentos no Capitólio.

No arranque da discussão, a líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disse que os membros do Congresso “experimentaram a insurreição que violou a santidade do Capitólio do povo e tentou derrubar a vontade devidamente registada dos eleitores norte-americanos”.

“Sabemos que o Presidente dos EUA incitou esta insurreição, esta rebelião armada, contra o nosso país. Ele deve ir embora. Ele é um perigo claro e presente para a nação e para todos nós”, disse a democrata.

Pelosi lembrou ainda que Trump “mentiu repetidamente” sobre o resultado das eleições Presidenciais, “semeou dúvidas egoístas sobre a democracia e procurou, de forma inconstitucional, influenciar funcionários do Estado a repetir esta rebelião armada contra o nosso país”, concluiu.

Os republicanos, por sua vez, iniciaram a defesa de Trump, acusando os democratas de terem uma longa agenda política contra o Presidente, desde o início do seu mandato.

Jim Jordan, do Ohio, lembrou que, logo que Donald Trump tomou posse, em 2017, o jornal The New York Times escreveu que começara a contagem decrescente para a destituição do 45.º Presidente dos EUA, para defender a ideia de que o objetivo dos democratas sempre foi atingir pessoalmente o líder republicano.

Jordan disse que os Estados Unidos são o país que conseguiu colocar um homem na lua e que se deve focar em grandes objetivos e não em “pequenas lutas políticas” que apenas diminuem a imagem do país e da sua democracia.

“Se afastássemos todos os políticos que fazem discursos inflamados, este lugar (o Congresso) estaria vazio”, disse Tom McClintock, republicano da Califórnia, para contestar o argumento de que Trump é culpado de instigar violência contra o Capitólio por causa dos seus discursos inflamados.

Tentar destituir o Presidente é perigoso. Vai dividir o país e vai criar instabilidade”, disse a representante Louie Gohmert, usando um argumento que foi repetido pelos republicanos.

Este procedimento segue-se a um pedido formal, discutido na terça-feira, para que o vice-Presidente invocasse a 25.ª emenda da Constituição para retirar poderes a Trump, invocando os riscos da sua manutenção no cargo para a segurança do país, que Mike Pence recusou, alegando que não serve os interesses do país.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Dividida já a américa está há muito tempo graças ao Trump. Perdidos por cem, perdidos por mil… Rebentem com esse bandalho!

  2. O ridículo desta corja socialista americana. Por meia dúzia de dias (o que prova a miséria desse partido democrata) estão a arranjar lenha para ainda dividir mais os EUA. Em vez de apaziguarem o povo americano estão a dividi-lo cada vez mais. Patético, mesmo.

RESPONDER

Só pela profissão, professores "não são grupo de risco"

Graça Freitas reconheceu a importância dos professores "para o funcionamento do país", mas rejeitou considerá-los um grupo de risco esta sexta-feira. Os professores não são considerados um grupo de risco que deva ser integrado entre as …

João Leão infetado com covid-19

João Leão, ministro das Finanças, testou positivo à covid-19. O governante encontra-se assintomático e em confinamento domiciliário. O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, testou positivo à covid-19. A informação foi adiantada este sábado …

Ricardo Salgado quer anular multa de 75 mil euros

A defesa de Ricardo Salgado recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça para tentar anular uma decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que confirmou uma multa de 75 mil do Banco de Portugal por causa …

Portugueses começam a votar nas Presidenciais este domingo. Há 246 mil inscritos

Os portugueses começam a votar já neste domingo, uma semana antes das eleições Presidenciais de 24 de janeiro, no chamado voto antecipado em mobilidade para que se inscreveram mais de 246 mil eleitores. As europeias e …

Maduro ofereceu oxigénio ao Amazonas (quando há venezuelanos a morrerem por falta dele)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ofereceu oxigénio hospitalar ao Estado do Amazonas, no Brasil, para ajudar a combater a falta deste gás devido ao elevado número de casos de covid-19. Uma generosidade que está …

Pior dia da pandemia. Portugal regista 10.947 infetados e 166 mortos em 24 horas

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) revela que, este sábado, Portugal atingiu dois recordes num só dia. Portugal voltou a registar um novo máximo este sábado, no dia dois do novo confinamento. Nas últimas …

Vírus duplica incidência em Espanha. Já provocou quase 2.500 mortos em 2021

Nos primeiros 15 dias de 2021, o número de infeções por covid-19 duplicaram em Espanha, com mais 300 mil novos contágios e 2.477 mortes, segundo números das autoridades sanitárias. Espanha começou o ano de 2021 com …

Apoio do Governo para pagar conta da luz em Janeiro não passa dos 2,40 euros por família

O apoio extraordinário que o Governo vai dar às famílias portuguesas para o pagamento da conta da luz, neste mês de Janeiro, devido ao confinamento e às temperaturas anormalmente baixas, é modesto. A verba máxima …

Crónica ZAP - Nota Artística por Nuno Miguel Teixeira

Nota artística: um clássico que valia 14 pontos

https://soundcloud.com/nuno-teixeira-264830877/fc-porto-1-1-benfica-o-musical-1 Chegámos.   Chegámos ao grande jogo do campeonato. Desta vez aparece no calendário só a meio de Janeiro, mas cá está ele. O grande jogo. "Ai não! Há Sporting, há Boavista, há Braga!". O Sporting e o …

Armin Laschet sucede a Angela Merkel na liderança da CDU

Este sábado, Armin Laschet foi eleito líder do partido alemão União Democrata-Cristã (CDU), depois de Angela Merkel ter abandonado o cargo, em setembro. Armin Laschet, chefe do governo da Renânia do Norte-Vestfália, é o novo líder …