Só há 33 meios aéreos de combate a incêndios dos 60 previstos

Paulo Cunha / Lusa

João Gomes Cravinho diz que nunca Portugal teve tantos meios aéreos para o combate aos fogos. Faltam no entanto três helicópteros ligeiros do Estado e 35 aviões adicionais alugados este ano.

O ministro da Defesa Nacional disse esta quarta-feira que estão atualmente disponíveis 33 meios aéreos de combate a incêndios florestais e “dentro de dias” vão estar operacionais mais seis aeronaves, garantindo que existem condições para dar resposta às necessidades.

“Neste preciso momento temos mais meios aéreos que alguma vez tivemos a 5 de junho. São atualmente 33 e serão 39 dentro de dias. Em nenhum outro momento, na primeira quinzena de junho, tivemos meios semelhantes”, disse João Gomes Cravinho, na Comissão de Defesa Nacional, numa audição pedida pelo PSD sobre a falta de aeronaves para o combate aos fogos.

A Diretiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), prevê para o mês de junho a operação de 60 meios aéreos, incluindo um helicóptero da Força Aérea que será ativado em caso de necessidade para coordenação aérea, mas só 33 estão atualmente operacionais.

Os meios aéreos que ainda não estão aptos a voar para a época de fogos são os três helicópteros ligeiros do Estado e as 35 aeronaves adicionais alugadas este ano, que estão a aguardar pelo visto do Tribunal de Contas ou têm processos judiciais pendentes.

O ministro da Defesa avançou que estão atualmente em curso providências cautelares referentes a cinco lotes, estando um processo no tribunal de Loulé e os restantes em Lisboa.

Entretanto, o Governo fez ajuste diretos para a contratação de 16 meios aéreos. “Estamos em condições de dar resposta este ano às nossas necessidades”, garantiu o ministro, sublinhando que Estado “tudo fará para colocar a tempo” os meios aéreos necessários ao serviço da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

O governante assegurou que o Estado “procederá ao ajuste direto” em caso de necessidade. João Gomes Cravinho frisou também que o Estado português com o Código de Contrato Públicos tem “uma enorme dificuldade em colocar todos os meios que quer num determinado momento ao serviço”.

João Gomes Cravinho considerou que o Código de Contrato Público coloca o Estado “à mercê dos interesses de empresas”, que são quase sempre as mesmas e que ao longo dos anos “se digladiam e se entendem entre si para fazer gato sapato do Estado e gato sapato também dos interesses do país”.

O ministro acusou ainda o PSD de ter colocado a questão dos meios aéreos de combate a incêndios como um dos assuntos da campanha das eleições europeias. “Houve uma manifesta piromania eleitoral em algumas abordagens”, disse.

Em resposta, o deputado do PSD Duarte Marques afirmou que atualmente deviam estar operacionais 60 meios aéreos, mas estão 33, o que “é lamentável”.

“Este assunto não vem à baila por causa da campanha eleitoral, morreram mais de 100 pessoas. Pelo segundo ano consecutivo o Governo falha na contratação de meios aéreos, chegamos ao início de junho e o Governo nem metade dos meios aéreos tem operacionais. Ainda por cima tem a leviandade de dizer que há mais meios que em anos anteriores”, afirmou Duarte Marques, criticando o Governo por ter iniciado os concursos em janeiro, uma vez que devem começar a ser feitos com um ano de antecedência.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Camboja acaba com passeios turísticos de elefante em Angkor

Os passeios de elefante, que são umas das principais atrações turísticas pelas áreas dos templos de Angkor, no Camboja, deixarão de o ser em 2020. Em 2016, uma elefante fêmea morreu por insuficiência cardíaca depois de …

MPLA afasta "Tchizé" dos Santos do comité central e suspende-a por dois anos

O Bureau Político do MPLA aprovou, esta quinta-feira, o afastamento de Welwitschia 'Tchizé' dos Santos de membro do comité central do partido no poder em Angola e a suspensão por dois anos da condição de …

Coldplay adiam divulgação de álbum. Querem uma digressão mais "respeitadora do ambiente"

O líder dos Coldplay anunciou na quinta-feira que o grupo musical britânico adiou a digressão de apresentação do seu novo álbum, que é publicado esta sexta-feira, para ser o mais limpa possível e ter um …

Vila Galé já estuda novo resort na região do Brasil onde abandonou projeto

O Vila Galé vai mesmo avançar com uma nova unidade hoteleira na mesma região do Brasil onde decidiu abandonar o projeto que tinha, depois das críticas de que ia investir em potencial zona de reserva …

França ultrapassa Alemanha. É o pais europeu com mais pedidos de asilo

França tornou-se no país europeu com mais pedidos de asilo, pela primeira vez desde o início da crise migratória em 2015, afirmou esta quinta-feira em Paris o ministro do Interior. “A França tornou-se desde 20 de …

Procurador-geral admite que suicídio de Epstein foi resultado de vários erros

O procurador-geral dos EUA disse, esta sexta-feira, que a morte de Jeffrey Epstein, que se suicidou atrás das grades, foi o resultado de "uma tempestade perfeita de asneiras". Em entrevista à Associated Press, William Barr confessou …

Vegano processa Burger King nos EUA por "contaminação" de hambúrguer

Um cliente vegano interpôs uma ação judicial contra o Burger King nos Estados Unidos, acusando a cadeira de restaurantes de fast-food de lhe ter servido um hambúrguer cozinhado na mesma grelha utilizada para preparar carne. De …

Dono do carro onde seguia Angélico condenado a dois anos de pena suspensa

O dono de um stand da Póvoa de Varzim e a sua ex-mulher foram, esta sexta-feira, condenados a dois anos de prisão, com pena suspensa. Em causa está a falsificação do contrato de compra e venda …

Mais de 500 mulheres assassinadas em Portugal nos últimos 15 anos

Mais de 500 mulheres foram assassinadas nos últimos 15 anos em contexto de relações de intimidade em Portugal, e só neste ano já morreram 28, algumas baleadas, outras estranguladas ou espancadas, a maioria vítima de …

Paulo Macedo diz que a CGD não vai ser "uma nêspera"

O presidente da CGD considera que há a expectativa de o banco público ficar "sossegado", mas que a sua equipa não é paga para "ficar a ver navios" e quer pagar o capital injetado pelo …