Um iPhone daqui a um milhão de anos. Artista mostra o impacto do lixo eletrónico

A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos.

Os lançamentos de novos smartphones, computadores ou outros dispositivos eletrónicos são uma constante nos dias de hoje. Assim como a quantidade, a qualidade dos dispositivos também aumenta, tornando os aparelhos, comprados a apenas alguns meses, desfasados.

No entanto, estas trocas constantes produzem muito lixo eletrónico que acaba por ser prejudicial à natureza. Nathaniel Stern, professor de engenharia e design na Universidade de Wisconsin-Milwaukee, nos Estados Unidos, começou a olhar para os seus smartphones velhos e a questionar-se: “quanto tempo demora este dispositivo eletrónico a desintegrar-se?”.

Todas as suas dúvidas motivaram-no a criar uma exposição que exibe vários modelos de dispositivos eletrónicos expostos a condições extremas, como o aumento da temperatura e da pressão, simulando o que os próximos anos farão aos nossos aparelho no lixo. O resultado final foram os Phossils, mistura entre fóssil e telemóvel, em inglês.

A exposição, batizada de The World After Us: Imaging techno-aestethic futures, mostra esculturas, instalações, quadros e fotografias que fazem as pessoas refletirem sobre o uso e o descarte da tecnologia.

Na descrição do projeto, o criador afirma que não se trata de um futuro pós-apocalíptico. Em vez disso, esta exibição é estímulo que leva o visitante a imaginar as possibilidades para os próximos anos e a reinventar o que pode ser feito a seguir.

Segundo o CanalTech, a exposição integra 250 computadores, 100 telefones e algumas dezenas de teclados e ratos, além de centenas de metros de fita, cabo de rede e cabos USB. Estes componentes vieram de lojas de eletrónica em segunda mão e doados por empresas que ouviram falar no projeto.

Numa das paredes desta exposição, vemos portáteis, teclados, telefones e outros resíduos de lixo eletrónico cobertos por bolores. Os fios surgem entrelaçados e com uma cor esverdeada, simulando uma floresta. Também há vários cenários criados com aparelhos e plantas para mostrar como estes gadgets ficariam no meio da natureza.

Quando a exposição chegar ao fim, Stern garante que todo o lixo será reciclado. A exposição estreou na passada sexta-feira, dia 17 de janeiro, no Museu de Arte de Wisconsin. Se não puder deslocar-se aos Estados Unidos, pode ver o que aconteceria aos seus dispositivos eletrónicos no site oficial.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Depois da “Banana” a apodrecer, a “Electrónica” na Natureza. Qualquer ideia mais excêntrica, é etiquetada de “Arte”. Certo é que chega-se a conclusão, que se pode ganhar dinheiro com causas mais ou menos credíveis, desde logo que alguns Iluminados e snobes participem na oferenda do preço do bilhete de entrada. Assim vai o Mundo, muitos chicos espertos fazem dinheiro com as situações mais abstractas e por vezes dramáticas. Hajam seguidores para os alimentarem !

RESPONDER

Estúdios de tatuagens podem reabrir na segunda-feira

Os estúdios de tatuagens e de ‘bodypiercing’ vão poder reabrir na segunda-feira juntamente com outros serviços de atendimento ao público e comerciais, mas terão de funcionar mediante marcação prévia e cumprindo as regras sanitárias. Na resolução …

As rãs de cristal revelaram uma nova forma de camuflagem

As rãs de cristal são bem conhecidas pela sua pele transparente, mas, até agora, o motivo desta curiosa característica não tinha recebido atenção experimental. Uma equipa de cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, da …

Pescador encontra destroços de navio que terá naufragado há mais de 200 anos

Arqueólogos mexicanos localizaram os destroços de um navio na costa do estado de Quintana Roo, no México, e acreditam que o mesmo terá naufragado há mais de 200 anos. De acordo com a BBC, o naufrágio …

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …