Itália vai pagar 18 mil euros a Amanda Knox por danos e despesas

Scott335 / Flickr

Amanda Knox à saída da prisão, em Perugia, em 2011

Um tribunal europeu encontrou falhas em como a polícia italiana inicialmente questionou Amanda Knox, que ficou presa por quase quatro anos em Itália depois de a sua colega de quarto sido morta.

“Knox estada particularmente vulnerável, sendo uma jovem estrangeira, 20 na época, não tendo estado em Itália durante muito tempo e não sendo fluente em italiano”, disse a Corte Europeia de Direitos Humanos numa declaração na quinta-feira.

A decisão examinou os acontecimentos de 6 de novembro de 2007, quando a polícia questionou Knox às 5h45 da manhã sobre a morte de Meredith Kercher, uma britânica que estava a estudar em Perugia, que tinha sido encontrada morta no apartamento que dividia com Knox.

Em 2009, a Justiça italiana tinha condenado Amanda Knox e o italiano Raffaele Sollecito – namorado de Knox – pelo assassinato da estudante. A jovem foi sentenciada a 28 anos e seis meses de prisão e Sollecito foi condenado a 25 anos por homicídio e abuso sexual.

Mas a decisão foi revista em 2011, depois de alguns procedimentos do caso e a recolha de provas de ADN terem sido postos em causa. Na ocasião, os dois réus já tinham passado quatro anos na prisão. A Procuradoria pediu um novo julgamento, no qual a Justiça confirmou o veredicto de 2009.

Em 2015, os juízes da mais alta instância judicial italiana consideraram que os ex-namorados não cometeram o crime e absolveram-nos.

Na quinta-feira, o tribunal disse que a acusação de Knox “foi tomada numa atmosfera de intensa pressão psicológica” e que as autoridades não conseguiram avaliar a conduta da intérprete de Knox.

As autoridades também negaram a Knox o seu direito a um advogado e não provaram que “não tinham prejudicado irreparavelmente a imparcialidade do processo como um todo”.

Por isso, agora, o tribunal mandou que Itália pague cerca de 18.400 euros a Know por danos, custos e despesas.

Knox expressou gratidão pelo anúncio do tribunal. “Fui interrogada durante 53 horas durante cinco dias, sem advogado, numa língua idioma que eu entendia talvez tão bem como alguém com dez anos”, escreveu no seu blog. “Eu confiei nessas pessoas. Eram adultos. Eram autoridades. E mentiram-me”, acrescentou.

Agora com 31 anos, Knox continua a insistir que não teve nenhum papel na morte da sua colega de apartamento.

O caso

Meredith Kercher, nascida no sul de Londres, tinha 21 anos à época do crime. Foi encontrada com a garganta cortada, no apartamento que compartilhava com Knox.

(dr) família Kercher

Meredith Kercher

O principal argumento da acusação era de que Kercher teria morrido após uma espécie de jogo sexual que também envolvia Knox e Sollecito – e que a dada altura terá dado errado. Também foi alegado que a morte teria sido o resultado de uma discussão entre as duas raparigas quanto à limpeza do apartamento onde moravam.

Um terceiro elemento, o marfinense Rudy Guede, também foi condenado pela morte da britânica num julgamento anterior. Guede cumpre uma pena de 16 anos de prisão.

Knox argumenta que Guede (que era traficante de droga) agiu sozinho no homicídio.

ZAP // NPR

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …