Em 1983, Isaac Asimov previu o mundo de 2019 (e acertou algumas coisas)

Isaac Asimov foi um escritor de ficção científica russo, tendo escrito mais de 500 obras ao longo da sua carreira. O seu trabalho continha muitas previsões sobre o futuro da sociedade e da tecnologia.

Algumas delas tornaram-se de facto realidade, como a nossa capacidade de usar o que ele chamou de “comunicação visual-sonora” para entrar em contacto com qualquer pessoa na Terra. Já outras, como uma máquina que pode converter fermento, algas e água em alimentos como “peru falso”, por exemplo, não se concretizaram – ainda.

Em 1983, o Toronto Star convidou Isaac Asimov para prever como seria o mundo em 2019. A escolha da data não foi arbitrária. De acordo com o jornal, era um bom momento para colocar esta questão, uma vez que se teriam passado 35 anos desde que George Orwell escreveu “1984”.

Asimov sublinhou que seria inútil imaginar o futuro da sociedade se os EUA e a União Soviética começassem uma guerra nuclear, por isso assumiu que isso não aconteceria. Em seguida, o escritor dividiu as suas previsões em dois temas principais: informatização e utilização do espaço.

Em relação à informatização, Asimov fez algumas previsões, embora fossem amplas. “A informatização, sem dúvida, continuará inevitavelmente”, disse.

Para o escritor, o “objeto computadorizado móvel” iria “penetrar nas casas” e a crescente complexidade da sociedade impossibilitar viver sem esta tecnologia, os computadores transformariam os hábitos de trabalho e substituiriam empregos antigos por outros diferentes e a robótica extinguiria “tarefas rotineiras e de linha de montagem”.

Além disso, a sociedade precisaria de uma “vasta mudança na natureza da educação, e populações inteiras precisariam de ser alfabetizadas em computadores” e “ensinadas a lidar com um mundo de alta tecnologia”. Segundo Asimov, a transição educacional seria difícil para muitos, especialmente quando a população mundial começar a crescer a taxas sem precedentes.

Asimov fez algumas suposições ligeiramente equivocadas sobre o futuro da informatização. Por exemplo, previu que a tecnologia revolucionaria a educação – o que é correto – , mas que a escolaridade tradicional tornar-se-ia desatualizada à medida que as crianças se tornassem capazes de aprender tudo o que precisam a partir dos computadores em casa.

Já em relação à utilização do Espaço, Asimov afirmou que entraríamos no espaço “para ficar”. E estava certo: a Estação Espacial Internacional está continuamente ocupada há mais de 18 anos.

Porém, o escritor foi otimista demais quanto aos empreendimentos espaciais das futuras sociedades, prevendo que os humanos estariam “de volta à lua” com operações de mineração, fábricas que “usariam as propriedades especiais do espaço”, observatórios e até uma estação de energia solar. Asimov também pensou que estaríamos a caminho de estabelecer assentamentos humanos na lua.

“Até 2019, o primeiro assentamento espacial deve estar em planeamento e, talvez, esteja em construção”, escreveu. “Seria o primeiro de muitos em que os seres humanos poderiam viver às dezenas de milhares e em que poderiam construir pequenas sociedades de todos os tipos”.

A NASA, de facto, planeia enviar astronautas para a lua novamente – mas só daqui a cerca de uma década. E, enquanto a agência espacial norte-americana e diversas outras instituições estão a estudar a possibilidade de assentamentos espaciais, provavelmente não sairão do papel durante o próximo ano.

Futuro da tecnologia é difícil de prever

É possível usar observações como a lei de Moore para prever os tipos gerais de avanços tecnológicos que devemos ver em um, dois ou até cinco anos. Mas, como disse o analista de tecnologia Andy Oram, da O’Reilly Media, num relatório do Pew Research Center sobre o futuro da Internet, “além de cinco anos, tudo está em aberto”.

Isto acontece porque é impossível prever as muitas maneiras inovadoras em que a próxima geração pode fazer uso destes grandes avanços.

Ed Lyell, ex-membro da Comissão Consultiva do Conselho de Educação e Telecomunicação do Estado do Colorado, elaborou mais esta ideia num relatório do Internet & American Life Project do Pew Research Center.

“Peter Drucker escreveu sobre as principais transformações da história. A imprensa, a revolução industrial movida a motores a vapor e a Internet emergente. O seu ponto principal é que é preciso uma geração, cerca de 25 anos, para que a nova ‘coisa’ realmente tenha impacto”, escreveu Lyell.

ZAP // Big Thing

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. De acordo com o jornal, era um bom momento para colocar esta questão, uma vez que se teriam passado 35 anos desde que George Orwell escreveu “1984”????

    O homem morreu em 1950 e o 1984 foi lançado em 1949…

RESPONDER

Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um …

May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para …

Porto vende 35 mil francesinhas por dia (e os turistas adoram)

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem …

China limita número de alpinistas autorizados a escalar Everest

O número total de alpinistas que tentam alcançar o topo do Everest, a 8.850 metros de altitude, a partir do norte, serão limitados a menos de 300, e a temporada de escalada será restringida à …

Rede francesa de solidariedade acolhe brasileiros que queiram fugir de Bolsonaro

Solidarité Brésil é o nome da iniciativa, lançada esta sexta-feira, em Paris, que tem como objetivo ajudar estudantes, artistas ou intelectuais que se sintam ameaçados no Brasil de Jair Bolsonaro. Podem ser estudantes, investigadores, artistas, professores, …

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Todos os dias, em média, cinco emigrantes portugueses tornam-se britânicos. Só entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido conseguiram obter cidadania britânica, número que supera o total de autorizações …

O maior encontro religioso do mundo leva 150 milhões de pessoas à Índia

Até 04 de março, são esperados na cidade indiana Allahabad cerca de 150 milhões de peregrinos, que buscam proteção e purificação nas águas que cruzam os rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati, durante aquele que é …

Ciclistas indignados com anúncio que mostra bicicleta a ser abalroada

Um anúncio de publicidade do Continente em que um ciclista é abalroado por um automóvel está a gerar indignação. A Federação Portuguesa de Ciclismo já pediu a retirada do anúncio e apresentou queixa à Entidade …

Hoje, Wall Street parou. É dia de Martin Luther King Jr

Desde 1986 que se realiza, nos EUA, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova York estará encerrada, assim como a maior parte das …

Vaticano acusado de conhecer má conduta de bispo argentino desde 2015

O Vaticano recebeu informações entre 2015 e 2017 de que um bispo argentino próximo do papa exibia um comportamento "obsceno" e foi acusado de má conduta com seminaristas, segundo um religioso citado pela Associated Press. As …