Em 1983, Isaac Asimov previu o mundo de 2019 (e acertou algumas coisas)

Isaac Asimov foi um escritor de ficção científica russo, tendo escrito mais de 500 obras ao longo da sua carreira. O seu trabalho continha muitas previsões sobre o futuro da sociedade e da tecnologia.

Algumas delas tornaram-se de facto realidade, como a nossa capacidade de usar o que ele chamou de “comunicação visual-sonora” para entrar em contacto com qualquer pessoa na Terra. Já outras, como uma máquina que pode converter fermento, algas e água em alimentos como “peru falso”, por exemplo, não se concretizaram – ainda.

Em 1983, o Toronto Star convidou Isaac Asimov para prever como seria o mundo em 2019. A escolha da data não foi arbitrária. De acordo com o jornal, era um bom momento para colocar esta questão, uma vez que se teriam passado 35 anos desde que George Orwell escreveu “1984”.

Asimov sublinhou que seria inútil imaginar o futuro da sociedade se os EUA e a União Soviética começassem uma guerra nuclear, por isso assumiu que isso não aconteceria. Em seguida, o escritor dividiu as suas previsões em dois temas principais: informatização e utilização do espaço.

Em relação à informatização, Asimov fez algumas previsões, embora fossem amplas. “A informatização, sem dúvida, continuará inevitavelmente”, disse.

Para o escritor, o “objeto computadorizado móvel” iria “penetrar nas casas” e a crescente complexidade da sociedade impossibilitar viver sem esta tecnologia, os computadores transformariam os hábitos de trabalho e substituiriam empregos antigos por outros diferentes e a robótica extinguiria “tarefas rotineiras e de linha de montagem”.

Além disso, a sociedade precisaria de uma “vasta mudança na natureza da educação, e populações inteiras precisariam de ser alfabetizadas em computadores” e “ensinadas a lidar com um mundo de alta tecnologia”. Segundo Asimov, a transição educacional seria difícil para muitos, especialmente quando a população mundial começar a crescer a taxas sem precedentes.

Asimov fez algumas suposições ligeiramente equivocadas sobre o futuro da informatização. Por exemplo, previu que a tecnologia revolucionaria a educação – o que é correto – , mas que a escolaridade tradicional tornar-se-ia desatualizada à medida que as crianças se tornassem capazes de aprender tudo o que precisam a partir dos computadores em casa.

Já em relação à utilização do Espaço, Asimov afirmou que entraríamos no espaço “para ficar”. E estava certo: a Estação Espacial Internacional está continuamente ocupada há mais de 18 anos.

Porém, o escritor foi otimista demais quanto aos empreendimentos espaciais das futuras sociedades, prevendo que os humanos estariam “de volta à lua” com operações de mineração, fábricas que “usariam as propriedades especiais do espaço”, observatórios e até uma estação de energia solar. Asimov também pensou que estaríamos a caminho de estabelecer assentamentos humanos na lua.

“Até 2019, o primeiro assentamento espacial deve estar em planeamento e, talvez, esteja em construção”, escreveu. “Seria o primeiro de muitos em que os seres humanos poderiam viver às dezenas de milhares e em que poderiam construir pequenas sociedades de todos os tipos”.

A NASA, de facto, planeia enviar astronautas para a lua novamente – mas só daqui a cerca de uma década. E, enquanto a agência espacial norte-americana e diversas outras instituições estão a estudar a possibilidade de assentamentos espaciais, provavelmente não sairão do papel durante o próximo ano.

Futuro da tecnologia é difícil de prever

É possível usar observações como a lei de Moore para prever os tipos gerais de avanços tecnológicos que devemos ver em um, dois ou até cinco anos. Mas, como disse o analista de tecnologia Andy Oram, da O’Reilly Media, num relatório do Pew Research Center sobre o futuro da Internet, “além de cinco anos, tudo está em aberto”.

Isto acontece porque é impossível prever as muitas maneiras inovadoras em que a próxima geração pode fazer uso destes grandes avanços.

Ed Lyell, ex-membro da Comissão Consultiva do Conselho de Educação e Telecomunicação do Estado do Colorado, elaborou mais esta ideia num relatório do Internet & American Life Project do Pew Research Center.

“Peter Drucker escreveu sobre as principais transformações da história. A imprensa, a revolução industrial movida a motores a vapor e a Internet emergente. O seu ponto principal é que é preciso uma geração, cerca de 25 anos, para que a nova ‘coisa’ realmente tenha impacto”, escreveu Lyell.

ZAP // Big Thing

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. De acordo com o jornal, era um bom momento para colocar esta questão, uma vez que se teriam passado 35 anos desde que George Orwell escreveu “1984”????

    O homem morreu em 1950 e o 1984 foi lançado em 1949…

RESPONDER

Jesus orientou primeiro treino no Flamengo, pediu compromisso e deu lição

O treinador português Jorge Jesus iniciou hoje a ‘aventura’ na equipa de futebol do Flamengo, pedindo aos jogadores “compromisso” em prol do conjunto do Rio de Janeiro, antes de orientar o primeiro treino dos ‘rubro-negros’. “O …

Maher e Safa deixaram sonhos para trás. Mas reencontraram a paz em Portugal

Os sonhos de Maher e de Safa ficaram adiados com a guerra na Síria, mas reencontraram a paz em Portugal, onde residem há dois anos ao abrigo de um programa de acolhimento de refugiados. É no …

São Francisco poderá ser a primeira cidade a proibir venda de cigarros eletrónicos

Se esta decisão for aprovada pela FDA, São Francisco vai tornar-se a primeira cidade a banir a venda de cigarros eletrónicos. De acordo com o Observador, a Câmara de Supervisores de São Francisco, nos EUA, aprovou uma …

Nunca houve tantos deslocados no mundo. São mais de 70 milhões

Um novo recorde foi quebrado no mundo em 2018, com 70,8 milhões de pessoas deslocadas das suas casas ou dos seus países, devido às guerras ou perseguições, anunciou esta quarta-feira as Nações Unidas. O relatório anual …

A monogamia foi inventada pelas mulheres (e o casamento, pelos homens)

A poligamia é natural no ser humano e a monogamia foi criada por imposição para a mulher, diz o investigador português Rui Diogo, que usa a ciência e a história para explicar a relação entre …

Morreu o DJ Zdar do duo electrónico Cassius. Caiu da janela de um prédio em Paris

O músico, produtor e DJ francês Philippe Cerboneschi, mais conhecido por Zdar, morreu aos 50 anos após ter caído da janela de um apartamento em Paris. O seu agente confirmou a "queda acidental" sem revelar …

PS quer o Estado a pagar licença sabática aos portugueses para voltarem a estudar

A criação de uma licença sabática para qualificar trabalhadores e um sistema de prémios e penalizações para combater a desigualdade salarial são medidas que o PS inclui no seu projecto de programa eleitoral. O director do …

Putin reconhece: as condições de vida dos russos pioraram nos últimos anos

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu esta quinta-feira que as condições de vida no país pioraram nos últimos anos, mas assegurou que as autoridades russas trabalham para reverter essa tendência, e enumerou os primeiros …

Marcelo, o "verdadeiro professor", é estrela em promo de La Casa de Papel

O novo vídeo promocional de La Casa de Papel tem um protagonista improvável. Marcelo Rebelo de Sousa, ou, na verdade, uma imitação do Presidente da República, faz uma chamada para a inspetora Raquel. Na chamada telefónica, …

Num só dia, derreteu 40% da área superficial da Gronelândia (e há fotografias)

Uma fotografia divulgada no Twitter do climatologista dinamarquês Rasmus Tonboe ilustra o degelo que ocorre na Gronelândia, evidenciando algumas das consequências que podem ser desencadeadas pelo fenómeno.   A imagem, que mostra um trenó a ser …