Só 15% das reações adversas em Portugal são à AstraZeneca. Segunda dose poderá ser substituída por outra vacina

Luong Thai Linh / EPA

Só cerca de 15% dos dos mais de 3600 casos de reações adversas reportados em Portugal estão relacionados com a vacina da AstraZeneca. Esta segunda-feira, a Comissão Técnica da Direção-Geral da Saúde admitiu que a segunda dose poderá ser substituída por uma de qualquer outra vacina.

A vacina da AstraZeneca tem estado no centro da polémica, sobretudo depois do parecer da Agência Europeia do Medicamento (EMA), que concluiu existir uma “possível relação” entre a administração do fármaco e a formação de “casos muito raros” de coágulos sanguíneos. Em Portugal, decidiu-se restringir a toma da vacina em pessoas com menos de 60 anos, visto ser abaixo desta faixa que se registou a maior parte dos casos.

Segundo o jornal online ECO, até ao último sábado tinham sido reportados mais de 3600 casos de reações adversas associados às três vacinas que estão a ser administradas no país – Pfizer, Moderna e AstraZeneca.

Contudo, apenas cerca de 15% estão relacionados com a vacina do laboratório anglo-sueco, tendo sido reportados 535 casos. A maioria diz respeito à vacina da Pfizer, 2941 (81,1%), enquanto com a vacina da Moderna foram registadas 149 reações adversas (4%).

De acordo com o mesmo jornal digital, se olharmos para a realidade europeia, Portugal é o sexto país com o maior número de casos de reações adversas relativamente à vacina da Pfizer, importando sublinhar que, até à data analisada, já tinham sido administradas em território português 1,4 milhões de doses desta vacina (o que significa que a a percentagem de reações adversas é de apenas 0,21%).

Relativamente à AstraZeneca, Portugal está em 11.º lugar a nível europeu. Até à data analisada, tinham sido administradas no nosso país 388 mil vacinas da agora chamada Vaxzevria, o que representa uma taxa de de apenas 0,14%.

No caso da Moderna, vacina da qual há menos doses disponíveis no momento, Portugal está em oitavo lugar. Foram administradas 128 mil doses a nível nacional, o que significa que a percentagem de reações adversas é de apenas 0,12%.

DGS admite que qualquer vacina pode substituir segunda dose da AstraZeneca

A Comissão Técnica de Vacinação contra a Covid-19 da Direção-Geral da Saúde (DGS) admitiu que quem recebeu a primeira dose da vacina da AstraZeneca, estando abaixo dos 60 anos, poderá receber uma segunda dose de qualquer outra vacina.

Em declarações à rádio TSF, Luís Graça, um dos membros desta comissão técnica, explicou que o país está numa situação em que pode esperar para ver o que se passa noutros países e estudos que estão a ser feitos.

O investigador destacou mesmo um trabalho que está a ser “promovido pela Universidade de Oxford para estudar a eficácia e a segurança de fazer uma troca de vacinas – uma segunda dose diferente da primeira”.

Com esta situação, Luís Graça explica que, em maio (a segunda dose da vacina da AstraZeneca deve ser dada 12 semanas depois da primeira), quando chegar a altura de se começar a dar a segunda dose, “estaremos muito mais seguros da estratégia mais segura e eficaz”.

“(…) Todas as vacinas usam a mesma proteína, pelo que do ponto de vista da imunologia, à partida, será equivalente a resposta imunitária induzida com uma vacina de uma marca diferente”, explicou à rádio o especialista do Instituto de Medicina Molecular (IMM).

O responsável aproveitou para reforçar que esta decisão de aguardar por resultados “é uma mensagem de segurança também para estas pessoas de que não se está a tomar uma medida precipitada com base em dados incompletos, esperando algum tempo por dados mais robustos”.

Portugueses não mostram desconfiança

Apesar das polémicas em torno da vacina da AstraZeneca, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task force responsável pelo plano de vacinação contra a covid-19, garantiu que, para já, os portugueses não estão a mostrar desconfiança.

“Não estamos a fazer o registo sistemático de pessoas que se tenham negado [a receber uma determinada vacina] porque há cerca de oito milhões de portugueses que querem receber a vacina”, afirmou à RTP3, citado pelo jornal Público.

“Não temos sentido muito isso, mas claro que todas as dúvidas e todo o ruído à volta desta vacina podem ter um efeito negativo”, admitiu o responsável, acrescentando que é preciso “muito cuidado” para “não entrar numa curva de histeria que vai prejudicar não só o processo de vacinação, mas essencialmente a proteção das pessoas”.

“A coisa mais perigosa é não estar vacinado”, afirmou o vice-almirante, reforçando: “Nesta última semana, já morreram de covid-19 em Portugal mais pessoas do que todas as pessoas que morreram de eventos tromboembólicos da vacina da AstraZeneca, tendo esta sido administrada a 30 milhões de pessoas [em todo o mundo]”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Covid-19: Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o …

Roma já tem uma máquina de venda automática de pizza

A capital italiana tem agora uma máquina de venda automática que faz pizzas em apenas três minutos. Os preços variam de 4,50 aos seis euros (e as opiniões sobre esta ideia também). Raffaele Esposito, o napolitano …

Morreu Bo, o cão de água português de Barack Obama

Bo, o cão de água português que o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, adotou em 2009 morreu este domingo com 13 anos, em consequência de um cancro, anunciou o político nas redes sociais. O cão …

Futuro pós-vacinação entre reforço de dose, controlo de variantes e medicamentos

A incerteza sobre a duração da imunidade das vacinas contra a covid-19 deixa o futuro do combate à doença entre o reforço da vacinação, a monitorização de novas variantes e o desenvolvimento de terapêuticas alternativas, …

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou este sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no site da Presidência. A lei, …

Depois de 17 anos no subsolo, biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos

Biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos. O aviso é de um grupo de cientistas que alerta que, dentro de alguns dias ou semanas, as cigarras da Ninhada X vão surgir depois de 17 …

Foguetão chinês regressou à Terra (e a maior parte desintegrou-se)

Um importante segmento do foguetão chinês desintegrou-se este domingo ao reentrar na atmosfera terrestre e caiu no oceano Índico, perto das Maldivas, anunciou a agência espacial da China. "De acordo com o percurso e análise, pelas …

"Se eu encaixar, eu sento-me." Os gatos adoram caixas ilusórias

Qualquer amante de gatos sabe que estes animais têm uma predileção inata por se sentarem em espaços fechados, mesmo que o espaço seja apenas um contorno bidimensional de um quadrado no chão.  Os cientistas analisaram esta …

Jet pack da Marinha britânica. Fuzileiros navais testam macacão Gravity em exercício de embarque

Quem melhor do que as organizações militares para testar e usufruir dos jet packs? A Marinha Real Britânica e os Fuzileiros Navais reais testaram um macacão a jato, desenvolvido pela empresa Gravity Industries. Esta semana, a …

Marés de Júpiter podem ajudar a perceber a história do Sistema Solar

Uma equipa de investigadores detetou uma pequena perturbação gravitacional em Júpiter. A descoberta pode ajudar a investigar o interior do planeta e perceber melhor a história do Sistema Solar. "Se você tentasse mergulhar em Júpiter, nunca …