Há exactamente 20 anos, um dos acontecimentos mais marcantes da história contemporânea abalou os EUA e o mundo. O ZAP recorda o 11 de Setembro e como o legado dos atentados ainda se faz sentir nos dias de hoje.

Foi um dia que mudou o mundo e as imagens ainda estão gravadas na nossa memória colectiva. Há precisamente 20 anos, o ocidente foi abalado por um ataque terrorista nos Estados Unidos da América que matou quase 3000 pessoas e cujo legado ainda se sente em 2021.

A 11 de Setembro de 2001, terroristas da Al-Qaeda sequestraram quatro aviões comerciais e pilotaram dois contra as torres gémeas. Cerca de uma hora depois do impacto do primeiro avião contra torre Norte, esta ruiu. 18 minutos após a primeira colisão, um segundo avião foi contra a torre Sul, que colapsou 56 minutos depois.

Um terceiro avião colidiu com o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa do governo americano e um quarto caiu num campo perto do estado da Pensilvânia, depois de os tripulantes terem conseguido desviar o avião do destino planeado pelos terroristas, que era o Capitólio, em Washington. Todos os passageiros e tripulantes dos aviões morreram.

Quando o segundo avião embateu contra a torre Sul, as dúvidas sobre se o que passara tinha sido um acidente dissiparam-se. George Bush tinha um evento marcado para o dia, que imediatamente cancelou, e o FBI abriu na hora uma investigação a um possível sequestro de um avião.

Ainda esta semana, foram identificadas mais duas vítimas mortais, algo que já não acontecia há dois anos. Uma delas chama-se Dorothy Morgan, que era residente em Hempstead. Já a identidade da segunda pessoa, um homem, não foi revelada a pedido da família. Assim, foram já identificadas 1647 vítimas mortais do total de 2753 mortos.

A identificação foi feita através de análises de ADN. “Há 20 anos, fizemos uma promessa às famílias das vítimas do World Trade Center de fazer o que fosse necessário para identificar os entes queridos. Não importa quanto tempo passe, vamos usar as ferramentas à nossa disposição para garantir que todos aqueles que foram perdidos se possam reunir com as suas famílias”, explicou Barbara A. Sampson, médica de Nova Iorque.

Visto que cerca de 40% das vítimas ainda não foram identificadas, as autoridades norte-americanas estão agora a usar um método forense mais avançado, que já está a ser usado para identificar vestígios da Segunda Guerra Mundial.

Para além do vídeo do avião a embater contra as torres, muitas outras imagens marcaram o evento, como os bombeiros desesperados a evacuar as vítimas e apagar os incêndios ou a conhecida fotografia de The Falling Man, que retrata um homem a atirar-se do edifício para fugir às chamas. Foram também inaugurados memoriais para lembrar as vítimas, tanto no local do antigo World Trade Center como no Pentágono.

O 11 de Setembro foi também o momento que catapultou a Al-Qaeda, na altura uma organização relativamente obscura, para a notoriedade mundial, e o fundador e cérebro da operação dos ataques – Osama Bin Laden – tornou-se o inimigo número um dos EUA.

Fundada em 1988, a Al-Qaeda atraiu recrutas revoltados com o imperialismo e interferência americanos no Médio Oriente e contra o apoio incondicional do país a Israel, tendo crescido em campos de treino sob a alçada do governo talibã no Afeganistão, entre 1996 e 2001.

Bin Laden acabou por ser capturado e morto pelas forças norte-americanas em 2011, na cidade de Abbottabad, no Paquistão, e o exército recolheu também documentos e comunicações internas da organização terrorista que têm sido revelados nos últimos anos.

Segundo escreve a Foreign Affairs, os Abbottabad Papers incluem notas escritas à mão por Bin Laden em 2002 a detalhar como surgiu a ideia para o 11 de Setembro. A intenção de atacar o solo americano nasceu em Outubro de 2000, semanas depois do ataque USS Cole no Iémen – em que um bombista suicida da Al Qaeda explodiu um destruidor de mísseis da marinha dos EUA.

“O mundo muçulmano está todo submetido ao reinado de regimes blasfemos e à hegemonia americana”, escreveu Bin Laden, que acreditava que o 11 de Setembro ia “quebrar o medo deste falso deus e destruir o mito da invencibilidade americana“.

Apesar de esperar que os atentados mostrassem o impacto da política externa dos EUA no Médio Oriente e virassem a população contra o governo, o 11 de Setembro acabou por ter o efeito oposto e unir a sociedade americana de uma nunca forma antes vista.

Na história das sondagens Gallup, nunca nenhum chefe de Estado americano teve uma maior taxa de aprovação do que George W. Bush teve nas semanas a seguir aos ataques, que chegou aos 90%. Quase 9 em 10 Democratas apoiavam o Presidente Republicano.

O discurso de Bush no dia dos ataques continua a ser um dos momentos mais marcantes da sua presidência. “Hoje os nossos cidadãos, a nossa forma de vida, a nossa própria liberdade foi atacada por actos terroristas deliberados. Estes actos queriam assustar a nossa nação até à desistência, mas falharam. Os ataques terroristas podem abanar as bases dos edifícios, mas não podem abanar a fundação da América“, afirmou Bush.

20 anos depois, a Al-Qaeda persiste, mesmo depois da morte do seu líder e de vários Presidentes americanos já terem declarado a derrota do grupo terrorista.

Depois de ter começado mais concentrado no Afeganistão e no Paquistão, o grupo descentralizou-se e já tem ligações a organizações na Somália, no Iémen e nos países do norte de África que ficaram mais instáveis durante a Primavera Árabe, escreve o Washington Post. Apesar de ter ganhado fama mundial com o 11 de Setembro, a Al-Qaeda dedica-se agora mais a batalhas internas do que à guerra contra os Estados Unidos.

Nas últimas semanas, com o regresso dos talibãs ao poder no Afeganistão, regressaram também os receios de que a Al-Qaeda volte a ganhar relevância no plano internacional – apesar de todas as potências exigirem ao novo governo afegão o fim do apoio a grupos terroristas em troca do reconhecimento internacional. Recorde-se que a recusa dos talibãs de entregar Bin Laden foi o que motivou a invasão norte-americana em 2001.

O Ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, acredita que a saída das tropas ocidentais do Afeganistão “deixa um grande, grande problema”. “Foi por isso que disse que este não é o tempo nem a altura certa, porque provavelmente a Al-Qaeda vai voltar. Os estados falhados são um terreno fértil para este tipo de pessoas”, afirmou.

Joe Biden ordenou a 3 de Setembro o cumprimento de uma exigência antiga das famílias das vítimas – que o Departamento de Justiça e outros órgãos federais acabassem com a confidencialidade de documentos da investigação do FBI aos ataques, o que pode finalmente confirmar ou negar as suspeitas do envolvimento do governo da Arábia Saudita, um longo aliado dos EUA.

Dos 19 terroristas envolvidos no 11 de Setembro, 15 eram sauditas – incluindo Bin Laden – dois eram dos Emirados Árabes Unidos, um era libanês e outro tinha nacionalidade egípcia. O relatório final sobre os atentados não encontrou provas do envolvimento do governo saudita ou que este tivesse financiado a Al-Qaeda, mas as acusações persistem.

“Estamos felizes por ver o Presidente a forçar a divulgação de mais provas sobre as ligações sauditas aos ataques de 11 de Setembro. Estamos a lutar contra o FBI e a comunidade de inteligência há demasiado tempo, mas isto parece um verdadeiro ponto de viragem”, afirma Terry Starda, cujo marido morreu no ataque ao World Trade Center.

Já há anos que as famílias das vítimas tentam processar o governo da Arábia Saudita pela responsabilidade dos ataques. A embaixada do país nos EUA já reagiu ao anúncio de Biden. “A Arábia Saudita sabe muito bem do mal que a ideologia e as acções da Al-Qaeda representam. Ao lado dos EUA, o reino tem lutado contra os homens e todas as formas da mentalidade terrorista”, respondeu, em comunicado.

A embaixada acrescenta que espera que a divulgação dos documentos acabe “com as alegações sem base contra o reino, de uma vez por todas”.

“Eu devia ter morrido naquele dia”

As décadas passam, mas as marcas físicas e psicológicas de quem viveu os ataques ou perdeu familiares e amigos persistem. Joe Dittmar estava numa reunião no 105º andar da Torre Sul quando teve de evacuar o edifício.

O trabalhador de uma seguradora estava a descer as escadas no 72º andar quando o segundo avião colidiu com o prédio, poucos andares acima. Dittmar estava numa sala de conferências quando um homem alertou para a explosão na Torre Norte.

“Todos os 54 de nós dissemos a mesma coisa, que estamos em Nova Iorque, há sempre coisas a acontecer aqui, deixem-nos ter a nossa reunião. Ele era bombeiro e avisou-nos que não podia sair do edifício até toda a gente sair e eu sei que ele tirou toda a gente daquela sala porque eu fui o último a sair”, explica ao City News.

A decisão de ir pelas escadas pode ter salvo a vida de Joe. Depois de ter saído do edifício, os sobreviventes conseguiram ouvir pela primeira vez a rádio a dizer que se tratava de um ataque terrorista.

“Os nossos queixos caíram. Isto não acontece aqui, mas depois ouvimos o cimento a cair, o ferro a dobrar-se e gritos de milhares de pessoas em Nova Iorque” quando a torre caiu.

Lauren Manning tinha acabado de entrar na Torre Norte do World Trade Center quando o avião atingiu o edifício, tendo sido atingida por uma enorme chama que desceu do poço do elevador até ao hall de entrada.

“De acordo com qualquer critério médico, eu devia ter morrido. Houve este assobio incrivelmente alto e penetrante e instantes depois, estava envolvida em chamas. Estava a arder viva, não há outras palavras”, revela à Sky News. Lauren ficou com 80% do corpo queimado, sendo cerca de 20% de quarto ou quinto grau, o que obrigou a amputações.

Lauren foi levada para o hospital e colocada num coma durante três meses. O marido Greg lia-lhe poemas de Robert Burns e tocava-lhe músicas do tempo em dois começaram a namorar. Alguns dias depois de acordar do coma, o filho Tyler, na altura com um ano, visitou-a pela primeira vez desde o ataque.

Tinha tanto medo que ele não me reconhecesse. Ele não me reconheceu ao início, mas depois reconheceu os meus olhos e voz. Era tudo o que eu precisava”, confessa. Enquanto estava deitada a ver pessoas a saltar das torres, Lauren sabia que os seus colegas de trabalho estavam presos nos andares nas altos. Todos os 658 trabalhadores no escritório nesse dia acabaram por morrer.

O legado que ainda se sente hoje

Uma das principais consequências dos atentados foi o início da guerra contra o “eixo do mal” do terror, com os Estados Unidos a invadir o Afeganistão em 2001, uma guerra que acabou recentemente, e o Iraque em 2003, onde o exército norte-americano ainda está.

O projecto Custos da Guerra, da Universidade de Brown, calculou os custos humanos e monetários dos conflitos. “As mortes que calculamos estão provavelmente muito abaixo do verdadeiro impacto que estas guerras tiveram. É crítico que tenhamos propriamente em conta as vastas e variadas consequências das guerras e operações contra-terrorismo dos EUA desde o 11 de Setembro”, apela Neta Crawford, co-fundadora do projecto.

Mais de 929 mil pessoas morreram vítimas de violência directa das guerras e 387 mil civis perderam a vida, segundo os cálculos. Os conflitos causaram 38 milhões de refugiados e deslocados e custaram mais de 8 biliões de dólares ao estado americano, que está actualmente a levar a cabo actividades contra-terrorismo em 85 países.

O impacto do 11 de Setembro também ainda se nota na segurança nos voos – depois dos terroristas que sequestraram os aviões terem embarcado facilmente nos aeroportos em Portland, Maine, Boston, Newark e Washington.

Antes dos atentados, era comum chegar-se aos aeroportos meros minutos antes de se embarcar e practicamente não eram exigidos documentos de identificação ou bilhetes até à porta do avião, escreve o NPR. Não era necessário remover casacos e calçado e apenas se passava num detector de metais.

Nos dias de hoje, é preciso ir para o aeroporto com horas de antecedência e esperar em longas filas. Os passageiros têm de retirar calçado e casacos e esvaziar os bolsos, as malas são sujeitas a um raio-X e temos de passar por um exame a todo o corpo.

A segurança era feita por empresas privadas contratadas pelas companhias aéreas e tinha de obedecer a critérios federais. Os contratos eram geralmente atribuídos à empresa que ficasse mais barata.

“Era tão fácil, muitos de nós ficamos surpreendidos que não tinha acontecido antes”, afirma Jeff Price, que era assistente da direcção de segurança no aeroporto de Denver no 11 de Setembro, sobre o aperto à segurança. “Antes do 11 de Setembro, a segurança era quase invisível e foi criada para ser assim. Era algo no fundo que não era muito perceptível e que não interferia com as operações do aeroporto“, acrescenta.

Mas não foram só os americanos que sentiram a vida mudar de um dia para o outro depois dos atentados – os muçulmanos também, especialmente os que viviam nos EUA na altura. Imediatamente após o 11 de Setembro, os crimes de ódio contra muçulmanos subiram de 28 incidentes em 2000 para 481 em 2001, segundo dados do FBI.

“Depois do 11 de Setembro, o ódio e a discriminação foram amplificados. De repente, o dia-a-dia dos muçulmanos americanos tornou-se objecto de consumo público, a sua fé foi tornada uma questão racial e as comunidades foram muito escrutinadas pela sociedade”, explica Sumayyah Waheed, consultor político, à Al-Jazeera.

A aprovação no imediato do Patriot Act, uma lei que deu mais poderes de espionagem às forças de segurança sobre cidadãos suspeitos de terrorismo também ainda tem impacto hoje em dia na população americana, especialmente nos muçulmanos, que foram desproporcionalmente atingidos. Vários grupos de direitos civis afirmam que a lei, cujos alguns elementos importantes expiraram em 2020, é inconstitucional.

  Adriana Peixoto, ZAP //

2 COMENTÁRIOS

  1. O golpe militar de 11 de setembro no Chile, apoiado pela CIA e pela ditadura militar brasileira, foi há 48 anos. Das vítimas deste golpe militar, que teve por trás Nixon e Kissinger, sabe-se hoje que “o total de vítimas oficiais entre executados, desaparecidos e torturados durante os 17 anos que durou a ditadura de Pinochet (1973-1990) subiu para 40.280, apesar de entre os grupos de vítimas se estimar que a cifra possa superar os 100.000” (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/08/novo-relatorio-sobe-para-mais-de-40000-as-vitimas-da-ditadura-de-pinochet.html).
    Poderia dizer-se que quem com ferros mata com ferros morre mas isso seria de uma crueldade inominável para com as vítimas inocentes do 11 de setembro de 2001. Os verdadeiros responsáveis vivos pelas atrocidades vivem bem, confortáveis e sem pesadelos, por estranho que isso possa parecer à generalidade das pessoas de bem.

  2. O Mundo depois do cobarde atentado do 11-09, en nada mudou !….continuaram a perpetrar-se imundos actos cometidos por estes assassinos, en varias partes do Mundo. Estes cães raivosos só merecem un tratamento, uma grande dose de pentobarbital !

RESPONDER