“Zona morta” maior que Portugal está a devorar o Golfo de Omã

Banco de Imágenes Geológicas / Flickr

Imagem aérea do mar Arábico – Golfo Pérsico (esq.) e Golfo de Oman (dir.)

O golfo de Omã, estreito que liga o mar arábico e o golfo pérsico, regista uma dramática diminuição de oxigénio e tem uma cada vez maior “zona morta”, confirmaram estudos da Universidade East Anglia, do Reino Unido.

Investigadores da Universidade de East Anglia, em Norfolk, no Reino Unido, identificaram uma brusca redução do oxigénio presente nas águas do Golfo de Omã, no noroeste do Mar Arábico.

Segundo o estudo, publicado a semana passada na revista Geophysical Research Letters, a crescente “zona morta” foi confirmada por Seagliders, robôs submarinos que recolheram dados em águas anteriormente inacessíveis, devido a pirataria e tensões geopolíticas.

Os Seagliders podem descer até aos mil metros de profundidade e viajar pelo oceano durante meses, cobrindo milhares de quilómetros.

Dois destes drones submarinos foram posicionados no golfo de Omã durante oito meses e, comunicando por satélite, construíram uma imagem subaquática dos níveis de oxigénio e da mecânica oceânica que transporta o oxigénio de uma zona para outra.

Os resultados da pesquisa indicaram que onde era esperado algum oxigénio foi encontrada uma região com 165.000 km² – quase o dobro da área de Portugal – com quase nenhum oxigénio.

Simulações de computador indicam uma diminuição do oxigénio nos oceanos no próximo século e o aumento da zona morta, que, segundo um estudo da Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos tinha atingido em 2017 o maior tamanho de sempre.

Os autores do estudo, citados pelo diário britânico The Independent, afirmam que a situação é “pior do que receavam”, pondo em risco a vida aquática e ameaçando transformar-se num sério problema ambiental.

A investigação foi conduzida por Bastien Queste, da Faculdade de Ciências Ambientais da East Anglia, em colaboração com a Universidade Sultan Qaboos, de Omã. Bastien Queste explica que as áreas mortas são zonas no oceano desprovidas de oxigénio e ocorrem naturalmente entre os 200 e os 800 metros de profundidade em algumas partes do mundo.

São um desastre à espera de acontecer, tornado pior pelas alterações climáticas, já que as águas mais quentes têm menos oxigénio, e pelos fertilizantes e esgotos que correm para os mares”, disse, acrescentando que o Mar da Arábia é a maior e mais densa zona morta do mundo, onde não tem sido possível colher dados devido à pirataria e conflitos.

“A nossa investigação mostra que a situação é na verdade pior do que nós temíamos, a zona é vasta e está a crescer, o oceano está a sufocar. Claro que os peixes e as plantas marinhas e outros animais precisam de oxigénio, por isso não podem sobreviver ali”, acrescentou ainda o cientista.

É um problema ambiental real, com consequências terríveis para os seres humanos que dependem dos oceanos para alimentação e emprego”, concluiu Bastien Queste.

ZAP // Lusa / Yale / Science Daily

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …