“Zona morta” maior que Portugal está a devorar o Golfo de Omã

Banco de Imágenes Geológicas / Flickr

Imagem aérea do mar Arábico – Golfo Pérsico (esq.) e Golfo de Oman (dir.)

O golfo de Omã, estreito que liga o mar arábico e o golfo pérsico, regista uma dramática diminuição de oxigénio e tem uma cada vez maior “zona morta”, confirmaram estudos da Universidade East Anglia, do Reino Unido.

Investigadores da Universidade de East Anglia, em Norfolk, no Reino Unido, identificaram uma brusca redução do oxigénio presente nas águas do Golfo de Omã, no noroeste do Mar Arábico.

Segundo o estudo, publicado a semana passada na revista Geophysical Research Letters, a crescente “zona morta” foi confirmada por Seagliders, robôs submarinos que recolheram dados em águas anteriormente inacessíveis, devido a pirataria e tensões geopolíticas.

Os Seagliders podem descer até aos mil metros de profundidade e viajar pelo oceano durante meses, cobrindo milhares de quilómetros.

Dois destes drones submarinos foram posicionados no golfo de Omã durante oito meses e, comunicando por satélite, construíram uma imagem subaquática dos níveis de oxigénio e da mecânica oceânica que transporta o oxigénio de uma zona para outra.

Os resultados da pesquisa indicaram que onde era esperado algum oxigénio foi encontrada uma região com 165.000 km² – quase o dobro da área de Portugal – com quase nenhum oxigénio.

Simulações de computador indicam uma diminuição do oxigénio nos oceanos no próximo século e o aumento da zona morta, que, segundo um estudo da Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos tinha atingido em 2017 o maior tamanho de sempre.

Os autores do estudo, citados pelo diário britânico The Independent, afirmam que a situação é “pior do que receavam”, pondo em risco a vida aquática e ameaçando transformar-se num sério problema ambiental.

A investigação foi conduzida por Bastien Queste, da Faculdade de Ciências Ambientais da East Anglia, em colaboração com a Universidade Sultan Qaboos, de Omã. Bastien Queste explica que as áreas mortas são zonas no oceano desprovidas de oxigénio e ocorrem naturalmente entre os 200 e os 800 metros de profundidade em algumas partes do mundo.

São um desastre à espera de acontecer, tornado pior pelas alterações climáticas, já que as águas mais quentes têm menos oxigénio, e pelos fertilizantes e esgotos que correm para os mares”, disse, acrescentando que o Mar da Arábia é a maior e mais densa zona morta do mundo, onde não tem sido possível colher dados devido à pirataria e conflitos.

“A nossa investigação mostra que a situação é na verdade pior do que nós temíamos, a zona é vasta e está a crescer, o oceano está a sufocar. Claro que os peixes e as plantas marinhas e outros animais precisam de oxigénio, por isso não podem sobreviver ali”, acrescentou ainda o cientista.

É um problema ambiental real, com consequências terríveis para os seres humanos que dependem dos oceanos para alimentação e emprego”, concluiu Bastien Queste.

ZAP // Lusa / Yale / Science Daily

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

Cientistas desmascaram teoria comum sobre canhotos

Desde sempre houve muitas alegações sobre o que significa ser canhoto e se muda o tipo de pessoa que alguém é — mas a verdade é quase um enigma. Mitos sobre a lateralidade aparecem ano após …

Arranca a greve na Ryanair. Empresa não descarta atrasos ou mudanças de voos

Os tripulantes da Ryanair começam esta quarta-feira uma greve de cinco dias, até domingo, convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e que conta com serviços mínimos decretados pelo Governo. Nesta …

O navio Open Arms já atracou em Lampedusa

O navio Open Arms chegou ao porto da ilha de Lampedusa por volta da meia-noite, hora italiana, depois do procurador de Agrigento, Luigi Patronaggio, ter ordenado a apreensão do navio e o desembarque imediato dos …

Fernando Haddad condenado a quatro anos e meio de prisão

O ex-prefeito de São Paulo e antigo candidato às Presidenciais brasileiras foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por recursos financeiros não declarados durante a eleição municipal de 2012. Fernando …

Reunião com motoristas termina sem acordo. Há troca de acusações e uma nova greve à vista

Falhou esta terça-feira o acordo para iniciar um processo de mediação entre Antram, que representa as empresas, e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). A Antram acusou, esta terça-feira, o Sindicato dos Motoristas …

Alzheimer ataca regiões do cérebro que nos mantêm acordados durante o dia

Demasiadas sonecas durante o dia são um dos primeiros sinais externos do Alzheimer, embora seja difícil dizer por que isso acontece. Alguns cientistas sugeriram que a doença perturba as regiões do cérebro que promovem o …

Caminhar e correr torna-se agora mais fácil com estes novos calções robóticos

Cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, criaram uns calções robóticos que nos fazem sentir até sete quilos mais leves quando estamos a caminhar ou a correr. Esta invenção poderá ajudar pessoas que caminhem …

Imagens da NASA mostram que a Lua brilha mais do que o Sol

Se os nossos olhos pudessem ver radiação altamente energética chamada raios-gama, a Lua pareceria mais brilhante do que o Sol. É assim que o Telescópio Espacial de Raios-gama Fermi da NASA tem visto o nosso …

Novo estudo adensa mistério sobre "Lago dos Esqueletos" nos Himalaias

Esqueletos humanos encontrados no lago Roopkund, na Índia, pertenceram a pessoas de origens várias, algumas do Mediterrâneo, que morreram em eventos separados por mil anos. O lago Roopkund, na Índia, é famoso por terem sido descobertos …

Livro que pertencia à biblioteca particular de Fernando Pessoa vai a leilão

Um livro que pertenceu à biblioteca particular de Fernando Pessoa foi colocado à venda na leiloeira BestNet Leilões, que funciona apenas online. O leilão n.º 2291 só termina na segunda semana de setembro, mas o valor …