“Zona morta” maior que Portugal está a devorar o Golfo de Omã

Banco de Imágenes Geológicas / Flickr

Imagem aérea do mar Arábico – Golfo Pérsico (esq.) e Golfo de Oman (dir.)

O golfo de Omã, estreito que liga o mar arábico e o golfo pérsico, regista uma dramática diminuição de oxigénio e tem uma cada vez maior “zona morta”, confirmaram estudos da Universidade East Anglia, do Reino Unido.

Investigadores da Universidade de East Anglia, em Norfolk, no Reino Unido, identificaram uma brusca redução do oxigénio presente nas águas do Golfo de Omã, no noroeste do Mar Arábico.

Segundo o estudo, publicado a semana passada na revista Geophysical Research Letters, a crescente “zona morta” foi confirmada por Seagliders, robôs submarinos que recolheram dados em águas anteriormente inacessíveis, devido a pirataria e tensões geopolíticas.

Os Seagliders podem descer até aos mil metros de profundidade e viajar pelo oceano durante meses, cobrindo milhares de quilómetros.

Dois destes drones submarinos foram posicionados no golfo de Omã durante oito meses e, comunicando por satélite, construíram uma imagem subaquática dos níveis de oxigénio e da mecânica oceânica que transporta o oxigénio de uma zona para outra.

Os resultados da pesquisa indicaram que onde era esperado algum oxigénio foi encontrada uma região com 165.000 km² – quase o dobro da área de Portugal – com quase nenhum oxigénio.

Simulações de computador indicam uma diminuição do oxigénio nos oceanos no próximo século e o aumento da zona morta, que, segundo um estudo da Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos tinha atingido em 2017 o maior tamanho de sempre.

Os autores do estudo, citados pelo diário britânico The Independent, afirmam que a situação é “pior do que receavam”, pondo em risco a vida aquática e ameaçando transformar-se num sério problema ambiental.

A investigação foi conduzida por Bastien Queste, da Faculdade de Ciências Ambientais da East Anglia, em colaboração com a Universidade Sultan Qaboos, de Omã. Bastien Queste explica que as áreas mortas são zonas no oceano desprovidas de oxigénio e ocorrem naturalmente entre os 200 e os 800 metros de profundidade em algumas partes do mundo.

São um desastre à espera de acontecer, tornado pior pelas alterações climáticas, já que as águas mais quentes têm menos oxigénio, e pelos fertilizantes e esgotos que correm para os mares”, disse, acrescentando que o Mar da Arábia é a maior e mais densa zona morta do mundo, onde não tem sido possível colher dados devido à pirataria e conflitos.

“A nossa investigação mostra que a situação é na verdade pior do que nós temíamos, a zona é vasta e está a crescer, o oceano está a sufocar. Claro que os peixes e as plantas marinhas e outros animais precisam de oxigénio, por isso não podem sobreviver ali”, acrescentou ainda o cientista.

É um problema ambiental real, com consequências terríveis para os seres humanos que dependem dos oceanos para alimentação e emprego”, concluiu Bastien Queste.

ZAP // Lusa / Yale / Science Daily

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …

Especialistas alemães consideram que país já está a ter uma segunda vaga

Especialistas alemães consideram que o país já está a passar por uma segunda vaga de covid-19, ainda que não seja comparável à primeira. De acordo com o sindicato dos médicos Marburger Bund, o país já está …

Governo garante que julho foi o mês com mais testes à covid-19

O mês de julho registou o maior número de testes à covid-19, totalizando 431.178 rastreios e uma média diária de 13.909, revelou, esta quarta-feira, a secretária de Estado da Saúde. Na conferência de imprensa para fazer …

Imprensa chinesa acusa EUA de "abuso de poder" para roubar TikTok

Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) acusou esta quarta-feira os Estados Unidos (EUA) de "abusarem do seu poder" para "roubarem" o TikTok, ao forçarem a venda da aplicação de vídeos detida pela empresa …

"Poder militar supremo". Duas semanas de estado de emergência em Beirute

O Governo libanês decretou, esta quarta-feira, o estado de emergência por duas semanas em Beirute, na sequência das explosões no porto da capital. O último balanço feito pelo Governo aponta para 135 mortos. Pelo menos 135 …

43% dos restaurantes pondera avançar para insolvência

Cerca de 43% das empresas de restauração e bebidas e de 17% do alojamento turístico ponderam avançar para insolvência, informa o mais recente inquérito mensal da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP). "No …

António Mexia investe 25 mil euros no aumento de capital da EDP

O presidente do Conselho de Administração Executivo da EDP, que se encontra com funções suspensas, subscreveu 7738 ações, num investimento de 24.535 euros, no aumento de capital de mais de mil milhões de euros do …