Sim, os vulcões também fazem música (e pode ajudar a monitorizar a sua atividade)

elgolem / Flickr

Vulcão Cotopaxi, Equador

Os vulcões fazem música que pode ser bastante útil para ajudar a monitorizar a sua atividade e a perceber quando é que as erupções estão prestes a acontecer.

O vulcão Cotopaxi, a 90 quilómetro da capital do Equador, é uma autêntica maravilha da natureza e uma preocupação constante para as populações. Embora tivesse adormecido durante quase todo o século XX, o vulcão despertou em 2015.

A erupção foi monitorizada por vulcanólogos e no rescaldo do acontecimento, conta o Diário de Notícias, revelou um dos seus maiores segredos: uma onda sonora muito parecida a uma respiração profunda, como o som grave de um órgão de tubos.

Jeff Johnson, vulcanólogo da Universidade de Boise State, nos Estados Unidos, e coordenador do estudo, publicado na Geophysical Research Letter, explica que esta melodia pode ser uma grande descoberta da natureza. “É o maior órgão de tubos que já encontramos”, comenta.

De acordo com as medições feitas pela equipa após a erupção de 2015, o solo no interior da cratera do vulcão afundou-se durante esse episódio eruptivo e o seu tubo interno caiu a pique até à profundidade de 300 metros. Este tudo tem cerca de cem metros de diâmetro.

Ao fazer o resisto dos acontecimentos do interior da cratera, os especialistas repararam naquele infrassom – inaudível ao ouvido humano – que corresponde a uma onda sonora que ficou gravada nos instrumentos de observação com a forma de um parafuso. Foi por este motivo que a equipa de especialistas lhe chamou tornillo – parafuso em espanhol.

(dr) Jeff Johnson

“É extraordinário que a natureza consiga produzir este tipo de oscilação.” O vulcanólogo compara a onda sonora “à porta de um saloon, que alguém empurrou, e que ficou ali a andar para trás e para diante, até acabar por se deter”.

Esta melodia ressoou uma vez por dia, todos os dias, no interior da cratera durante todo o primeiro trimestre de 2016. Depois disso, o vulcão calou-se e assim tem permanecido desde então.

Os cientistas não sabem o que esteve na origem da “música” do Cotopaxi, mas têm a certeza que teve diretamente a ver com a atividade do vulcão.

Ainda assim, os cientistas suspeitam que uma de duas coisas terá acontecido para que o vulcão “cantasse”: parte do chão da cratera poderia estar a colapsar nessa altura ou então havia uma explosão em marcha no fundo da cratera. Há, no entanto, uma certeza: o vulcão mudou de formato durante esse período, e, portanto, as duas coisas estiveram ligadas.

Esta é a prova de que a geometria das cratera vulcânicas influencia de forma direta a música de cada vulcão e, compreender a “assinatura vocal” de cada estrutura vulcânica pode mesmo ajudar a compreender melhor cada uma delas, assim como a sua própria atividade, adiantam os autores do artigo científico.

Desta forma, os cientistas recomendam que este tipo de fenómenos sejam cuidadosamente monitorizados para se estimar a possibilidade de ocorrência de erupções vulcânicas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …

Asteróide que dizimou os dinossauros atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível"

O asteróide que dizimou os asteróides e 75% de todas espécies à face da Terra há 65 milhões de anos atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível", concluiu uma investigação do Imperial College de …