Sim, os vulcões também fazem música (e pode ajudar a monitorizar a sua atividade)

elgolem / Flickr

Vulcão Cotopaxi, Equador

Os vulcões fazem música que pode ser bastante útil para ajudar a monitorizar a sua atividade e a perceber quando é que as erupções estão prestes a acontecer.

O vulcão Cotopaxi, a 90 quilómetro da capital do Equador, é uma autêntica maravilha da natureza e uma preocupação constante para as populações. Embora tivesse adormecido durante quase todo o século XX, o vulcão despertou em 2015.

A erupção foi monitorizada por vulcanólogos e no rescaldo do acontecimento, conta o Diário de Notícias, revelou um dos seus maiores segredos: uma onda sonora muito parecida a uma respiração profunda, como o som grave de um órgão de tubos.

Jeff Johnson, vulcanólogo da Universidade de Boise State, nos Estados Unidos, e coordenador do estudo, publicado na Geophysical Research Letter, explica que esta melodia pode ser uma grande descoberta da natureza. “É o maior órgão de tubos que já encontramos”, comenta.

De acordo com as medições feitas pela equipa após a erupção de 2015, o solo no interior da cratera do vulcão afundou-se durante esse episódio eruptivo e o seu tubo interno caiu a pique até à profundidade de 300 metros. Este tudo tem cerca de cem metros de diâmetro.

Ao fazer o resisto dos acontecimentos do interior da cratera, os especialistas repararam naquele infrassom – inaudível ao ouvido humano – que corresponde a uma onda sonora que ficou gravada nos instrumentos de observação com a forma de um parafuso. Foi por este motivo que a equipa de especialistas lhe chamou tornillo – parafuso em espanhol.

(dr) Jeff Johnson

“É extraordinário que a natureza consiga produzir este tipo de oscilação.” O vulcanólogo compara a onda sonora “à porta de um saloon, que alguém empurrou, e que ficou ali a andar para trás e para diante, até acabar por se deter”.

Esta melodia ressoou uma vez por dia, todos os dias, no interior da cratera durante todo o primeiro trimestre de 2016. Depois disso, o vulcão calou-se e assim tem permanecido desde então.

Os cientistas não sabem o que esteve na origem da “música” do Cotopaxi, mas têm a certeza que teve diretamente a ver com a atividade do vulcão.

Ainda assim, os cientistas suspeitam que uma de duas coisas terá acontecido para que o vulcão “cantasse”: parte do chão da cratera poderia estar a colapsar nessa altura ou então havia uma explosão em marcha no fundo da cratera. Há, no entanto, uma certeza: o vulcão mudou de formato durante esse período, e, portanto, as duas coisas estiveram ligadas.

Esta é a prova de que a geometria das cratera vulcânicas influencia de forma direta a música de cada vulcão e, compreender a “assinatura vocal” de cada estrutura vulcânica pode mesmo ajudar a compreender melhor cada uma delas, assim como a sua própria atividade, adiantam os autores do artigo científico.

Desta forma, os cientistas recomendam que este tipo de fenómenos sejam cuidadosamente monitorizados para se estimar a possibilidade de ocorrência de erupções vulcânicas.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Fotografia da NASA demonstra Teoria da Relatividade Geral de Einstein

O aglomerado Abell 2813 tem tanta massa que atua como uma lente gravitacional, fazendo com que a luz de galáxias distantes se curve à sua volta. A lente gravitacional acontece quando a massa de um objeto …

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …