VPN do Facebook espia os utilizadores

O Facebook está a incluir na sua aplicação para telemóveis uma nova opção intitulada “Protect” que, afinal, serve sobretudo para fazer espionagem empresarial, permitindo à rede social roubar ideias e ganhar vantagem sobre a concorrência.

O alerta é lançado pelo site de tecnologia TechCrunch que explica que a opção “Protect” (Proteger em português) direcciona os utilizadores da aplicação para telemóveis do Facebook para a App Store, desafiando-os a instalar o serviço Virtual Private Network (VPN) chamado Onavo.

A Onavo surge, assim, como uma ferramenta VPN, ou seja, um sistema de protecção de dados e de privacidade que permite encriptar as informações dos utilizadores quando estes visitam sites, de modo a não serem rastreados.

Embora “mascarem” a actividade dos utilizadores, não permitindo a terceiros a recolha de dados dos mesmos, as VPN´s podem registar tudo o que os seus clientes fazem online. E é precisamente isso que a Onavo faz, mas sob a “máscara” da protecção e com um intuito que passa precisamente pela recolha de dados para uso próprio – já que o Facebook não é uma empresa de Segurança Informática.

Na App Store nota-se que que a Onavo “guarda com segurança os logins de websites e informações pessoais, como contas bancárias e números dos cartões de crédito”, protegendo as “informações privadas dos websites móveis maliciosos, de phishing e não seguros, que podem ver e partilhar as suas informações privadas”.

Aquilo que não se explica é que a Onavo permite ao Facebook saber tudo o que as pessoas fazem nos seus telemóveis, mesmo fora do âmbito da rede social. A ferramenta permite à empresa monitorizar os hábitos no uso da Internet global, conseguindo rastrear informações sobre outras aplicações e sobre a forma como os utilizadores interagem com ela.

É, assim, uma ferramenta preciosa em termos de espionagem empresarial. A Onavo “permite ao Facebook monitorizar a actividade dos utilizadores entre aplicações”, o que dá à rede social “uma grande vantagem em termos de detectar novas tendências em todo o vasto ecossistema mobile“, explica o TechCrunch.

O Facebook pode através da ferramenta perceber em primeira mão que “aplicações estão a tornar-se grandes sucessos”, quais estão a crescer mais lentamente e que “características novas” dessas aplicações estão a resultar melhor com os utilizadores, refere o site tecnológico.

Onavo permitiu “esmagar” rede social em crescimento

A rede social de Mark Zuckerberg já terá tirado partido dos dados da Onavo para ober vantagem relativamente à concorrência, nomeadamente na “batalha com o Snapchat”, segundo o TechCrunch.

Um artigo de Agosto de 2017 do The Wall Street Journal mencionava precisamente este dado, realçando que o Facebook conseguiu perceber antecipadamente que o lançamento da funcionalidade “Histórias” no Instagram, rede social de que é proprietária, estava a afectar negativamente o crescimento do Snapchat, a rede social focada nos telemóveis que se baseia na criação de mensagens instantâneas para Android e iOS.

O TechCrunch acrescenta que a Onavo também permitiu ao Facebook “esmagar” uma outra rede social, vocacionada para adolescentes, que não chegou a afirmar-se, integrando uma das suas funcionalidades que estaria a ter grande sucesso nos telemóveis.

A VPN do Facebook não estará disponível para os utilizadores de todo o mundo. A rede social confirma ao TechCrunch que a Onavo está neste momento disponível nos EUA em dispositivos iOS. Mas o site frisa que terá também utilizadores no Brasil e na Índia e que já terá sido detectada, em 2016, no Reino Unido.

O Gestor de Produto da Onavo, Erez Naveh, explica ao site tecnológico que “como outras VPNs”, esta “actua como uma ligação segura para proteger as pessoas de sites potencialmente perigosos”.

Naveh também reconhece que “a aplicação pode recolher dados de tráfego mobile para ajudar a reconhecer tácticas que agentes maus utilizam”, destacando que isso “ajuda a ferramenta a funcionar melhor” ao longo do tempo, mas não confirmando os aspectos maliciosos da Onavo.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. edge-chat.facebook.com,0-edge-chat.facebook.com,1-edge-chat.facebook.com,2-edge-chat.facebook.com,3-edge-chat.facebook.com,4-edge-chat.facebook.com,5-edge-chat.facebook.com,6-edge-chat.facebook.com
    O facebook já nos espia diariamente basta ligar e estamos constantemente a ser monitorizados por 7 paginas que mostram que está online ou esteve á 1 minuto no facebook mesmo com o chat desligado.
    por isso o facebook não tem privacidade nenhuma.

  2. A partir do momento em que as nossas mensagens passam pelo server de alguém, esse alguém pode ver – nao tenhamos ilusões. Mesmo que sejam cifradas, esemplo whatsapp: são eles que cifram as mensagens.
    Nem mesmo os SMS’s escapam, também passam pelos servers dos operadores/fornecedores de telefonia móvel.
    O único modo è cifrar ANTES de enviar, con software independente que não se baseie em servers de ninguém.

  3. isto ja começa a cheirar a paranoia , e no entanto todos os dias temos escandalos de milhoes,ameças a nossa segurança, pelos vistos gastam rios de dinheiro a espiar o cidadao comum e quem supostamente devia ser mais controlado,anda impune

RESPONDER

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …