“O cisne negro de todos os cisnes negros”. Vírus é global, mas Portugal e Itália serão mais prejudicados

Maxim Shipenkov / EPA

A grande pandemia motivada pelo coronavírus vai ser económica, consideram especialistas que acreditam que no pós Covid-19, o mundo mudará de forma significativa em várias áreas. Certo é que a crise económica vai afectar os países de forma diferente, com Portugal e Itália como os mais prejudicados.

Portugal, Itália e França poderão ser os países mais afectados pelas consequências” da pandemia de Covid-19, de acordo com as previsões da Coface, líder mundial em seguros de crédito, e do Banco de Portugal que são citadas pelo jornal Vida Económica.

Estas duas entidades analisaram o impacto do coronavírus sobre o crescimento económico e concluem que a Zona Euro apresentará um crescimento negativo médio de 1,6%. Mas Portugal ficar-se-á pelos 3,7% de crescimento negativo e Itália pelos 3,2% negativos. França terá um crescimento negativo de 2,1%, Espanha de 1,7% e Alemanha de 1,4%, segundo a previsão.

Já a consultoria de investidores Moody’s considera que os efeitos globais do coronavírus na economia mundial vão persistir até Junho de 2020.

“A rápida propagação mundial do coronavírus levou a uma deterioração das perspectivas económicas, a uma redução brusca dos preços do petróleo e a uma grande agitação no mercado financeiro, gerando um choque sem precedentes no crédito em muitos sectores de todo o mundo”, analisa a consultora. “A interrupção da actividade económica impulsionada por uma pandemia até Junho será seguida de uma certa recuperação na segunda metade de 2020“, mas “o potencial de resultados em baixa está a aumentar”, analisa a Moody´s.

A consultora entende que a flexibilização monetária global dos Bancos centrais e as medidas de política fiscal adoptadas pelos Governos vão garantir “algum alívio nas pressões de liquidez”, mas vão “afectar a rentabilidade em todo o sector financeiro” e vão “debilitar a capitalização de algumas seguradoras“.

Banca de Espanha e França com “impactos severos”

Avaliando em concreto a situação do sistema bancário europeu, o especialista Sean Marion do Departamento de Instituições Financeiras da Moody em Londres, salienta que haverá impactos severos” nos sistemas bancários de Espanha, França, Itália, Bélgica, Holanda e Dinamarca, com um aumento nas perdas de provisões associadas aos empréstimos com “impacto na rentabilidade dos Bancos“.

“Dada a magnitude” da pandemia, as medidas anunciadas pelos Governos “não vão ser suficientes para compensar totalmente as implicações negativas” da crise e algumas têm elas próprias “implicações negativas para as margens dos Bancos”, analisa o especialista que não faz qualquer menção directa a Portugal.

Nos casos de Alemanha e Reino Unido, a Moody´s também coloca os seus sistemas bancários no “negativo”, realçando que a crise vem dar seguimento a tensões e problemas que já se denotavam antes da pandemia, nomeadamente relacionados com o Brexit no caso dos britânicos, onde o crescimento económico já vinha a decrescer.

Por outro lado, Suíça e Suécia vão manter o seu sector bancário “estável”. Embora o coronavírus também vá ter um “impacto material” nestes países, os seus sistemas bancários têm contas bem consolidadas, com “forte capitalização” e “baixas taxas de empréstimos vencidos” que lhes garantem maior tranquilidade, refere Sean Marion.

No global, a larga maioria do sector bancário europeu terá capacidade para “absorver as perdas”, mas a situação continua “muito fluída”, o que requer um acompanhamento contínuo para avaliar o impacto real da crise, conclui o especialista da Moody´s.

“Será a crise mais cara de toda a História”

Nesta altura, as dúvidas são ainda o tópico dominante quando se tenta projectar o futuro pós-Covid-19. O momento actual é “o cisne negro de todos os cisnes negros”, como analisa o futurista Thomas Frey citado pelo Diário de Notícias (DN).

Em termos mais localizados na Europa, o futurista Gerd Leonhard, também citado pelo DN, prevê a criação de um modelo “Estados Unidos da Europa”, dada a necessidade de os países europeus colaborarem mais de perto. Assim, a Covid-19 vai motivar a “hiper-colaboração” entre os estados europeus, promovendo a emergência da Europa como a nova líder global nos próximos anos 3 anos.

Por outro lado, os futuristas acreditam que países como EUA e Brasil vão mergulhar em “guerras civis digitais” devido ao facto de terem “governos lamentavelmente mal preparados”, bem como “total falta de planeamento e má gestão dramática do financiamento para saúde”, o que vai provocar “profunda agitação social”.

Os dois futuristas acreditam que o novo coronavírus “será a crise mais cara de toda a História”, constatando que “a pandemia económica” será muito mais grave do que a Covid-19, impulsionando “bancarrotas, suicídios, fraudes, roubos, sem-abrigos e mais criminalidade”.

Em termos gerais, prevêem que a queda nas viagens de avião e no turismo vai permanecer por algum tempo e que o coronavírus vai marcar o princípio do fim dos combustíveis fósseis, com um aumento da aposta nas energias sustentáveis.

Já o teletrabalho vai ganhar terreno, com as empresas a apostarem cada vez mais na realização de conferências, reuniões e formações de forma remota, através da Internet.

A tecnologia vai tornar-se na “nova religião”, antecipam ainda, falando de um “novo Renascimento”, onde a vigilância dos Estados através de meios tecnológicos se vai tornar no “novo normal”, como resultado das medidas tomadas para lidar com a pandemia.

O aumento da procura por produtos locais e dos vegetarianos são outras tendências assinaladas pelos dois futuristas que vaticinam também que haverá “uma transição laboral maciça”, com inúmeras pessoas a perderem os seus empregos e a terem que reinventar os seus percursos profissionais.

SV, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Como é que estes “iluminados” sabem o que vai acontecer se ainda não se sabe a extensão temporal da pandemia?
    A “talhe de foice”, não é FICARÁ-SE, é FICAR-SE-Á.

  2. Tudo errado. Quer a coface quer o Banco de Portugal afirmam um profundo conjunto de disparates. Queda do PIB de apenas 3%?!!! Esperem para ver no final do ano. Aposto que será bem superior a 10%.

    • Concordo, a grande maioria das empresas durante pelo menos meio ano a um terço ou menos da facturação normal, mais os 15% da parte de turismo que desapareceu…. vamos ter o PIB pior das ultimas décadas. Além disso a alta taxa desemprego vai quebrar famílias e confiança que é necessária para investimento e crescimento.

Responder a ZAP Cancelar resposta

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …