“O cisne negro de todos os cisnes negros”. Vírus é global, mas Portugal e Itália serão mais prejudicados

Maxim Shipenkov / EPA

A grande pandemia motivada pelo coronavírus vai ser económica, consideram especialistas que acreditam que no pós Covid-19, o mundo mudará de forma significativa em várias áreas. Certo é que a crise económica vai afectar os países de forma diferente, com Portugal e Itália como os mais prejudicados.

Portugal, Itália e França poderão ser os países mais afectados pelas consequências” da pandemia de Covid-19, de acordo com as previsões da Coface, líder mundial em seguros de crédito, e do Banco de Portugal que são citadas pelo jornal Vida Económica.

Estas duas entidades analisaram o impacto do coronavírus sobre o crescimento económico e concluem que a Zona Euro apresentará um crescimento negativo médio de 1,6%. Mas Portugal ficar-se-á pelos 3,7% de crescimento negativo e Itália pelos 3,2% negativos. França terá um crescimento negativo de 2,1%, Espanha de 1,7% e Alemanha de 1,4%, segundo a previsão.

Já a consultoria de investidores Moody’s considera que os efeitos globais do coronavírus na economia mundial vão persistir até Junho de 2020.

“A rápida propagação mundial do coronavírus levou a uma deterioração das perspectivas económicas, a uma redução brusca dos preços do petróleo e a uma grande agitação no mercado financeiro, gerando um choque sem precedentes no crédito em muitos sectores de todo o mundo”, analisa a consultora. “A interrupção da actividade económica impulsionada por uma pandemia até Junho será seguida de uma certa recuperação na segunda metade de 2020“, mas “o potencial de resultados em baixa está a aumentar”, analisa a Moody´s.

A consultora entende que a flexibilização monetária global dos Bancos centrais e as medidas de política fiscal adoptadas pelos Governos vão garantir “algum alívio nas pressões de liquidez”, mas vão “afectar a rentabilidade em todo o sector financeiro” e vão “debilitar a capitalização de algumas seguradoras“.

Banca de Espanha e França com “impactos severos”

Avaliando em concreto a situação do sistema bancário europeu, o especialista Sean Marion do Departamento de Instituições Financeiras da Moody em Londres, salienta que haverá impactos severos” nos sistemas bancários de Espanha, França, Itália, Bélgica, Holanda e Dinamarca, com um aumento nas perdas de provisões associadas aos empréstimos com “impacto na rentabilidade dos Bancos“.

“Dada a magnitude” da pandemia, as medidas anunciadas pelos Governos “não vão ser suficientes para compensar totalmente as implicações negativas” da crise e algumas têm elas próprias “implicações negativas para as margens dos Bancos”, analisa o especialista que não faz qualquer menção directa a Portugal.

Nos casos de Alemanha e Reino Unido, a Moody´s também coloca os seus sistemas bancários no “negativo”, realçando que a crise vem dar seguimento a tensões e problemas que já se denotavam antes da pandemia, nomeadamente relacionados com o Brexit no caso dos britânicos, onde o crescimento económico já vinha a decrescer.

Por outro lado, Suíça e Suécia vão manter o seu sector bancário “estável”. Embora o coronavírus também vá ter um “impacto material” nestes países, os seus sistemas bancários têm contas bem consolidadas, com “forte capitalização” e “baixas taxas de empréstimos vencidos” que lhes garantem maior tranquilidade, refere Sean Marion.

No global, a larga maioria do sector bancário europeu terá capacidade para “absorver as perdas”, mas a situação continua “muito fluída”, o que requer um acompanhamento contínuo para avaliar o impacto real da crise, conclui o especialista da Moody´s.

“Será a crise mais cara de toda a História”

Nesta altura, as dúvidas são ainda o tópico dominante quando se tenta projectar o futuro pós-Covid-19. O momento actual é “o cisne negro de todos os cisnes negros”, como analisa o futurista Thomas Frey citado pelo Diário de Notícias (DN).

Em termos mais localizados na Europa, o futurista Gerd Leonhard, também citado pelo DN, prevê a criação de um modelo “Estados Unidos da Europa”, dada a necessidade de os países europeus colaborarem mais de perto. Assim, a Covid-19 vai motivar a “hiper-colaboração” entre os estados europeus, promovendo a emergência da Europa como a nova líder global nos próximos anos 3 anos.

Por outro lado, os futuristas acreditam que países como EUA e Brasil vão mergulhar em “guerras civis digitais” devido ao facto de terem “governos lamentavelmente mal preparados”, bem como “total falta de planeamento e má gestão dramática do financiamento para saúde”, o que vai provocar “profunda agitação social”.

Os dois futuristas acreditam que o novo coronavírus “será a crise mais cara de toda a História”, constatando que “a pandemia económica” será muito mais grave do que a Covid-19, impulsionando “bancarrotas, suicídios, fraudes, roubos, sem-abrigos e mais criminalidade”.

Em termos gerais, prevêem que a queda nas viagens de avião e no turismo vai permanecer por algum tempo e que o coronavírus vai marcar o princípio do fim dos combustíveis fósseis, com um aumento da aposta nas energias sustentáveis.

Já o teletrabalho vai ganhar terreno, com as empresas a apostarem cada vez mais na realização de conferências, reuniões e formações de forma remota, através da Internet.

A tecnologia vai tornar-se na “nova religião”, antecipam ainda, falando de um “novo Renascimento”, onde a vigilância dos Estados através de meios tecnológicos se vai tornar no “novo normal”, como resultado das medidas tomadas para lidar com a pandemia.

O aumento da procura por produtos locais e dos vegetarianos são outras tendências assinaladas pelos dois futuristas que vaticinam também que haverá “uma transição laboral maciça”, com inúmeras pessoas a perderem os seus empregos e a terem que reinventar os seus percursos profissionais.

SV, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Como é que estes “iluminados” sabem o que vai acontecer se ainda não se sabe a extensão temporal da pandemia?
    A “talhe de foice”, não é FICARÁ-SE, é FICAR-SE-Á.

  2. Tudo errado. Quer a coface quer o Banco de Portugal afirmam um profundo conjunto de disparates. Queda do PIB de apenas 3%?!!! Esperem para ver no final do ano. Aposto que será bem superior a 10%.

    • Concordo, a grande maioria das empresas durante pelo menos meio ano a um terço ou menos da facturação normal, mais os 15% da parte de turismo que desapareceu…. vamos ter o PIB pior das ultimas décadas. Além disso a alta taxa desemprego vai quebrar famílias e confiança que é necessária para investimento e crescimento.

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …