Violência voltou às ruas em greve geral contra reforma das pensões na Grécia

Mais de 50.000 pessoas saíram esta quinta-feira às rua na Grécia para protestar contra a reforma das pensões, num dia de greve geral, marcada por incidentes, que paralisou o país.

As duas principais centrais sindicais da Grécia convocaram para esta quinta-feira uma greve geral em protesto contra a reforma das pensões, proposta pelo governo do Syriza, de esquerda radical, e exigida pelos credores internacionais.

Com manifestações com cerca de 40.000 manifestantes em Atenas e 14.000 em Salónica, a mobilização popular é a maior desde a chegada ao poder, há um ano, do primeiro-ministro Alexis Tsipras.

Um número recorde de sindicatos e associações participou nos protestos. Agentes de seguros, veterinários, advogados, agricultores e médicos desfilaram ao lado dos funcionários públicos e de inúmeros trabalhadores do sector privado.

Em Atenas, registaram-se incidentes à margem das manifestações, quando alguns grupos de jovens lançaram cocktails Molotov, tendo sido depois rapidamente dispersados com gás lacrimogéneo. Um jornalista foi agredido, segundo a AFP, tendo sido hospitalizado.

Esta é a terceira vez que Tsipras, eleito a prometer acabar com os programas de austeridade dos credores internacionais, enfrenta uma greve geral.

Em julho passado, o governo grego viu-se obrigado a aceitar um desses programas, em troca de um empréstimo de 86 mil milhões de euros.

As manifestações contaram com sensivelmente o dobro dos participantes dos protestos do passado mês de novembro, e perto de três vezes mais que em dezembro.

Os transportes urbanos, ferroviários, aéreos e marítimos, bem como os táxis, sofreram perturbações. Muitos estabelecimentos comerciais estiveram fechados, para condenar uma reforma que atinge em cheio os trabalhadores independentes, bem como os agricultores.

Estes últimos estão desde 22 de janeiro acampados nas principais estradas e bloqueiam desde segunda-feira os postos fronteiriços com a Bulgária e a Turquia.

matthew_tsimitak / Flickr

Alexis Tsipras, primeiro-ministro da Grécia

Alexis Tsipras, primeiro-ministro da Grécia

Exigida pelos credores, a reforma de Alexis Tsipras visa gerar 1,8 mil milhões de euros de poupança ao Estado (cerca de 1% do PIB).

O projeto do Governo prevê aumentar as contribuições sociais e baixar o limite das reformas mais elevadas de 2700 para 2300 euros, e cria uma reforma mínima de 384 euros.

Alexis Tsipras, acusado por muitos gregos de os ter traído, defende esta reforma para evitar que “o sistema entre em colapso”, embora prometendo tudo fazer para poupar os mais vulneráveis.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente de El Salvador autodenomina-se "Ditador de El Salvador"

O Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, alterou no domingo a descrição do seu perfil no Twitter para "Ditador de El Salvador", passando depois para "Ditador mais 'cool' do mundo mundial", situação registada após os …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre

O Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos abriu um processo contra Fernando Nobre, por causa das suas declarações numa manifestação de negacionistas em frente à Assembleia da República. A Ordem dos Médicos (OM) …

Crise da energia obriga UE a enfrentar dependência do gás natural

Os países europeus estão a tentar proteger os consumidores de energia, numa região onde, desde o início do ano, os preços do gás aumentaram 250%, resultado de uma série de forças económicas, naturais e políticas.  Na …

Companhia de aviação privada oferece voo de 20 mil dólares para reunir uma família separada pela pandemia

A empresa de aviação privada Tradewind Aviation está a comemorar o seu 20.º aniversário de uma forma original: vai dar um voo no valor de 20 mil dólares (cerca de 17 mil euros) para reunir …

Mais de 60 pinguins morrem na África do Sul após ataque de abelhas

Dezenas de pinguins-africanos ameaçados de extinção foram mortos por um enxame de abelhas na África do Sul, na passada sexta-feira. Segundo a CNN, 63 pinguins-africanos, uma espécie ameaçada de extinção, foram encontrados mortos na sexta-feira numa …

Macron e Modi manifestam vontade de "agir em conjunto" após disputa submarina

O Presidente Emmanuel Macron discutiu a cooperação na região Indo-Pacífico com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, esta terça-feira. O Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, conversaram esta terça-feira, em plena crise dos …

Académica treme: salários, último lugar e treinador de saída

Clube de Coimbra, tal como o Boavista, terá de comprovar que tem cumprido no pagamento dos salários. Em campo, mais uma derrota complicou a situação de Rui Borges. Ainda não há muitos anos, a Académica apareceu …

Marcelo discursou na ONU, lembrou Sampaio e mostrou total sintonia com Guterres

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou nas Nações Unidas o antigo Presidente da República Jorge Sampaio, que morreu no dia 10 deste mês, aos 81 anos, pela sua atividade no acolhimento de refugiados. O chefe de …

Governo promete que preço da eletricidade não vai aumentar (e anuncia pacote de 430 milhões)

Esta terça-feira, João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e Ação Climática, anunciou um pacote de medidas no valor de 430 milhões de euros que visam travar a subida do preço da eletricidade no mercado …

"Alguma vez foi fácil?" Catarina Martins diz que Governo "tem pouca vontade" de discutir temas concretos

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu esta terça-feira que o Governo socialista “tem pouca vontade” de discutir questões concretas nas negociações do Orçamento do Estado para 2022, insistindo na necessidade de debater …