//

Vereador da Câmara da Maia demite-se após insultar deputados municipais em sessão do 25 de Abril

4

Um vereador da Câmara Municipal da Maia demitiu-se após insultar dois deputados municipais durante a Sessão Solene do 25 de abril, que decorreu à distância através de videochamada. Jaime Pinho, eleito pelo partido Juntos pelo Povo (JPP), desconhecia que tinha o microfone ligado.

A cerimónia oficial estava marcada para as 10 horas deste domingo, 25 de abril de 2021, na Assembleia Municipal da Maia, que, devido às restrições da pandemia, teve a lotação restrita e decorreu via Zoom, escreve o Jornal de Notícias.

Jaime Pinho não sabia que tinha o microfone ligado e, enquanto ainda mastigava o presumível pequeno-almoço, foi protagonista de um momento insólito ao referir-se a dois Deputados Municipais.

“O filho da p***” e “c**** do c******”. Foram os termos usados pelo vereador sem pelouro que o levaram a apresentar a demissão.

Renunciou também à militância no JPP, um partido com raízes num movimento de cidadãos do município de Santa Cruz, Ilha da Madeira, decisão comunicada pelo secretário-geral do partido na segunda-feira.

A notícia do momento insólito foi avançada pelo jornal Notícias Maia no domingo, o qual publicou mesmo o vídeo na rede Youtube, onde se pode ouvir o que Jaime Pinho disse enquanto tinha a câmara desligada.

O jornal regional transcreveu as palavras do vereador, dado não serem percetíveis em determinados momentos.

“Tá a comer e tá-se a rir o filho da p***”, troçou Jaime Pinho, referindo-se a David Tavares quando este deputado ligou a sua câmara. Em resposta, o Deputado Municipal chamou a atenção do vereador: “Ei, atenção à linguagem pá”.

“O Rui a rir-se do Vidinho [David Tavares], que o Vidinho esqueceu-se que tinha o som gravado”, comentou ainda o vereador.

Carla Dias recebeu outro tipo de insultos. Ao ouvir um “bom dia” da deputada do Partido Socialista, o político reagiu com “ó c**** do c******”, seguindo-se uma conversa entre ele e uma pessoa que o acompanhava: “Há quatro anos parecia assim…”, disse a pessoa, “É verdade”, respondeu Jaime Pinho. “Passou para o lado de lá, foi?” “Ela foi sempre do lado de lá.”

Após os insultos, a cerimónia continuou, sem qualquer referência aos insultos e sem qualquer explicação ao público.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

4 Comments

  1. um bom exemplo dos broncos que temos nas autarquias, juntas e afins. so broncos por isso é que este pais desgovernado nunca avançara para um pais civilizado.

    • Assino por baixo caro senhor. É uma tristeza, só pensam nos taxos, mas pior ainda são os ignorantes que por conta deles levamos todos com estes broncos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.