Donald Trump confirma: vaga de deportações começa este domingo

Michael Reynolds / EPA

O Presidente dos EUA, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos disse, esta sexta-feira, que a operação para identificar, deter e deportar imigrantes que estão ilegalmente no país arranca no domingo, confirmando as informações avançadas pela imprensa norte-americana.

“Eles chegaram de forma ilegal”, disse o chefe de Estado norte-americano em declarações aos jornalistas nos jardins da Casa Branca, afirmando que a polícia dos serviços de imigração “vai enviá-los de volta” para os respetivos países.

Segundo Donald Trump, citado pela Associated Press (AP), os agentes da Agência de Imigração e de Controlo de Alfândegas (ICE) estarão focados em pessoas com conduta criminosa e naquelas que entraram ilegalmente nos Estados Unidos.

O governante referiu que a operação pretende tornar a situação migratória mais justa para os que aguardam há vários anos para serem cidadãos norte-americanos através de um processo legal.

Esta vaga de detenções e de deportações em massa de imigrantes indocumentados foi inicialmente anunciada por Trump, mas foi posteriormente adiada em duas semanas sob o pretexto de dar tempo ao Congresso para alcançar um compromisso sobre futuras medidas de segurança para a fronteira sul do país (Estados Unidos/México).

Na quinta-feira, o New York Times avançou que a operação iria arrancar no próximo domingo em pelo menos dez grandes cidades dos Estados Unidos. O jornal também indicou que cerca de dois mil imigrantes seriam visados na fase inicial da operação.

A oposição democrata denunciou e criticou esta operação de deportações em massa que qualifica como uma ameaça para pessoas que já vivem há muito tempo nos EUA, onde constituíram família.

Segundo o diário norte-americano, que citou dois atuais funcionários do Departamento de Segurança Interna e um antigo elemento dos mesmos serviços, os imigrantes clandestinos agora visados entraram recentemente no país.

Os dossiês de regularização destes imigrantes foram arquivados em finais de 2018 e estas pessoas foram notificadas com uma ordem de deportação em fevereiro passado, acrescentou o jornal.

Várias associações apresentaram na quinta-feira um recurso num tribunal de Nova Iorque a pedir a revogação destas ordens de deportação e a exigir que os imigrantes ilegais detidos sejam ouvidos por um juiz dos serviços de migração antes de serem expulsos do país.

Esta operação tem contornos similares a ações que têm sido realizadas, de forma regular, desde 2003, muitas delas dando origem a centenas de detenções.

A luta contra a imigração ilegal tem sido uma das prioridades políticas de Trump, que já descreveu como uma ameaça à segurança nacional os milhares de migrantes oriundos da América Central que têm tentado entrar nos Estados Unidos nos últimos meses.

Em junho, cerca de 104 mil pessoas foram presas ou colocadas em centros de detenção após terem atravessado ilegalmente a fronteira com o México, menos 40 mil do que em maio.

Reportagens divulgadas pelos media norte-americanos e relatórios de ativistas de direitos civis têm denunciado a existência de condições deploráveis nos centros de detenção de migrantes sem documentação nas fronteiras do sul dos Estados Unidos, em muitos casos envolvendo crianças que são separadas dos pais e deixadas em situação de risco.

Segundo o centro de pesquisa norte-americano Pew Research Center, 10,5 milhões de imigrantes viviam ilegalmente nos EUA em 2017. Quase dois terços vivem no país há mais de uma década.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Idosos em lares infetados vão mudar-se (e podem ir para outros concelhos)

Na sequência do aumento de números de casos confirmados de covid- 19 nos lares, o Governo pretende “encontrar equipamentos alternativos” para alojar idosos, em isolamento profilático e que não precisem de tratamento hospitalar, dentro ou …

Apesar da pandemia, juiz Carlos Alexandre marca sessões do caso Tancos para abril

O juiz Carlos Alexandre marcou o interrogatório do principal arguido do processo relativo ao furto das armas de Tancos, João Paulino, para dia 21 de abril. De acordo com um despacho datado de 1 abril, citado …

Conceição pode estar de saída. FC Porto oferece 5 milhões por ano a Jesus

O treinador portista, Sérgio Conceição, pode estar de saída para a Alemanha. Como alternativa, o FC Porto está disposto a pagar 5 milhões de euros por ano a Jorge Jesus. Sérgio Conceição pode estar de saída …

Estado paga subsídio de refeição em teletrabalho. No privado, os patrões estão confusos

Mesmo à distância, os funcionários públicos mantêm o direito ao subsídio de refeição. No privado, a confusão mantém-se e os patrões estão divididos. De acordo com o secretário-geral da UGT, alguns patrões do privado estão a …

UEFA não quer campeonatos a seguir o exemplo belga

A UEFA reprovou a decisão da Liga de futebol da Bélgica que, esta quinta-feira, recomendou que se dê por terminada a época e se atribua o título ao Club Brugge.  Numa carta conjunta com a Associação de Clubes …

Boris Johnson em cheque. Desta vez, por causa da quantidade ínfima de testes

A pandemia de covid-19 está a ser um calvário político para Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico tem sido alvo de várias críticas, sendo que a última tem a ver com a quantidade ínfima de testes …

EUA com pior recorde mundial diário de mortes. 10 milhões perderam o emprego

Os Estados Unidos registaram, esta quinta-feira, 1169 mortes em 24 horas causadas pela covid-19, o pior recorde mundial diário, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins. O número recorde de mortes em 24 horas …

Real Madrid sonda Maximiano. Sporting quer blindá-lo com cláusula de 60 milhões

O Real Madrid está atento a Luís Maximiano, o guarda-redes de 21 anos do Sporting. Os 'leões' querem blindar o jogador com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. O Real Madrid está interessado …

Lares britânicos recomendam idosos a assinar cláusula de "não-reanimação"

Lares britânicos recomendaram aos mais velhos que assinassem uma cláusula de "não-reanimação" para que as camas dos hospitais não fossem ocupadas por pessoas com uma menor probabilidade de sobreviver. No Reino Unido, surgem denúncias de que …

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino

Esta sexta-feira, em entrevista à Rádio Renascença, o primeiro-ministro disse que não é altura de se "baixar a guarda" e assegurou que a decisão mais difícil é a da reabertura das escolas. Para vencer esta batalha …