As primeiras vacinas de combate à covid-19 exigem conservação a temperaturas negativas. A ciência explica porquê

O mês de novembro trouxe notícias encorajadoras sobre a produção de vacinas de combate à covid-19. Contudo, tanto a promissora descoberta da Moderna como a da Pfizer /BioNTech, usam uma tecnologia que obriga a que as vacinas estejam armazenadas em temperaturas extremamente baixas.

Alguns laboratórios que estão a desenvolver pesquisas de vacinas optaram por usar o vírus SARS-CoV-2 inativado, outras decidiram usar a técnica vetorial com vírus não replicativo, ou seja neste caso o vírus é geneticamente modificado para reduzir a sua carga viral e evitar que se replique. Este tipo de vacinas, que seguem o modelo clássico, são as mais comuns.

Por sua vez, a Moderna e a Pfizer testaram e desenvolveram um novo tipo de vacina que usa um pequeno fragmento do RNA mensageiro do vírus (mRNA) para converter as células de um paciente.

A sequência de mRNA injetada pela vacina não é suficiente para causar os danos que um vírus completo faria, mas é o suficiente para que o nosso sistema imunológico aprenda a reconhecê-lo e seja capaz de desencadear uma resposta imunológica para combater futuras infeções.

Ao detetar a sequência da proteína o nosso sistema imunológico produz anticorpos e estimula as chamadas células T.

A construção da vacina

Num artigo do The Convsersation, os autores Luis Monje, José Miguel Sanz Anquela e Manuel Peinado Lorca explicam este processo.

Dada à fragilidade reativa de algumas biomoléculas, protegê-las não é fácil, pois as reações orgânicas obedecem cegamente aos genes.

De acordo com o artigo, para os biotecnologistas que trabalham com RNA, o problema é que esta é uma molécula que está sob constante ameaça de ser destruída pelas ribonucleases (RNases). As ribonucleases são a principal linha de defesa contra os agentes infecciosos que usam o RNA como informação genética e por isso são extremamente comuns.

O mecanismo de proteção utilizado em biotecnologia é o inibidor da ribonuclease (IR), que se liga a certas ribonucleases com maior afinidade, impedindo-as de “atacar” o RNA. O IR é usado na maioria dos laboratórios que estudam RNA para proteger as suas amostras da degradação por RNases ambientais em condições de laboratório.

Por isso, os biotecnologistas primeiro fizeram algumas modificações na estrutura molecular do mRNA para torná-lo mais estável. Basicamente, o que os cientistas fizeram foi modificar os nucleotídeos do mRNA usando versões modificadas mais estáveis. É algo como mudar alguns ingredientes do chocolate para que este não derreta muito sem perder a sua essência.

Para evitar qualquer erro, os investigadores não só precisam de fazer alterações químicas no mRNA e envolvê-lo numa camada protetora, como também necessitaram armazená-lo em baixas temperaturas até que as reações químicas parem.

Conforme a temperatura vai descendo, tudo isto acontece de uma forma mais lenta, portanto, as reações químicas desencadeadas pelas enzimas que bloqueiam o RNA são retardadas. É o mesmo que congelar os alimentos para evitar que se estraguem.

Por que razão são necessárias baixas temperaturas ?

Além do seu mecanismo de ativação imunológica, as duas vacinas com aprovação pendente têm algo em comum. Uma membrana de nano-partículas lipídicas que envolve o mRNA e o cobre com uma espécie de proteção. Nos diferentes lipídios utilizados pela Moderna e Pfizer / BioNTech residem as diferenças de temperatura que a preservação de suas respetivas vacinas exige.

A longo prazo, a vacina da Moderna pode ser armazenada a -20 ⁰C, enquanto a vacina da Pfizer / BioNTech precisa ser congelada a -70 ⁰C, uma temperatura ainda mais baixa do a que se faz sentir no inverno da Antártica.

Ambas as vacinas exigem que os pacientes recebam duas injeções com três semanas de intervalo. Isso significa duplicar os requisitos de capacidade, o que traz algumas complicações logísticas, como é o caso de centros de saúde, hospitais e outros locais de vacinação que neste momento não se encontram preparados para armazenar vacinas a  tão baixas temperaturas.

Para já, estão em processo de desenvolvimento os primeiros ensaios de uma vacina termoestável, mas ainda há um longo caminho a percorrer.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas desenvolveram mini-cérebros (quase) humanos

Cientistas norte-americanos enviaram para a Estação Espacial Internacional (EEI) aglomerados de células nervosas, chamadas de mini-cérebros, que estão, agora, a desenvolver-se de formas que os investigadores não imaginavam ser possível. Os organóides foram criados a partir …

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está …

"Bola de fogo" cruzou o céu sobre o Mediterrâneo a 105 mil quilómetros por hora

Uma "bola de fogo" atravessou o mar Mediterrâneo e o norte de Marrocos na noite de quarta-feira, a 105.000 quilómetros por hora. A bola de fogo foi observada por um projeto científico espanhol a uma velocidade …

Duterte rejeita que a filha o vá suceder na liderança das Filipinas. "Isto não é para mulheres"

O líder das Filipinas, Rodrigo Duterte, descartou, na quarta-feira, a hipótese de a filha o vir a suceder no próximo ano, acrescentando que a presidência não é tarefa para uma mulher por causa das …

"Uma memória a flutuar no oceano." Encontrada, dois anos depois, uma mensagem numa garrafa

Uma mensagem no interior de uma garrafa sobreviveu a uma viagem de dois anos pelo oceano. Recentemente, chegou às mãos de um ativista ecológico, enquanto limpava uma praia da Papua Nova Guiné. Em novembro do ano …

As células imortais de Henrietta Lacks revolucionaram a Ciência

O ano de 1951 foi muito importante no campo da biotecnologia e, surpreendentemente, tudo começou com a chegada de Henrietta Lacks a um hospital norte-americano. Descendente de escravos, Loretta Pleasant nasceu a 1 de agosto de …

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …