Vacina portuguesa está à distância de €5 milhões (mas o Estado não se chega à frente)

6

Há quase seis meses que a Immunethep desespera pelo financiamento do Estado para avançar com o desenvolvimento de uma vacina portuguesa contra a covid-19.

A história arrasta-se há quase seis meses. A Immunethep inicialmente pediu 20 milhões de euros para desenvolver uma vacina contra a covid-19, mas, face à inércia do Estado, pede agora um sinal de 5 milhões de euros para depois procurar investimento privado.

Em março, o Governo mostrava-se disponível para apoiar a criação de uma nova vacina, criada pela empresa de Cantanhede, Coimbra.

“O que estivemos a fazer foi a tentar perceber de que modo o Governo poderia apoiar esta empresa, de que modo o Governo se pode organizar para apoiar a fase de ensaios clínicos da Immunethep, que envolve 20 milhões de euros”, disse Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial.

Mais recentemente, em setembro, a biotecnológica disse que estava pronta para avançar com os ensaios clínicos da vacina, mas ainda estava “à espera” do financiamento estatal, pois sem esse dinheiro não conseguia avançar com o processo.

“Neste momento, tudo aquilo que podíamos fazer de ensaios não clínicos está feito”, explica o diretor executivo da Immunethep, Bruno Santos.

Depois de todo o desenvolvimento feito pela empresa, que apresentou uma solução que “ainda é válida e que ainda pode ser útil”, é “um bocadinho frustrante” estar dependente apenas da questão do financiamento, notou também Bruno Santos.

Quase meio ano depois, a situação mantém-se. Em entrevista ao Expresso, Pedro Madureira, cofundador e diretor científico da empresa, explica que é mais difícil ter financiamento privado quando o Estado não sinaliza o seu interesse.

“Das últimas vezes que falámos com o Governo disseram-nos para submeter o projeto a programas de apoio como o Portugal 2020 e o PRR. Já o fizemos e continuamos a aguardar”, salientou Pedro Madureira.

O diretor científico sugere ao Estado um acordo semelhante ao que o Governo alemão fez com a BioNTech. A empresa que fabricou a vacina em parceria com a Pfizer assinou acordos com o Executivo germânico para fazer uma compra antecipada de doses.

“Estas conversações arrastam-se há meses. […] Quanto mais tempo passa, mais difícil o processo se vai tornar, porque quase todos os portugueses já estão vacinados e não conseguiremos recrutar pessoas para os ensaios clínicos”, atirou o cofundador da Immunethep.

Face aos elevados níveis de vacinação em Portugal, a empresa planeia agora fazer os testes em países do sul de África e na América Latina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O investimento do Estado “seria uma vantagem” para o próprio Governo, “que poderia adquirir vacinas internamente em vez de continuar a comprar a outros países”.

Pedro Madureira diz que se o financiamento chegasse agora, a empresa conseguiria ter a vacina pronta em meados de 2023, mas que esta meta torna-se cada vez mais difícil de atingir.

  Daniel Costa, ZAP //

6 Comments

  1. O estado português está enfeudado aos americanos, o que é o mesmo que dizer às grandes multinacionais americanas. Uma vacina portuguesa representaria menos compras de vacinas aos laboratórios internacionais, e isso é coisa que o governo português não quer fazer…

  2. Para a TAP, a Dielmar, a CP ou outras empresas por um fio há milhões à barda; para desenvolver uma vacina não há nada.
    Ah, já percebi: esta empresa privada não dá votos como as outras…
    O Xuxialismo no seu melhor…

  3. Este governo PS é só léria e banha da cobra. É só marketing a enganar papalvos. O que querem estes tipos do PS é permanecer no poder a qualquer preço. Continuem a votar neles, que eles vão dizer que os culpados disto tudo foi o governo PSD-CDS, há seis ou mais anos. Ou então calam-se e viram costas quando são interrogados. Comportam-se como os Donos Disto Tudo.

  4. Criticavam Passos Coelho por estar submisso à Troika e á Alemanha. Este Costa (ài Kosta) está submisso ao partido PS, ao PS Europa, à Alemanha, à França, ao Reino Unido, à China, ou seja a quem mete cá dinheiro e turistas. Os de cá não interessam para nada…..

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.