Vacina contra a cólera chega pela primeira vez a algumas aldeias de Moçambique

Fernando Chinda, 42 anos, tomou pela primeira vez na vida a vacina oral contra a cólera, mas não sabe se os nove filhos e duas esposas, que vivem em aldeias ciclicamente afetadas pela doença serão abrangidos pela campanha.

“Eu estava na machamba e quando regressei informaram-me que próximo ao mercado estavam a dar uma vacina para não ter cólera, e vim tomar”, disse à Lusa Fernando Chinda, lembrando que a doença se repete em tempos chuvosos.

A devastação de latrinas e o consumo de água de charcos é o cocktail fértil para a propagação do surto de cólera na vila de Nhamatanda, Sofala, centro de Moçambique, e uma campanha conjunta do governo e da Cruz Vermelha Internacional luta agora para que menos pessoas sejam contaminadas pela doença.

Várias brigadas de vacinação foram montadas nos subúrbios de Nhamatanda, incluindo nas aldeias vizinhas de Nharichonga e Chiluvo, para evitar o alastramento da cólera, que eclodiu quase duas semanas após a passagem do ciclone Idai por Sofala, em 14 de março e que provocou pelo menos 602 mortos no centro de Moçambique.

Fernando Chinda, mantém, contudo, esperança que os filhos sejam vacinados nas escolas e as esposas também, com a ida das brigadas às aldeias vizinhas de Nhamatanda.

“Eu só tomei a vacina, não sei do assunto”, disse à Lusa Sábado Malinha, que foi abordado por uma brigada quando regressava da mesquita numa rua de pó no subúrbio de Nhamatanda, acrescentando que os ativistas o convenceram que “a vacina era para defender a doença de cólera”.

A campanha contra a cólera tem como principal desafio a desinformação em Nhamatanda, de que a toma da vacina provoca o aumento de diarreia e alergias, e enfraquece o corpo. Mesmo perante a campanha de desinformação, Maria Chimica levou a vacina aos seus sete filhos, para evitar a doença, muito comum entre os habitantes de Nhamatanda.

“Algumas pessoas chegaram lá em casa e disseram que quando se toma a vacina dói a garganta e provoca comichão, mas quando eu tomei, não senti nada”, explicou à Lusa Maria Chimica, apelando a que as pessoas não acreditem na versão de que a vacina faz mal. As autoridades sanitárias de Nhamatanda estão a intensificar a campanha de adesão à vacina contra a cólera e consideram a participação popular satisfatória.

“Estamos a sensibilizar as pessoas dizendo que outros não morreram com cheias e podem morrer com cólera”, disse à Lusa Elsa Nordino, responsável pela campanha de vacinação no maior centro de abrigo das vítimas do ciclone em Nhamatanda, adiantando que a população está a aderir “porque tem visto o sofrimento das outras pessoas com diarreias nos hospitais”.

Além de Nhamatanda, a campanha cobre a cidade da Beira, e os distritos de Dondo e Búzi, largamente atingidos pelo ciclone que deixou milhares sem acesso a agua potável e destruição nas infraestruturas de saúde.

Em paralelo, decorre no Inchope, o principal cruzamento do centro de Moçambique, uma campanha de desinfeção de todas as pessoas que saem da Beira, para impedir o transporte da bactéria para o resto das províncias do país.

A cólera já matou seis pessoas. A sexta vítima mortal foi registada no distrito da Beira, o mais afetado pelo surto, distrito onde já foram contabilizados três quartos dos 3.161 casos notificados pelas autoridades.

A quase totalidade dos doentes (97%) têm tido alta após tratamento, permanecendo 91 casos por resolver. Destes 91 casos de cólera ainda sem cura, 54 estão no distrito de Beira, 19 no de Nhamatanda, 11 no distrito de Dondo e 07 no de Buzi.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …

Estado pode deixar de ganhar dinheiro com empréstimo ao Novo Banco

Atualmente, o Fundo de Resolução paga juros de 2% e 1,38% pelos empréstimos contraídos junto do Estado para financiar as medidas de resolução do BES e do Banif, respetivamente. Porém, esse valor pode descer para …

Equipa de campanha de Trump processa The New York Times por difamação

A equipa de campanha de Donald Trump processou o The New York Times. Em causa está um artigo publicado em março do ano passado. A equipa de campanha de Donald Trump alega que o jornal publicou, …

Enfermeiros que deixem de ser chefes regressam ao início da carreira

Há enfermeiros que regressaram ao início de carreira depois de terem abandonado as suas funções de chefia, revela o jornal Público. Tal como escreve o matutino, que avança a notícia esta quinta-feira, para que estes …