Utentes com cartões de saúde discriminados e com cuidados de menor qualidade

ivna / Flickr

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) apurou que os beneficiários de cartões de saúde são discriminados e recebem cuidados de saúde “menos adequados e com menor qualidade” do que os prestados a outros utentes.

“Para a angariação e fidelização de clientes, os prestadores [de cuidados de saúde] sujeitar-se-ão a descontos que poderão ser incomportáveis e que poderão induzir os profissionais de saúde a alterar de forma inadequada a sua prática”, lê-se no relatório do estudo da ERS, a que a Lusa teve acesso.

Esta pesquisa surgiu após o regulador ter recebido e investigado, “ao longo de anos recentes, um número crescente de exposições de utentes respeitantes a distintos aspetos dos cartões de saúde que se prendem designadamente com as cláusulas contratuais habitualmente firmadas pelas partes e a distinção entre aqueles e os seguros de saúde”.

À ERS também chegou “um conjunto de queixas de prestadores de cuidados de saúde que se prendiam principalmente com os valores definidos nas tabelas de preços dos cartões a pagar pelos utentes”.

O estudo da Entidade debruçou-se sobre os aspetos da concorrência, do acesso dos doentes e da qualidade dos cuidados de saúde, tendo-se baseado nas respostas de 1.044 entidades não públicas prestadoras de cuidados de saúde.

A ERS identificou cerca de 80 cartões de saúde diferentes, sendo os da AdvanceCare, Médis e Multicare os que têm mais prestadores aderentes.

“Muitos prestadores indicaram que a adesão a uma rede de cartões de saúde pode levar uma entidade a prestar cuidados de saúde menos adequados às necessidades dos utentes e de menor qualidade, como resultado dos reduzidos preços definidos nas tabelas de preços”, lê-se no estudo.

“Há discriminação dos beneficiários de cartões de saúde, aos quais seriam prestados cuidados de saúde menos adequados e com menor qualidade do que os cuidados de saúde prestados a outros utentes”, adianta o estudo.

Utentes com cartões de saúde esperam mais pelas consultas

Ao nível da concorrência, a ERS apurou que “as redes estarão a fomentar uma distorção concorrencial, porque representarão barreiras à expansão dos prestadores nos mercados, dada a restrição que existirá na adesão dos prestadores às redes”.

“Devido a estas barreiras à adesão às redes de cartões de saúde, os prestadores aderentes usufruirão de uma vantagem concorrencial no mercado face aos prestadores não aderentes, tendendo o mercado a apresentar um grau de concentração mais elevado com a proliferação dos cartões de saúde, com os pequenos prestadores, que não conseguem aderir às redes de cartões, optando, eventualmente, por sair do mercado”.

O estudo avança que “haverá discriminação de utentes consoante as entidades financiadoras e respetivos valores pagos pelos cuidados de saúde prestados”.

“Os tempos de espera dos utentes, desde a marcação até ao dia da prestação, aumentarão para os beneficiários de cartões de saúde, em comparação com os tempos de outros utentes, à medida que aumenta o número de redes a que os prestadores aderem”.

Este resultado, prossegue o documento, “sugere a existência de discriminação negativa no atendimento dos beneficiários de cartões de saúde, na medida em que haverá casos em que os atendimentos de outros utentes são privilegiados, sendo adiado o atendimento dos beneficiários de cartões”.

A ERS considera que esta é uma área que precisa de ser acompanhada de perto, “tanto mais porque esta realidade não conhece um normativo dedicado que permita o seu enquadramento especial e que delimite, sem dúvidas, os direitos e obrigações das partes, o conteúdo e o âmbito das cláusulas a estipular ou que, ainda, atribua a responsabilidade pela sua análise, acompanhamento e eventual sanção”.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Um negócio de intermediação (semelhante ao das grandes cadeias de distribuição) em que se captam clientes/utentes com a promessa de acesso a cuidados de saúde supostamente com maior acessibilidade/rapidez que os do SNS a um preço módico. Do outro lado, a promessa de os prestadores de saúde terem mais utentes, compensando as tarifas mais reduzidas a que serão abrigados (faz lembrar o negócio dos cartões de crédito, com os comerciantes a pagarem uma taxa ao emissor do cartão a troco de um potencial de vendas mais elevado). Claro que isto conduz a um domínio do mercado pelos intermediários, não necessariamente bom para as pontas – clientes/utentes de saúde e fornecedores de cuidados de saúde. Alguém vai sair a ganhar mas não estes. O SNS vai-se esgotando e tendencialmente as grandes cadeias de intermediação de saúde (em geral empresas financeiras ou suas subsidiárias) vão-se impondo e ganhando cada vez mais dinheiro à custa da saúde alheia e de quem cuida dela. Interessante que os intermediários de saúde a operarem por cá esfregaram as mãos de contentes com o reforço da ADSE.
    Pelos vistos a coisa já está a mostrar a sua verdadeira face com os “pobrezinhos” que têm cartões de saúde a serem discriminados pelos prestadores de saúde. Isto é, estes (a outra ponta da cadeia) não estão a ir na fita! Claro que “quem se lixa é o mexilhão” como é hábito.

RESPONDER

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …

Hidilyn Diaz dá primeira medalha de ouro de sempre às Filipinas

A filipina Hidilyn Diaz deu esta segunda-feira a primeira medalha de ouro de sempre ao seu país em Jogos Olímpicos, ao conquistar a categoria de -55 kg de halterofilismo em Tóquio2020. Depois de ter sido segunda …

Londres e Paris assinam acordo de segurança marítima para o Canal da Mancha

Os governos britânico e francês assinaram esta segunda-feira um tratado de cooperação em segurança marítima em caso de ameaças, como ataques a navios que operam no Canal da Mancha. O Governo do Reino Unido explicou, em …

Estudantes ingleses deverão estar vacinados contra a covid-19 para assistir a aulas nas universidades

Governo britânico estará a considerar a obrigatoriedade de apresentação de certificado de vacinação contra a covid-19 nas salas de aula, auditórios e residências das universidades, não estando previstas na medida alternativas como um teste negativo …

Mali. Morreu o homem suspeito de tentar matar Presidente interino

O governo do Mali anunciou a morte do homem acusado de tentativa de homicídio do Presidente de transição do Mali, coronel Assimi Goita, sob detenção dos serviços de segurança malianos. "Durante as investigações, o estado …