Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as “cinco maneiras de estar no mundo”

collin_key / Flickr

Bugis em Sulawesi, uma ilha na Indonésia

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos.

Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco géneros distintos na sua sociedade. Os Bugis são o maior grupo étnico do sul da ilha e, apesar de representarem apenas seis milhões dos cerca de 270 habitantes do país, são muito influentes – política, económica e culturalmente.

No entanto, é a sua organização social sem precedentes que os faz serem conhecidos pelo globo. “Os Bugis têm palavras para cinco géneros, que correspondem a cinco maneiras de estar no mundo”, explicou à BBC Sharyn Graham Davies, antropóloga da Monash University, em Melbourne.

Makkunrai corresponde ao conceito ocidental de cis feminino, enquanto que Oroani corresponde ao conceito ocidental de cis masculino.

Os Calalai nascem com um corpo feminino, mas assumem papéis de género tradicionalmente masculinos: segundo a antropóloga, usam camisas e calças, fumam cigarros, têm cabelo curto e fazem trabalho manuais.

Já os Calabai nascem com corpos masculinos, mas assumem papéis de género tradicionalmente femininos: usam maquilhagem, vestidos e têm, normalmente, cabelos muito compridos.

O quinto e último é o Bissu: nem mulheres nem homens, estas pessoas personificam o poder de ambos os géneros e são encaradas como seres espirituais.

“Diz-se que, durante a sua descida do céu, os Bissu não se dividiram para se tornarem homens ou mulheres, como a maioria das pessoas. Em vez disso, são uma união sagrada dos dois”, esclareceu Graham Davies.

Os Bissu, que também desempenham um papel de xamã, são reconhecidos pelas suas roupas: costumam usar flores, símbolo tradicionalmente feminino, e a adaga keris, associada aos homens.

Apesar de Calabai e Calalai terem sido aceites, a BBC realça que a sociedade indonésia se tornou menos tolerante com a questão da não binariedade de género em meados do século XX. Na década de 1950, por exemplo, começou uma onda de ataques violentos contra a comunidade LGBTQ.

A conceção Bugis do género também colide com o Islão. Em relação à religião, a antropóloga explicou que muitos Calalai e Calabai lidam com um dilema: dividem-se entre o facto de o seu estilo de vida e sexualidade serem pecado e serem o que são porque Alá assim os desejou.

“Bissu, Calalai e Calabai sofrem muito estigma e discriminação, uma realidade que infelizmente está a aumentar com a afirmação do Islão político”, disse Nasir, um Bugi que trabalha na área de saúde pública na província de Sulawesi do Sul.

“O futuro destas pessoas perseguidas não é muito promissor”, acrescentou.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …