/

Um pouco por todo o mundo, multiplicam-se as guerras pela água

Os conflitos causados pelo acesso à água existem um pouco por todo o planeta e, com as alterações climáticas, a tendência vai crescer.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

É um recursos naturais mais importantes e alimenta a vida na Terra e, devido às alterações climáticas, cada vez mais raro. Há muito que água é um dos motivos para guerras e essa tendência parece ter tudo para crescer, já que, de acordo com previsões da Organização das Nações Unidas, 5 mil milhões de pessoas podem sofrer com a escassez de água em 2050, escreve o The Guardian.

A dependência do rio Nilo em África

Já se muito se falou da importância do rio Nilo para a civilização egípcia, não só pela escassez de água na região, mas também pela terra fértil que cresce nas margens do rio. A verdade é que essa dependência do rio continua até aos dias de hoje e pode dar origem a um conflito com consequências globais.

A Iniciativa da Bacia do Nilo nasceu em 1999 precisamente para incentivar a cooperação entre dez países que são banhados pelo rio, sendo estes o Egipto, o Sudão, a Etiópia, o Quénia, o Uganda, o Burundi, a Tanzânia, o Ruanda e a República Democrática do Congo e também a Eritreia, que tem o estatuto de país observador.

Apesar de inicialmente ter tido sucessos no incentivo à gestão colectiva do Nilo, desde 2007 que os interesses divergentes entre os países que ficam a jusante, como o Egipto e o Sudão, e a montante do rio, como é o caso da Etiópia.

Já há anos que a Etiópia tinha a intenção de construir uma enorme barragem no Nilo Azul, um dos maiores afluentes do Nilo. Conhecida como Grande Barragem do Renascimento Etíope, começou a ser construída em 2011 e tem uma capacidade superior a 74 mil milhões de metros cúbicos. A barragem tem um custo estimado de mais de 3.8 mil milhões de euros e é a maior obra de sempre do país.

O impacto económico da barragem não pode ser subestimado, visto que cerca de dois terços da população etíope não tem electricidade, problema que a barragem ajudaria a resolver. A obra também daria a oportunidade ao país de exportar energia.

Mas este impulso positivo para a economia etíope seria uma catástrofe para o Egipto. Visto que o Nilo é o único grande rio que corre de Sul para Norte, o Egipto é bastante afectado por qualquer interrupção no curso de água, assim como o Sudão, que fica localizado entre o Egipto e a Etiópia. 85% da água do rio Nilo passa pelas terras no norte da Etiópia, onde a barragem está a ser construída.

O Egipto depende do Nilo para 90% da sua água. Dois acordos assinados em 1929 e em 1959 deram ao Egipto e ao Sudão o controlo de practicamente toda a água do rio e o poder de veto sobre obras de países a montante do rio que afectassem o curso de água. Os outros países não foram tidos em conta nestes dois acordos ainda da era colonial, por isso a Etiópia entendeu não ter de os seguir e iniciou a construção sem consultar o Egipto.

De acordo com as previsões da Aljazeera, se a Etiópia concordar em encher totalmente a barragem ao longo dos próximos 10 anos, isso destruiria 18% dos terrenos para agricultura no Egipto. Caso a barragem fique com a capacidade máxima ao fim de cinco anos, metade dos terrenos agrícolas egípcios seriam destruídos.

A instabilidade política no Egipto durante a Primavera Árabe acabou por adiar o conflito, já que o país tinha outros problemas internos mais urgentes. Mas a questão voltou a ser discutida depois da Etiópia ter revelado querer encher a barragem nos próximos seis anos.

“Temos um plano para começar a encher na próxima estação chuvosa, e começaremos a gerar electricidade com duas turbinas em Dezembro de 2020″, afirmou Seleshi Bekele, Ministro da Água etíope, em Setembro do ano passado.

International Hydropower Association / Flickr

Seleshi Bekele, Ministro da Água, Irrigação e Electricidade da Etiópia

As conversações entre os três países ao longo de quatro anos não têm sido produtivas e os Estados Unidos estão agora a tentar mediar o conflito. A Etiópia revelou que os egípcios propuseram ligar a nova barragem à já existente barragem de Aswan, no Egipto.

Mas Seleshi Bekele acusou o Egipto de não estar a negociar em boa fé e revelou à BBC que ligar as duas barragens será “difícil”. “Tinham recuado um pouco nesse assunto, mas hoje trouxeram a ideia de volta até certo ponto”, disse.

Com o aumento das tensões entre os dois países, será possível um conflito armado no futuro? A resposta é sim. Em 2013, gravações secretas a políticos egípcios revelaram as intenções de sabotar ou bombardear a barragem, pode ler-se no LA Times, e o actual presidente, Abdel Fattah Al-Sisi, disse que vai fazer de tudo para proteger os direitos do país sobre as águas do Nilo.

Em Outubro do ano passado, o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, respondeu que “nenhuma força” vai impedir o país de construir a barragem. O envolvimento dos EUA na mediação é também um sinal de que a tensão está aumentar.

Uma potencial guerra poderia trazer efeitos devastadores na região, dada a dependência do rio Nilo, e também a nível internacional, visto que ambos os países são aliados dos Estados Unidos. Um conflito armado poderia também impactar toda a economia global ao “ameaçar a rota comercial vital do canal do Suez ao longo do corno de África”, escreve o Washington Institute.

Um problema global

Mas o problema no Nilo está longe de ser o único. Em Junho, nos EUA, surgiram conflitos depois das autoridades federais cortarem o fornecimento de água do rio Klamath a agricultores, devido à morte em massa de salmões causada pela seca, lê-se na Bloomberg.

Outros grupos interessados que precisam do Klamath, como tribos indígenas, gestores de serviços públicos no sul do Oregon e no norte da Califórnia, campos de golfe, barragens, etc, estão também a reclamar direitos ao rio. Esta disputa é um sinal dos conflitos que se avizinham na costa Oeste americana.

A Índia e o Paquistão vivem também uma situação tensa. Depois de um ataque paquistanês devido à disputa sobre o território da Caxemira em 2019, a Índia retaliou ao ameaçar desviar as correntes dos rios Indo, Chenab e Jhelum.

Este possível desvio seria uma violação de um tratado de 1960, mediado pelo Banco Mundial, que dividiu os recursos hídricos pelos dois países, ficando o Paquistão com o controlo maioritário de três rios ocidentais, enquanto que a Índia gere três rios de leste. Os indianos pretendiam cortar o fornecimento dá água que não usavam, cerca de 7%, que corre livremente para o Paquistão.

“Quando entramos no tratado com o Paquistão, decidimos que a harmonia e a fraternidade prevaleceriam. Se o Paquistão matar o nosso povo e promover o terrorismo, então como é que a harmonia será mantida?”, perguntou Nitin Gadkari, Ministro de Recursos Hídricos da Índia numa entrevista em 2019.

O então Ministro dos Recursos Hídricos paquistanês respondeu que rasgar o acordo poderia levar ao início de uma guerra. “Está na hora de perceberem as consequências de uma guerra. O exército do Paquistão não é uma força fictícia, é ousado, corajoso e bem treinado, e é capaz de destruir as gerações do Modi, mas nós não queremos isso, por isso aprendam que o vosso belicismo não vos trará nenhum bem, querida Índia”, respondeu Vawda no Twitter.

A falta de água potável no subcontinente indiano pode mesmo ser a primeira causa de uma guerra nuclear na Terra. De acordo com um estudo da Universidade das Nações Unidas, “a bacia fluvial do Indo é uma bomba-relógio“.

Parte do problema é político, devido às dificuldades que a região já tem com o abastecimento de água, e qualquer disrupção vai afectar a população e criar instabilidade interna. A outra grande causa é já global, as alterações climáticas. O estudo concluiu que os rios no sul da Ásia vão ser mais afectados pela mudança do clima e a escassez de água vai ser ainda mais agravada.

De acordo com o jornal indiano Mint, a Índia está mesmo a planear reter as águas em excesso que correm para o Paquistão. Esta decisão surge quando a Índia está a tentar desviar as águas do Ujh, um dos principais afluentes do Ravi que corre pelo Paquistão.

“Temos potencial de explorar os rios que correm do nosso território e que vão para o Paquistão, mesmo com o Tratado do Indo. Primeiro, temos o direito de parar a água precisa para regar 100 mil hectares de território. Estamos à procura de potencial, exercê-lo e planeá-lo”, afirmou Gajendra Singh Shekhamat, Ministro do Jal Shakti, um ministério nascido em 2019 com a fusão dos antigos ministérios dos Recuros Hídricos e da Água Potável e Saneamento.

Shekhamat reforça que as águas do Ravi, Beas e Sutlej são indianas. “A água destes três rios e dos seus afluentes é nossa por direito. Se nós construirmos projectos de rega nessas águas e usar-mos o seu potencial, o Paquistão não pode reclamar, o que eles tentam fazer, mas isso é ilegal”, remata.

A região de Caxemira é reivindicada tanto pela Índia como pelo Paquistão desde o fim da colonização britânica, em 1947. Um possível conflito nuclear entre os dois países teria consequências catastróficas para todo o planeta. De acordo com um estudo de 2016 citado pelo Hindustan Times, 21 milhões de pessoas morreriam numa semana e metade da camada do ozono na Terra seria destruída.

As alterações climáticas prometem tornar a água um recurso ainda mais valioso e escasso, o que vai desafiar ainda maior aos governos a aprender a gerir a sua distribuição de forma diplomática para se evitarem conflitos com consequências globais.

  AP, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.