Cientistas identificam causa provável (e local) da 1ª Guerra Nuclear na Terra

O primeiro conflito nuclear no nosso planeta pode ocorrer não entre a Rússia e os EUA, mas entre a Índia e o Paquistão – devido a problemas crescentes em torno do acesso à água potável no subcontinente indiano e aos conflitos em torno da bacia do rio Indo.

Segundo um estudo de um grupo de cientistas da Universidade das Nações Unidas, UNU, “a bacia fluvial do Indo é uma ‘bomba-relógio’ que pode explodir a qualquer momento, aumentando a escassez de água na região e causando mudanças climáticas irreversíveis.

“Existem outros conflitos relacionados com o acesso à água, e nós analisamo-los hoje para que a Terra possa seguir o curso da paz e uso sustentável dos recursos hídricos”, disse em Hamilton, no Canadá, o diretor do Instituto para Água, Meio Ambiente e Saúde da UNU, Vladimir Smakhtin, citado pela agência russa Sputnik News.

De acordo com o cientista, o conflito em torno de recursos hídricos no Hindustão intensificou-se nos últimos anos.

Há um mês a Índia anunciou a cessação dos trabalhos da Comissão bilateral permanente para o rio Indo que regulava as relações neste assunto entre a Índia e o Paquistão desde a década de 1960, quando os dois países assinaram um tratado sobre as águas do rio Indo.

No âmbito deste acordo, a Índia recebeu o direito de uso das águas de três afluentes orientais do Indo, e o Paquistão as águas de dois afluentes ocidentais e do próprio Indo. Em setembro de 2016, o governo da Índia manifestou pela primeira vez a intenção de rever este acordo ou sair dele.

Este comportamento de Nova Deli foi declarado como hostil pelo Paquistão, que afirmou que este passo do governo indiano pode ser considerado como “um ato de declaração de guerra”.

Especialistas da UNU analisaram a situação e chegaram à conclusão de que a falta de água potável no Hindustão é um problema muito sério e que, sem a cooperação entre a Índia e o Paquistão, pode levar a uma guerra entre os dois países num futuro próximo.

Uma parte do problema é causada por causas externas: a mudança climática. Os cientistas acham que o Indo e todos os outros rios do Sul da Ásia são mais afetados pelas alterações climáticas, e que os seus efeitos, sob a forma de seca e de escassez de água, se revelarão mais rapidamente na região.

A segunda parte do problema tem um caráter interno.

Se o Hindustão já tem problemas com o abastecimento de água, um aumento da sua escassez pode gerar instabilidade política interna nestes países – especialmente no Paquistão, onde o nível de consumo de água é alto, e o sistema político está à beira de se tornar num “estado falhado”.

Como observa Robert Wirsing, um dos autores do relatório da UNU, a longa história de conflitos entre as três potências nucleares da região — Paquistão, Índia e China — permite apenas falar de previsões extremamente negativas e do aumento da probabilidade de desenvolvimento de um conflito nos próximos anos, incluindo nuclear.

A rejeição do acordo de 1960, diz Wirsing, só aumentará essa probabilidade.

Mas indianos e paquistaneses parecem saber que há uma probabilidade não nula de um conflito nuclear entre os dois países, e ocasionalmente discutem as consequências de uma pequena guerra nuclear entre eles.

O jornal indiano Hindustan Times recuperou o estudo de uma equipa de investigadores da Rutgers University, da Universidade de Colorado-Boulder e da Universidade da California, nos Estados Unidos, e recorda que as consequências de um conflito entre as duas pequenas potências nucleares seriam devastadoras – para todo o planeta.

De acordo com o estudo, se a Índia e o Paquistão usassem 100 ogivas nucleares, cerca de metade do seu arsenal, cada uma com o equivalente ao potencial destrutivo da bomba lançada contra Hiroshima (15 mil toneladas de TNT), 21 milhões de pessoas morreriam no espaço de apenas uma semana.

Mas o número de mortes, causadas pelos efeitos directos da explosão nuclear, por queimaduras e pela radiação aumentaria consistentemente semana após semana.

Além disso, metade da camada de ozono da Terra seria destruída, com um impacto devastador no clima de todo o planeta.

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião será entre Israel… e um outro qualquer país Árabe.
    Assim que um país Àrabe tiver bomba nuclear…. de certeza que não vai deixar Israel continuar a fazer o que quer na zona e…. Israel retaliará também com força nuclear ;(

    • Para isso seria necessário que Israel (e o resto do mundo) deixassem algum vizinho de Israel fazer uma bomba nuclear – o que, actualmente, é praticamente impossível…
      O Irão esteve perto mas, de repente, os seus cientistas nucleares começaram a morrer ou a desaparecer…

    • Israel nunca vai deixar os toalha-á-cabeça terem armas nucleares. E muito bem. E não seria uma má ideia a aniquilação mútua de indianos e paquistaneses. Pelo menos não tínhamos de levar com gaijos a grunhir a frase “quéfrô?”. O meu nome é Zé Gordo 🙂

  2. A principal causa destes problemas surgirem nestes países são o superpovoamento destes locais, há milhões de habitantes a mais e pelos vistos não existe o controlo de natalidade capaz de começar a inverter a situação depois temos as industrias muitas delas ao abrigo da famosa globalização que se deslocaram para lá e que ao abrigo da falta de regras e legislação exploram o povo e poluem sem limites.

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …