Indianos e paquistaneses discutem as consequências de uma pequena guerra nuclear

Uma investigação realizada por cientistas norte-americanos lançou há quase 10 anos o alerta sobre as devastadoras consequências para a humanidade no caso de uma guerra nuclear entre a Índia e o Paquistão. E os dois países parecem apostados em testar o estudo.

A semana passada, Subramanian Swamy, um destacado político indiano do partido BJP, no poder, declarou que “se 100 milhões de indianos morressem após um ataque nuclear, a retaliação indiana “limparia o Paquistão da face da Terra”.

O jornal indiano Hindustan Times recuperou o estudo de uma equipa de investigadores da Rutgers University, da Universidade de Colorado-Boulder e da Universidade da California, nos Estados Unidos, e recorda que as consequências de um conflito entre as duas pequenas potências nucleares seriam devastadoras – para todo o planeta.

De acordo com o estudo, se a Índia e o Paquistão usassem 100 ogivas nucleares, cerca de metade do seu arsenal, cada uma com o equivalente ao potencial destrutivo da bomba lançada contra Hiroshima (15 mil toneladas de TNT), 21 milhões de pessoas morreriam no espaço de apenas uma semana.

Mas o número de mortes, causadas pelos efeitos directos da explosão nuclear, por queimaduras e pela radiação aumentaria consistentemente semana após semana.

Além disso, metade da camada de ozono da Terra seria destruída, com um impacto devastador no clima de todo o planeta.

O Inverno Nuclear que se seguiria causaria danos dramáticos na agricultura mundial e traria fome a mais de 2 mil milhões de pessoas – mais de um terço da população da Terra.

Este cenário hipotético parece uma hipótese académica discutida no âmbito de um estudo científico.

Mas entretanto, em resposta ao inflamado discurso de Subramanian Swamy, o ministro da Defesa paquistanês já respondeu, ameaçando “eliminar a Índia em retaliação”.

Em 2015, o Paquistão possuía entre 110 e 130 ogivas nucleares, 66% das quais instaladas em mísseis balísticos. Já a quantidade de ogivas nucleares da Índia é estimadas em 110 a 120 unidades.

Segundo Sameer Patil, investigador do centro de estudos Gateway House citado pela Sputnik News, os mísseis balísticos de médio alcance paquistaneses, equipados com ogivas nucleares, poderão atingir as quatro maiores cidades da Índia: Nova Delhi, Mumbai, Bengalore e Chennai.

Ao mesmo tempo, diz o investigador, “considerando que o território paquistanês é menor, é possível que a Índia ataque as cidades paquistanesas de Islamabad, Rawalpindi, Lahore e Karachi”.

Os políticos e analistas indianos e paquistaneses parecem estar a levar a sério os seus jogos de guerra.

E como se sabe, ninguém ganha jogos desses – sejam eles a famigerada Guerra Termonuclear Global, ou uma escaramuça nuclear entre dois vizinhos que se odeiam.

AJB, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A Independência da Índia foi um dos maiores erros históricos de sempre. Um país tão atrasado quanto aquele nunca deveria ter saído da tutela da Grã-Bretanha. E a divisão da mesma em dois estados, um deles islâmico, foi outro erro trágico. Com os muçulmanos, nada de liberdades: só rédea curta e pouca conversa.

RESPONDER

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …