Um em cada quatro portugueses deixou de recorrer ao SNS por receio da pandemia

Um em cada quatro portugueses deixou de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde no ano passado, por medo de contagio com o novo coronavírus, e mais de dois terços consideram que o SNS tem respondido bem à pandemia. O investimento em 2020 permitiu um retorno de 6,8 mil milhões de euros para a economia.

Segundo os dados do Índice de Saúde Sustentável, desenvolvido pela Nova Information Management School (NOVA-IMS) e que avaliou também a resposta do SNS à pandemia de covid-19, 15,7% dos utentes deixaram de ir a uma consulta com o médico de família no centro de saúde, 7,5% não foram a consultas de especialidade nos hospitais, 5,8% deixaram exames de diagnóstico por fazer e 7,3% optaram por não recorrer às urgências.

“A significativa redução de atividade do SNS deverá ter-se feito sentir sobretudo do lado da oferta, devido às restrições dos recursos, mas também (…) do lado da procura. Todos nós percebermos intuitivamente que deverá haver uma parte da população potencialmente utilizadora do SNS que se absteve ou reduziu a procura de cuidados de saúde devido aos receios relacionados com a pandemia”, explicou Pedro Simões Coelho, coordenador do estudo.

O especialista acrescentou ainda: “Quase um quarto da população potencialmente utilizadora (…) deixou de recorrer nalgum momento ao SNS, por exemplo, para uma consulta, ou para um exame de diagnóstico, por sentir receio de se deslocar ao hospital ou ao centro de saúde”.

Pedro Simões Coelho indicou ainda que, segundo o estudo, “essa mesma população terá intensificado o recurso a serviços de saúde privados, em alternativa ao SNS, exatamente por sentir esse receio ou por situações de falta de resposta do SNS”.

“E nós estimamos que 18% da população o tenha feito”, acrescentou.

Os dados deste estudo revelam que 18,2% dos portugueses recorreram a serviços de saúde privados por falta de resposta no SNS ou por receio de contágio devido à pandemia de covid-19.

O estudo, que apresenta uma visão global da atividade perdida no SNS e convertida em atividade nos serviços de saúde privados, indica que enquanto no serviço público houve 15,7% de consultas com médico de família/clínica geral que não aconteceram, no privado esta atividade subiu 4,7%.

Quanto às consultas externas de especialidade, o SNS deixou de fazer 7,5% e o privado teve um adicional de 13%. A mesma tendência verificou-se nos exames de diagnóstico, com o SNS a perder 5,8% e os privados a terem 7,9% de atividade adicional, e nas urgências (SNS perdeu 7,3%, privados tiveram mais 2,9%).

Os dados apontam ainda para uma maior utilização dos serviços de telemedicina no SNS do que nos serviços de saúde privados.

Para a maioria dos portugueses inquiridos (54,2%), a covid-19 criou dificuldades no relacionamento com os familiares, em 30,8% foi a causa de depressões e em 39,6% de situações de ansiedade.

O estudo mostra ainda que os doentes que estiveram infetados com covid-19 faltaram, em média, 15 dias ao trabalho. Três em cada quatro destes utentes (76%) consideram que o SNS teve uma resposta “boa” ou “muito boa” face à sua situação quando esteve infetado.

Retorno de 6,8 mil milhões para a economia

O investimento no Serviço Nacional de Saúde em 2020 permitiu um retorno de 6,8 mil milhões de euros para a economia, tendo em conta o impacto dos cuidados de saúde no absentismo e na produtividade, conclui ainda o mesmo estudo.

“É um valor impressionante, significa que num só ano cerca de metade do investimento que é realizado no SNS é imediatamente retornado para a sociedade. Curiosamente, num ano em que existiu perda de atividade, o valor até foi ampliado“, afirmou o coordenador do estudo da NOVA-IMS.

Em declarações à agência Lusa, Pedro Simões Coelho explicou: “Em primeiro lugar, há uma perda de atividade, mas muitas pessoas continuaram a beneficiar do SNS. Por outro lado, o SNS inclui também as terapêuticas e medicamentos que o Estado comparticipa (…). Por ultimo, este valor dos 6,8 mil milhões inclui os doentes covid-19, que foram quase um milhão e o SNS teve um contributo muito grande para a redução do seu absentismo e para a melhoria da sua produtividade”.

Segundo os dados do Índice de Saúde Sustentável, desenvolvido pela NOVA-IMS, este retorno foi superior (mais 1,4 mil milhões) ao valor apurado em 2019 (5,4 mil milhões).

De acordo com os dados do estudo, a que a Lusa teve acesso, a maioria dos portugueses faltou pelo menos um dia ao trabalho em 2020 por motivos de saúde e 17% faltaram mais de 20 dias. No entanto, a prestação de cuidados de saúde pelo SNS permitiu evitar uma ausência laboral equivalente a 2,9 dias, representando uma poupança de mil milhões de euros.

O SNS permitiu ainda evitar 9,9 dias de trabalho perdidos em produtividade, resultando numa poupança de 3,5 mil milhões de euros. No total, somando o impacto no absentismo e na produtividade, o SNS permitiu uma poupança global de 4,5 mil milhões de euros (mais 900 mil do que em 2019).

Considerando o impacto dessa poupança por via dos salários e a relação entre produtividade/remuneração (valor referência do INE), o estudo conclui que os cuidados prestados pelo SNS permitiram um retorno para a economia de 6,8 mil milhões.

Os dados indicam também que o índice de sustentabilidade do SNS deu uma queda com a pandemia, baixando de 101,7 em 2019 para 83,9 pontos em 2020. Contudo, se não fosse o efeito da pandemia, o índice estimado era de 103,6, segundo o estudo.

“A queda significativa da atividade, que estimamos em cerca de 10%, veio acompanhada de um aumento da despesa e isso corresponde a uma queda da produtividade. Essa queda da produtividade não poderia senão ter arrastado o índice para baixo, tendo atingido um valor de 84 pontos face ao valor base de 2014 que foi estabelecido como como o índice 100. É uma queda muito significativa”, disse à Lusa Pedro Simões Coelho.

Contudo, o especialista recordou que se conseguiu neste estudo modelar qual seria o valor expectável de cada uma das componentes do índice para o ano 2020 se não tivesse existido pandemia e, com base nessas previsões, “teria tido o valor de 103,6”.

“Esta diferença, que é quase de 20 pontos, corresponde ao efeito covid-19 sobre a sustentabilidade do SNS”, acrescentou o responsável, sublinhando que “o grande desafio do SNS nos próximos anos é recuperar esta perda significativa de atividade”.

O estudo indica ainda que, na ótica dos utentes, houve “uma ligeira melhoria” nos cuidados de saúde prestados (73,2 pontos, mais 1,6), mas a qualidade técnica baixou (56,7, menos 3,1).

Os autores referem igualmente que a despesa aumentou 7%, mas sublinham a grande queda do déficit (-53%)

O trabalho, desenvolvido pela NOVA-IMS em colaboração com a AbbVie, avalia não só a evolução da sustentabilidade do SNS, mas também o SNS do ponto de vista do utilizador. Identifica pontos fracos e fortes, bem como possíveis áreas prioritárias de atuação, além de procurar compreender os contributos económicos e não económicos, nomeadamente no que diz respeito ao estado de saúde dos portugueses e participação no mercado laboral.

De acordo com os resultados, a avaliação dos portugueses do seu estado de saúde melhorou ligeiramente e a maioria dos inquiridos faz uma avaliação positiva: 59,8% consideram o seu estado de saúde “bom” ou “muito bom”, uma percentagem superior à registada no ano anterior (59,2%).

Contudo, metade dos inquiridos ainda considera que o seu estado de saúde dificulta a realização de tarefas diárias (pessoais e/ou profissionais), 45% diz que dificulta a sua mobilidade, 49% assume que afeta negativamente a sua qualidade de vida e 44% considera que o seu estado de saúde provoca ansiedade ou depressão/dor ou mal estar.

Numa escala de 1 a 100, os portugueses classificam o seu estado de saúde com 75,3 pontos. Sem o contributo do SNS, o índice do estado de saúde ficaria pelos 63,8 pontos, segundo o estudo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Defesa de Salgado alega diagnóstico preliminar de Alzheimer do ex-banqueiro

A defesa do antigo presidente do BES, que está a ser julgado por três crimes de abuso de confiança no âmbito da Operação Marquês, pediu ao tribunal uma perícia médica devido ao seu diagnóstico preliminar …

Três norte-americanos emitem carbono suficiente para matar uma pessoa, revela estudo

O estilo de vida de três norte-americanos leva a uma emissão de carbono suficiente para matar uma pessoa, revelou um novo artigo, concluindo ainda que as emissões de uma única usina a carvão podem causar …

Terceira dose da vacina da Pfizer aumenta "fortemente" a proteção contra a variante Delta

Farmacêutica norte-americana pretende submeter um novo pedido de autorização de emergência para a administração da terceira dose ao regulador, depois de já ter visto um pedido anterior ser recusado por falta de evidências científicas. Depois de …

Estabelecimentos abertos até às 02h00. Máscaras na rua acabam em setembro

O primeiro-ministro anunciou, esta quinta-feira, a partir do Palácio Nacional da Ajuda, as novas medidas de desconfinamento decididas no Conselho de Ministros. António Costa começou por referir que, graças às medidas restritivas dos últimos tempos, é …

Surpresa na Liga dos Campeões: Celtic é uma equipa de "terceira divisão"

Críticas à qualidade do plantel do gigante escocês, que nem passou da segunda pré-eliminatória de acesso à Liga dos Campeões. O Midtjylland fez a festa. Há uns tempos seria uma surpresa mas, nos anos mais recentes, …

Morreu o poeta e tradutor Pedro Tamen, aos 86 anos

O poeta e tradutor, de 86 anos, morreu, esta quinta-feira, em Setúbal, onde estava hospitalizado, disse à agência Lusa fonte próxima da família. Pedro Tamen, que além de poeta também foi tradutor, estreou-se, em 1956, com …

Corrida à Câmara de Lisboa divide CDS. Mesquita Nunes junta-se aos críticos

A escolha de Filipe Anacoreta Correia, em vez de João Gonçalves Pereira, para número dois da lista à Câmara de Lisboa está a gerar uma guerra interna no CDS. A escolha de Filipe Anacoreta Correia para …

Tragédia Hillsborough: morreu uma vítima, depois de 32 anos em estado vegetativo

Andrew Devine faleceu aos 55 anos. É oficialmente a 97.ª pessoa a morrer por causa do desastre em 1989, em Sheffield. De 15 de abril de 1989 até 27 de julho de 2021 passaram mais de …

Trabalhadores da Google só regressam aos escritórios em outubro e todos vacinados

A maioria dos trabalhadores da Google só regressará aos escritórios em meados de outubro, depois de ser totalmente vacinada, numa tentativa de combater a disseminação da variante Delta do novo coronavírus SARS-COV-2, anunciou esta quarta-feira …

Primeiro-ministro tunisino terá sido agredido antes de concordar em renunciar

O primeiro-ministro da Tunísia, Hichem Mechichi, terá sido alegadamente agredido dentro do palácio presidencial antes de ser afastado de cargo pelo chefe de Estado do país, Kais Saied. Mechichi e o restante governo foram demitidos na …