Um ciberataque poderia accionar o botão nuclear

Há uma série de vulnerabilidades através das quais um agente mal-intencionado poderia infiltrar-se no sistema de armas nucleares de um país sem o seu conhecimento, assegura o mais recente relatório publicado pela Chatam House, o Instituto Real de Assuntos Internacionais do Reino Unido.

Segundo um estudo publicado esta quinta-feira pela Chatam House, na altura da criação da maior parte das actuais armas nucleares de destruição em massa, as capacidades informáticas encontravam-se ainda no início do seu desenvolvimento e não causavam preocupações. Os sistemas informáticos dos sistemas de mísseis usavam… disquetes.

Entretanto, o mundo digital avançou, mas muitos dos sistemas de controlo de mísseis usam ainda uma estratégia antiquada para os sistemas tecnológicos de controle, gestão e comunicações do arsenal nuclear, assinala o estudo.

Assim, grupos de hackers podem com alguma facilidade ter acesso a sistemas críticos, como os sistemas de segurança que impedem erros humanos e falhas, e manipular os dados, causando incerteza nos operadores no momento de tomar uma decisão-chave, ou provocar um aumento de tensão e induzir o uso de armas nucleares.

Segundo o estudo, entre os mais vulneráveis, encontram-se os silos dos Minuteman, os mísseis balísticos intercontinentais dos Estados Unidos, que cujos sistemas podem ser acedidos por hackers para manipular a informação, efectuar interferências cibernéticas em canais de comunicação ou falsificar dados.

O estudo realça que em uma só das suas bases, no Dakota do Norte, os EUA têm nada menos que 150 unidades de mísseis Minuteman III.

A possibilidade de ciberataques contra armas nucleares está a ser estudada há algum tempo. O ex-ministro dos negócios Estrangeiros britânico Malcolm Rifkind, em entrevista à BBC, revelou que muitos especialistas acreditam que os EUA terão já recorrido a pirataria informática para fazer fracassar os lançamentos de mísseis da Coreia do Norte.

Prevenir este tipo de situação é responsabilidade directa dos países que possuem armas nucleares, clarificam os autores do relatório. “As medidas de redução de riscos devem estar incluídas nos sistemas de comando, controle e comunicação“, conclui o estudo.

Mas os ciberataques não são o único perigo. O comportamento dos militares ou civis directamente envolvidos com os sistemas de segurança dos mísseis também apresentam elevados riscos.

Um relatório do Departamento de Energia dos EUA revelou que em 2009, funcionários norte-americanos foram presos por um incidente num bar, enquanto decorria uma operação de transferência de materiais nucleares. Em 2007, na mesma situação, outro funcionário tinha sido detido por embriaguez pública.

Segundo o Departamento de Energia norte-americano, no período entre 2007 e 2009 foram registados um total de 16 incidentes relacionados com excesso de álcool em funcionários dos sistemas de controlo do arsenal nuclear dos EUA.

PARTILHAR

RESPONDER

Vem aí chuva de poeiras vindas do Norte de África

Este fim de semana, o sul de Portugal pode enfrentar uma chuva carregada de poeiras vindas do Norte de África. O IPMA explica que se trata apenas de uma deposição. Uma chuva de poeiras pode atingir …

Marcelo deverá vetar mudança de género aos 16 anos

O Presidente da República deverá vetar a lei que permite a mudança de género no registo civil aos 16 anos, por questionar não ser necessário um relatório médico. Marcelo Rebelo de Sousa deverá vetar a lei …

Nacionalidade automática para filhos de imigrantes há 2 anos em Portugal

Os filhos de imigrantes que vivam em Portugal há dois anos vão ser considerados portugueses originários, a não ser que declarem que não querem ser portugueses. Esta alteração vai "inverter a atual regra" e irá encurtar …

Eleições de 2019 com plano europeu para travar perturbações nas redes sociais

Em 2019, o objetivo central dos técnicos da "sala de situação" é proteger as infraestruturas de apoio ao processo eleitoral, nas europeias e as legislativas, ainda sem data marcada. O cenário internacional tem sido marcado pela …

PSD dá a Costa espaço para reformar o SNS sem o Bloco

O ministro-sombra da saúde de Rui Rio, Luís Filipe Pereira, está a preparar um documento estratégico sobre o SNS. O PSD pretende, assim, ir a jogo na discussão sobre o futuro do Serviço Nacional de Saúde. A …

O Benfica criou um plano para mandar no futebol português

Emails revelados pelo blogue do "Mercado de Benfica" mostram que os quadros do clube debateram entre si uma estratégia a cinco anos para influenciar e dominar as "diferentes áreas do poder da indústria" do futebol português, …

Governo admite baixar portagens para SUVS e crossovers

O ministro Pedro Marques admite passar carros SUV e crossover de classe 2 para 1 nas portagens, afirmando que a atual classe 2 "pode ser um bloqueio a viaturas mais eficientes". O ministro do Planeamento, Pedro …

Portugal continua no caixote do lixo da Moody’s

A Moody's não se pronunciou sobre a notação de crédito de Portugal. Nos próximos seis meses, continuará a ser a única agência a manter o país abaixo do "grau de investimento". A agência de notação financeira …

Consultor Constantino Sakellarides demite-se em divergência com ministro da Saúde

O consultor do ministro da Saúde, Constantino Sakellraideser, entregou, na quinta-feira, uma carta de demissão a Adalberto Campos Fernandes devido a divergências de pensamento. Constantino Sakellarides, o consultor do ministro da Saúde que, há dois anos, …

Kim Jong-un anuncia suspensão de testes nucleares e balísticos

O regime norte-coreano anunciou a suspensão dos testes nucleares a partir de sábado e o desmantelamento da base de Punggye-ri. Este gesto foi bem recebido pelos EUA e aliados, embora não dê indicação de que …