Um ciberataque poderia accionar o botão nuclear

Há uma série de vulnerabilidades através das quais um agente mal-intencionado poderia infiltrar-se no sistema de armas nucleares de um país sem o seu conhecimento, assegura o mais recente relatório publicado pela Chatam House, o Instituto Real de Assuntos Internacionais do Reino Unido.

Segundo um estudo publicado esta quinta-feira pela Chatam House, na altura da criação da maior parte das actuais armas nucleares de destruição em massa, as capacidades informáticas encontravam-se ainda no início do seu desenvolvimento e não causavam preocupações. Os sistemas informáticos dos sistemas de mísseis usavam… disquetes.

Entretanto, o mundo digital avançou, mas muitos dos sistemas de controlo de mísseis usam ainda uma estratégia antiquada para os sistemas tecnológicos de controle, gestão e comunicações do arsenal nuclear, assinala o estudo.

Assim, grupos de hackers podem com alguma facilidade ter acesso a sistemas críticos, como os sistemas de segurança que impedem erros humanos e falhas, e manipular os dados, causando incerteza nos operadores no momento de tomar uma decisão-chave, ou provocar um aumento de tensão e induzir o uso de armas nucleares.

Segundo o estudo, entre os mais vulneráveis, encontram-se os silos dos Minuteman, os mísseis balísticos intercontinentais dos Estados Unidos, que cujos sistemas podem ser acedidos por hackers para manipular a informação, efectuar interferências cibernéticas em canais de comunicação ou falsificar dados.

O estudo realça que em uma só das suas bases, no Dakota do Norte, os EUA têm nada menos que 150 unidades de mísseis Minuteman III.

A possibilidade de ciberataques contra armas nucleares está a ser estudada há algum tempo. O ex-ministro dos negócios Estrangeiros britânico Malcolm Rifkind, em entrevista à BBC, revelou que muitos especialistas acreditam que os EUA terão já recorrido a pirataria informática para fazer fracassar os lançamentos de mísseis da Coreia do Norte.

Prevenir este tipo de situação é responsabilidade directa dos países que possuem armas nucleares, clarificam os autores do relatório. “As medidas de redução de riscos devem estar incluídas nos sistemas de comando, controle e comunicação“, conclui o estudo.

Mas os ciberataques não são o único perigo. O comportamento dos militares ou civis directamente envolvidos com os sistemas de segurança dos mísseis também apresentam elevados riscos.

Um relatório do Departamento de Energia dos EUA revelou que em 2009, funcionários norte-americanos foram presos por um incidente num bar, enquanto decorria uma operação de transferência de materiais nucleares. Em 2007, na mesma situação, outro funcionário tinha sido detido por embriaguez pública.

Segundo o Departamento de Energia norte-americano, no período entre 2007 e 2009 foram registados um total de 16 incidentes relacionados com excesso de álcool em funcionários dos sistemas de controlo do arsenal nuclear dos EUA.

PARTILHAR

RESPONDER

Erupção que destruiu Pompeia pode ter acontecido dois meses mais tarde

Esta terça-feira, as autoridades italianas anunciaram que a erupção vulcânica que destruiu a cidade romana de Pompeia, em 79 a.C., pode ter acontecido dois meses mais tarde do que pensavam os cientistas. Até agora, pensava-se que …

Cientistas captam "cantar" de plataformas de gelo na Antártida

A União Americana de Geofísica publicou um vídeo da plataforma de gelo Ross, na Antártica, a "cantar". Os tons sísmicos podem ser usados para monitorizar as alterações nas plataformas de gelo. Exploradores polares registaram sons extraordinários …

Misterioso raio cósmico detetado incrivelmente perto da Terra

Uma estranha rajada de ondas de rádio detetada no espaço foi rastreada até uma galáxia a 120 milhões de anos-luz do nosso planeta - a nível astronómico, esta é uma distância incrivelmente curta da Terra. …

Primeira missão europeia a Mercúrio lançada com cientista e tecnologia portuguesas

A primeira missão europeia que vai estudar Mercúrio, o planeta mais pequeno e mais próximo do Sol, vai ser lançada no sábado, e nela participa uma cientista e uma empresa portuguesas. A astrofísica Joana S. Oliveira …

Sertanense vs Benfica | Águias passam sem dificuldade

O Benfica venceu hoje o Sertanense, do Campeonato de Portugal, por 3-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, em que Jonas voltou a ser titular e a marcar ao fim …

Quase todo o património da UNESCO no Mediterrâneo ameaçado pela subida das águas

O aumento da erosão costeira devido à subida do nível das águas está a pôr em risco quase todos os monumentos reconhecidos como Património da Humanidade que se localizam na zonas baixas da costa do …

Carne podre e cadáveres que explodem por falta de eletricidade na Venezuela

Em Maracaibo, na Venezuela, a energia elétrica falha constantemente. Nos mercados, há carne podre à venda, mas ainda assim a procura aumenta. Porquê? "O que fazer, se é mais barato?" A Venezuela atravessa, desde 2014, uma …

Ministro da Administração Interna não emitiu despacho de alerta para a Leslie

Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna, não emitiu o despacho de alerta que podia reforçar os meios de proteção e socorro durante a tempestade que atingiu Portugal. A decisão poderia ter tido impacto junto das …

Trump ameaça fechar fronteira com o México

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou esta quinta-feira fechar a fronteira entre os Estados Unidos e o México, numa altura em que milhares de migrantes atravessam a pé vários países da América Central na esperança …

Rendas vão ter duração mínima de um ano

Apresentada pelo PS, a medida já foi aprovada e prevê que contratos de arrendamento tenham um prazo mínimo de um ano e que se renovem por mais três anos, não havendo dados em contrário. O Parlamento …