Era o último dia do acordo para o Brexit, mas não foi. O fantasma de 3 cabeças atacou e a discórdia continua

Will Oliver / EPA

A concorrência, a pesca e a disputa de conflitos continuam a impedir um acordo comercial entre o Reino Unido e a União Europeia. Este domingo era o último dia para se alcançar um acordo para o Brexit, mas as conversações vão continuar nos próximos dias.

De acordo com o Expresso, o “fantasma de três cabeças” – a concorrência, a pesca e a disputa de conflitos – voltou a atacar e a impedir o ponto final.

“Apesar da exaustão de quase um ano de negociações e apesar do facto de os prazos terem sido incumpridos uma e outra vez, acreditamos que, nesta fase, é responsável fazer um último esforço”, reagiu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em comunicado.

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, disse à Sky News que é preciso estar-se preparado para a possibilidade de no deal, o que resultaria numa imposição imediata de tarifas no dia 1 de janeiro entre dezenas de outras normas que agora apenas se aplicam aos países fora da União Europeia.

O governante quer recuperar a soberania do Reino Unido, anulando a jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça em terras britânicas ou recuperando as milhas de pesca que considera só suas. No entanto, nem uma nem outra exigências foram aceites pelos congéneres europeus de Boris Johnson.

Jim Brunsten, correspondente em Bruxelas do Financial Times, disse no podcast do jornal londrino que pouco se falou do Brexit durante a cimeira. O Brexit foi um pequeno ponto na agenda e consistiu apenas numa breve apresentação por parte de von der Leyen sobre o jantar que tinha tido na noite anterior com Boris Johnson.

“É muito significativo o quão pouco se falou de Brexit, o tema foi deliberadamente colocado de lado. Nenhum dos líderes, à chegada, mencionou o assunto sequer. É um sinal de que, para já, estão satisfeitos em deixar tudo isto nas mãos das equipas de negociadores, ao contrário dos britânicos, sempre obcecados com cimeiras. O cenário de sonho dos britânicos são as conversas bilaterais para resolver as coisas”, afirmou.

A Comissão Europeia divulgou recentemente o plano de contingência para a possibilidade de uma saída sem acordo, no qual assume cenários como a interrupção das ligações aéreas e rodoviárias.

De acordo com o semanário, a divulgação pode mesmo ser entendida como uma última força de pressão sobre os britânicos para que estes aceitem as condições para uma futura relação comercial.

Os problemas são os mesmo de sempre: as milhas de pesca, as regras para a concorrência justa e como (e em que instituição) resolver eventuais disputas comerciais futuras.

O Reino Unido abandonou a União Europeia a 31 de janeiro, tendo entrado em vigor medidas transitórias que caducam no próximo dia 31. Na ausência de um acordo, as relações económicas e comerciais entre o Reino Unido e a UE passam a ser regidas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de taxas aduaneiras e quotas de importação, para além de mais controlos alfandegários e regulatórios.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

    • Estás muito enganado. E o longo processo negocial resulta disso mesmo. Não vão ceder em quase nada ao contrário do que o palerma do Boris pensava.

    • Se aceitarem, o mercado único deixa de fazer sentido pois outros países poderão querer ir pelo mesmo caminho. Eles querem uma re-edição da CEE, versão 2.0 exclusiva para eles. Com todos os benefícios e nenhum dos contratempos, claro. E ja agora trazidos numa bandeja de ouro.

      Se isto acabar em relações OMC, daqui a um ano ainda vão estar a penar. Não sabem no que se metem…

      • Totalmente de acordo. Os ingleses não vão conseguir ter o que pretendem. Isso abriria uma enorme caixa de pandora. Vão ter de ser exemplo para qualquer outro país que queira sair. E duvido muito que o Reino Unido mantenha a evolução económica até aqui registada fora da UE. Acho mesmo impossível.

    • Não coincidem. E por isso é que as negociações estão muito complicadas e pode até nem haver acordo nenhum. Para Portugal não seria bom (turismo, exportações…). Mas pode acontecer.

  1. Espero bem que estou enganado. Mas porque é que eles não simplesmente fecham a porta? Só se pensam que a GB esteja numa ponte, ameaçando saltar.
    Bom, espero que ja sabem nadar, jó.
    Estive a ver quais os produtos ingleses que consumo. Só o carro, mas há alternativas.
    Daqui a uns anos, a libra já não vale nada e teremos que suportar as enfermeiras que regressam.
    Mas por ora aposto que fazem um acordo a última da hora

RESPONDER

Estudo do INSA aponta para redução de anticorpos três meses após infeção

A segunda fase do Inquérito Serológico Nacional (ISN) covid-19 alerta para a redução de anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 três meses após a infeção e defende a vacinação em pessoas anteriormente infetadas, segundo o relatório …

Pedido de insolvência pode levar a rutura operacional da empresa, diz Groundforce

A Groundforce considerou esta terça-feira que o pedido de insolvência apresentado pela TAP deixa a empresa em "total estrangulamento" e pode conduzir à sua rutura operacional, deitando por terra os esforços que têm sido feitos …

PJ faz buscas na Câmara de Torres Vedras para investigar contratos públicos

A Polícia Judiciária (PJ) está a efetuar, esta terça-feira, buscas na Câmara de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, no âmbito de três processos de contratação pública, confirmou à agência Lusa fonte oficial do município. A …

Henrique Araújo eleito presidente do Supremo Tribunal de Justiça

O magistrado Henrique Araújo, de 67 anos, foi eleito esta terça-feira presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Mas terá de abandonar o cargo quando completar os 70 anos. Os candidatos à presidência do Supremo Tribunal …

Pandemia fez duplicar ataques informáticos em Portugal

Os ataques informáticos contra entidades públicas e empresas quase duplicaram em 2020: registaram-se 1.418 incidentes graves, um aumento de 90%. O "Relatório Cibersegurança - Riscos e Conflitos 2021" do Observatório do Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS), …

Áustria deixará de administrar a vacina da AstraZeneca

A Áustria deixará de usar a vacina da AstraZeneca devido a problemas de entrega e à relutância da população à vacina, após decisões semelhantes tomadas pela Noruega e Dinamarca. "Provavelmente, continuaremos a administrar as primeiras doses …

Portugal com duas mortes e 386 novos casos de covid-19

Portugal registou esta terça-feira 386 novos casos de infeção por covid-19 e mais duas mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.  De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …

Audição a Nuno Vasconcellos por confirmar. Advogado avisou que a rede não é boa

A audição de Nuno Vasconcellos na comissão de inquérito ao Novo Banco, agendada para a próxima quinta-feira, ainda está por confirmar. No site do Parlamento, o agendamento previsto para a audição de Nuno Vasconcellos, antigo presidente …

Portugal com maior queda do PIB na União Europeia no primeiro trimestre

A economia da zona euro recuou 1,8% e a da União Europeia 1,7% no primeiro trimestre do ano, face ao período homólogo, com Portugal a apresentar a maior quebra, de 5,4%. De acordo com uma estimativa …

Corrida dos portugueses ao novo estatuto de imigrante entope consulados do Reino Unido

Mais de 380 mil portugueses já se candidataram ao novo estatuto de imigrante no Reino Unido, mas os postos consulares não estão a conseguir dar resposta a esta corrida. Segundo o jornal Público, os atrasos dos …