UE exportou 34 milhões de doses da vacina para fora do bloco. Farmacêuticas alertam para escassez de matérias-primas

A União Europeia exportou 34 milhões de doses para outros países. Na terça-feira, farmacêuticas e outros agentes do setor da saúde salientaram que a enorme quantidade de doses que serão necessárias para inocular a população mundial começa a provocar a escassez de algumas matérias-primas.

A Bloomberg avança que a União Europeia exportou 34 milhões de doses de vacina contra a covid-19 para outros países, incluindo 9,1 milhões de doses para o Reino Unido (o maior destinatário das exportações das vacinas da UE até 9 de março).

Até esse dia, foram exportadas 954 mil doses para os Estados Unidos, 3,9 milhões para o Canadá e cerca de um milhão de doses para o Reino Unido só na última semana. Foram enviadas 3,1 milhões de doses para o México e o Japão recebeu 2,7 milhões.

O documento distribuído aos embaixadores da UE, a que a Bloomberg teve acesso, mostra que o bloco exportou para 31 países, tendo autorizado 249 dos 258 pedidos de exportação.

Na terça-feira, mais de uma centena de farmacêuticas e outros agentes do setor da saúde alertaram que a enorme quantidade de doses que serão necessárias para inocular a população mundial começa a provocar a escassez de algumas matérias-primas para fabricar as vacinas.

Richard Hatchett, do ramo para a investigação da Aliança para as Vacinas (Gavi), disse que “as empresas anteveem para este ano uma produção de entre 10 mil e 14 mil milhões de doses de vacinas anticovid, quando, em anos normais, se fabricam entre 3.500 e 4.500 milhões de doses de todas as outras vacinas somadas”.

Citado pelo Público, o diretor-geral da Federação Internacional da Indústria Farmacêutica (IFPMA), Thomas Cueni, acrescentou que todas as empresas presentes na reunião renovaram o seu compromisso de aumentar a produção das doses de vacinas anticovid, apesar das dificuldades.

“Não devemos ficar surpreendidos se existirem dificuldades ao longo do percurso. São necessárias centenas de matérias-primas para fazer as vacinas. Isto vai inevitavelmente levar a problemas que terão de ser resolvidos com urgência”, referiu.

Ex-bastonário questiona falta de vacinas

O ex-bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Aranda da Silva, garantiu esta quarta-feira que o setor farmacêutico europeu e mundial apresenta capacidade excedentária de produção, numa altura em que vários países se debatem com escassez de vacinas.

“Como é que é possível falar-se em dificuldades na produção [de vacinas], quando se sabe que há capacidade excedentária, ao nível europeu e mundial”, questionou o antigo bastonário num debate sobre as vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 promovido pelos eurodeputados do Bloco de Esquerda, Marisa Matias e José Gusmão.

José Aranda da Silva, que foi administrador da Agência Europeia do Medicamento entre 1994 e 2000, salientou que várias farmacêuticas concretizam a “maior parte da sua produção em terceiros”, apontando o exemplo dos Estados Unidos, onde vacinas da Pfizer e da Moderna vão ser também produzidas em infraestruturas da Merck.

“Não se percebe o que anda a fazer na Europa a Comissão Europeia e a Presidência da União Europeia, que é portuguesa”, sublinhou o antigo bastonário, para quem as vacinas “são o instrumento público mais importante mesmo produzido por entidades privadas” no combate à covid-19.

“Há bens privados que, em certos momentos históricos, se tornam em bens públicos”, afirmou José Aranda da Silva, ao realçar que foi o investimento público de vários países que permitiu o “encurtamento do prazo” na investigação, na avaliação e na produção das vacinas contra a covid-19.

No debate virtual promovido pelo BE, o ex-presidente do Infarmed alertou ainda que, ao nível da produção das vacinas, um dos estrangulamentos tem a ver com o enchimento de frascos de pequeno volume.

“Isso podia ser feito em Portugal, que tem capacidade para fazer esse tipo de enchimento, o que permitiria encurtar, se isso fosse feito nos países europeus, a produção em alguns meses”, assegurou Aranda da Silva.

Segundo o farmacêutico, não se prevê, a médio prazo, o aparecimento de um medicamento específico para o vírus SARS-CoV-2, sendo também necessário que não se “fique focado nas vacinas das grandes companhias internacionais”, já que “há outras vacinas no mercado”.

Liliana Malainho, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberta a mais curta explosão de raios gama já observada

A nova descoberta destaca a necessidade de uma nova classificação de explosões de raios gama, não baseada apenas na sua duração. Uma equipa de cientistas descobriu uma rara emissão de raios gama, denominada GRB 200826A, relacionada …

O Projeto Galileu quer provar a existência de aliens através da tecnologia deixada para trás

Investigadores vão centrar o seu trabalho na procura de objetos físicos associados a equipamento tecnológico extraterrestre, em oposição às pesquisas anteriores que se focaram em sinais eletromagnéticos. Um grupo de investigadores de Universidade de Harvard está …

O tesouro dos Templários pode estar escondido debaixo de uma casa em Inglaterra

Um historiador inglês alega que um edifício histórico em Burton, em Inglaterra, é onde está escondido o lendário tesouro dos Templários. Existem várias lendas sobre um tesouro que alguns templários conseguiram esconder do rei francês Filipe …

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …