/

O vice-primeiro-ministro pediu, Elon Musk acedeu. Ucrânia tem agora “o melhor e mais resistente” serviço de Internet

dmoberhaus / Flickr

Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

A braços com uma guerra, a Ucrânia não está em condições de perder a sua capacidade de se ligar ao mundo. O vice-primeiro-ministro fez um pedido especial a Elon Musk e o empresário respondeu em poucas horas: o serviço da Starlink já está disponível no país.

Uma nação em luta em 2022 precisa de Internet. Mykhailo Fedorov, vice-primeiro-ministro e ministro da Transição Digital da Ucrânia, fez um pedido a Elon Musk no sábado: dar ao país “o melhor e mais resistente” serviço de Internet, a Starlink.

“Enquanto tenta colonizar Marte, a Rússia tenta ocupar a Ucrânia! Enquanto os seus foguetões chegam ao Espaço com sucesso, mísseis russos atacam a população ucraniana! Pedimos que providencie as estações Starlink à Ucrânia e se dirija aos russos sãos para recuarem”, apelou o governante, no Twitter.

A resposta não tardou. “O serviço Starlink está ativado na Ucrânia. Mais terminais a caminho”, respondeu o empresário sul-africano, cerca de dez horas após o tweet original.

Segundo o Interesting Engineering, a rede Starlink tem mais de 1.500 satélites atualmente em funcionamento que visam fornecer um serviço de Internet de alta velocidade em todo o mundo.

O sistema foi desenvolvido por Elon Musk com o objetivo de levar Internet eficaz de alta velocidade aos locais mais remotos do planeta. Agora, está ao serviço numa área em crise.

A Ucrânia parece ter ficado satisfeita com o gesto de Musk. “Obrigado, apreciem-na”, lê-se num tweet publicado na conta oficial do Estado ucraniano.

A Ucrânia está perante uma invasão militar, lançada por Vladimir Putin na passada quinta-feira. O território está a ser assolado, há já cinco dias, por bombardeamentos em várias cidades, incluindo a capital, Kiev.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional. Este domingo, representantes russos chegaram à cidade de Gomel, na Bielorrússia, onde vão negociar com o Governo ucraniano.

Volodymyr Zelensky adiantou que ambos os países em guerra iam reunir-se, esta segunda-feira, sem “pré-condições”. As perspetivas de sucesso são muito reduzidas do lado ucraniano, não se esperando avanços significativos na procura de paz.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.