Ucrânia e Rússia começam a negociar. Mercenários russos terão ordens para matar Zelensky

4

Chamila Karunarathne / EPA

Começam esta segunda-feira as negociações entre Ucrânia e Rússia. Haverá mais de 400 mercenários russos com ordens do Kremlin para matar Zelensky.

Representantes russos chegaram este domingo à cidade de Gomel, na Bielorrússia, onde vão negociar com o Governo ucraniano.

Inicialmente, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, rejeitou que as negociações decorressem no país, visto que não era um lugar neutro. Mais tarde, aceitou que o encontro acontecesse na fronteira da Bielorrússia com a Ucrânia.

As delegações dos dois países vão reunir-se nesta segunda-feira. “O local para as negociações entre a Rússia e a Ucrânia, na Bielorrússia, está pronto; aguarda-se a chegada das delegações”, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros bielorrusso esta manhã.

Zelensky adiantou que ambos os países em guerra iam reunir-se sem “pré-condições”. As perspetivas de sucesso são muito reduzidas do lado ucraniano, não se esperando avanços significativos na procura de paz, escreve o Público.

“Não acredito muito no desfecho deste encontro, mas deixemo-los tentar”, disse o Presidente ucraniano.

Esta madrugada voltou a ficar marcada por novos bombardeamentos em Kiev, assim como uma ameaça nuclear feita na véspera pelo Presidente russo, Vladimir Putin.

As exigências russas passam pela completa “desmilitarização” da Ucrânia, a renúncia à adesão na NATO e a adoção de um estatuto de Estado “neutral” no Leste europeu.

O facto de a Bielorrússia ser um aliado russo e ter servido de base logística para a ofensiva das tropas russas no norte da Ucrânia também levanta algumas preocupações.

A Bielorrússia aprovou, em referendo, uma emenda constitucional que legaliza a presença do exército russo no país e o abrigo de armas nucleares no seu território. Isto pode fazer com que a Rússia abrigue parte do seu arsenal nuclear na Bielorrússia.

Nem o apelo de Zelensky foi suficiente para travar a aprovação em referendo. “Hoje vocês decidem como irão olhar nos olhos das vossas crianças e como irão olhar nos olhos dos vossos vizinhos. Nós, ucranianos, somos vossos vizinhos”, disse o Presidente ucraniano.

À CNN Portugal, Azeredo Lopes diz que o objetivo das negociações só pode ser um cessar-fogo da parte da Ucrânia: “Tanto é assim que Zelensky admitiu que nem sequer se deslocaria à Bielorrússia porque considerava que não seria possível uma negociação enquanto a Rússia estivesse a atacar”.

Moscovo quer encontrar “um acordo” durante as conversações com Kiev disse o negociador russo e conselheiro do Kremlin, Vladimir Medinski, no quinto dia da campanha de invasão da Rússia da Ucrânia.

“A cada hora que o conflito se prolonga, são os cidadãos e os soldados ucranianos que morrem. Concordamos em chegar a um acordo mas deve ser do interesse das duas partes”, disse Medinski à televisão russa.

A delegação ucraniana chegou ao local das negociações com a exigir um cessar-fogo “imediato” e a retirada das tropas russas, anunciou a presidência da Ucrânia.

“A delegação ucraniana chegou à área da fronteira Ucrânia-Bielorrússia para participar nas negociações”, informou a presidência em comunicado. “A questão chave é um cessar-fogo e a retirada das tropas do território ucraniano”.

Mercenários com ordens para matar Zelensky

Mais de 400 mercenários russos terão ordens do Kremlin para assassinar o presidente ucraniano e membros do seu governo, avança o jornal britânico The Times.

O Grupo Wagner, uma milícia privada dirigida por um dos aliados mais próximos de Putin, trouxe mercenários de África para deitar por terra o Governo ucraniano em troca de dinheiro.

Informações sobre a missão chegaram ao Governo ucraniano na manhã de sábado e horas depois, Kiev declarou recolher obrigatório de 36 horas de forma a procurar pelos mercenários russos.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram pelo menos 352 civis, incluindo crianças, segundo Kiev.

A ONU deu conta de perto de 370 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

  Daniel Costa, ZAP //

4 Comments

  1. Vamos negociar mas mandamos uns mercenários na mesma!
    Putin não passa de um psicopata assassino que não honra acordos alguns, e o mundo deixou que esse psicopata se armasse até aos dentes durante décadas!
    Esperavam que putin mudasse?
    Enquanto o dinheiro continuar a falar mais alto nada mudará!

  2. Andas a viajar de mais pá.
    Quem quebrou os acordos foram os outros, que +prometeram que nunca avançariam para leste. Vê lá onde há armamento nuclear agora e depois fala.

    Só acontece isto porque está tudo de joelhos perante os assassinos de todo o povo indígena da América do Norte

    • Qual será o nível de insanidade de alguém para, estando a Ucrânia a ser invadida e bombardeada pela Russia, vir falar de americanos (etc)?!
      Enfim…
      A Ucrânia não fez absolutamente nada que justifique isto, muito menos vindo de um país com um ditador sanguinário como o Putin que nem o seu povo respeita, quanto mais o resto do mundo!…

  3. Com Putin ninguém negoceia, Putin impõe as suas ideias, quem aceitar fica automaticamente sob a sua alçada, quem não aceitar é metralhado até à morte!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.