Do “ditador” ao “racismo flagrante”. Turquia e Israel trocam insultos

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

O primeiro-ministro israelita atacou na terça-feira o Presidente turco depois de o porta-voz do Governo da Turquia ter classificado como “racismo flagrante” as declarações daquele sobre Israel ser apenas um Estado-nação do povo judeu.

“O ditador da Turquia, [Recep Tayyip] Erdogan, ataca a democracia de Israel enquanto jornalistas e juízes enchem as suas prisões. Que piada!”, declarou Benjamin Netanyahu, através de um comunicado difundido pelos seus serviços.

O chefe do Governo israelita afirmou que em Israel “ninguém é cidadão de segunda” e garantiu que o país “é uma democracia, em que todos os israelitas, incluindo os quase dois milhões de cidadãos árabes, desfrutam dos mesmos direitos individuais”.

A polémica resultou de declarações feitas por Netanyahu no domingo passado, em que afirmou que “Israel não é um Estado de todos os seus cidadãos”. Em resposta a críticas da conhecida modelo israelita Rotem Sela, Netanyahu escreveu nas redes sociais: “De acordo com a Lei Básica que aprovámos, Israel é o Estado-nação do povo judeu, e apenas seu”.

O porta-voz do executivo turco, Ibrahim Kalin, condenou na terça-feira, na sua conta na rede social Twitter, as declarações do primeiro-ministro israelita, a quem acusou de “racismo flagrante” e “discriminação”.

E acrescentou: “1,6 milhões de árabes/muçulmanos vivem em Israel. Os governos ocidentais vão reagir ou guardar silêncio novamente, sob pressão?”.

As declarações de Netanyahu, feitas em período pré-eleitoral, valeram-lhe várias críticas, designadamente de atrizes e modelos, como Gal Gadot, a “Mulher-Maravilha”, e provocou uma forte polémica no país. A Lei do Estado-Nação, aprovada em 2018 em Israel e qualificada como racista, outorga o direito à autodeterminação apenas ao povo judeu e retira o estatuto de língua cooficial ao árabe.

Cerca de 20% da população israelita são cidadãos árabes com nacionalidade israelita, na sua maioria palestinianos que ficaram dentro das fronteiras de Israel depois da sua criação em 1948 e seus descendentes, um grupo que se considera discriminado e que os setores mais extremistas consideram uma ameaça para a identidade judia de Israel.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que esses 20% de árabes com cidadania israelita permaneceram em Israel? Por que não foram para junto dos seus compatriotas para lutar por não sei o quê? Resposta possível: porque Israel é um país altamente respeitável, uma verdadeira democracia, uma nação trabalhadora e próspera, um lugar em que todas as pessoas que desejarem se integrar ao modo de vida progressista têm espaço. Façam uma pesquisa honesta e séria sobre os avanços tecnológicos, médicos, sociais, agrícolas, econômicos etc. etc. etc. de Israel. Ficarão de queixo caído.

RESPONDER

Morreu Marie Fredriksson, vocalista dos Roxette

A cantora sueca Marie Fredriksson, dos Roxette, morreu segunda-feira aos 61 anos, anunciou esta terça-feira a sua manager em comunicado. Marie Fredriksson, vocalista e co-fundadora da banda Roxette, faleceu esta segunda-feira, aos 61 anos. A morte …

Taxa de sucesso no ensino profissional atinge os 63%. É o valor mais alto de sempre

No ano letivo de 2017/2018, 63% dos alunos inscritos no ensino profissional concluíram os seus cursos no tempo previsto, mais dez pontos percentuais do que quatro anos antes, avança o jornal Público. De acordo com um …

Regra para filhos de pais separados em casas alternadas divide partidos

A lei já prevê que os filhos de pais separados possam ficar em residência alternada se o tribunal assim o decidir. Porém, as regras não são claras e vai ser discutida a melhor forma de …

Helicóptero do INEM avariou durante missão. Vítima que ia socorrer acabou por morrer

Um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), localizado em Loulé, teve uma avaria a meio de uma missão de socorro, sendo obrigado a abortar a viagem que visava ajudar uma mulher de 22 …

Águas do Porto alerta para cobranças fraudulentas porta a porta

A empresa municipal Águas do Porto alertou, esta segunda-feira, para uma fraude que está a ser cometida em seu nome com falsos funcionários que tentam fazer cobranças à porta. De acordo com a Águas do Porto, …

Um terço dos universitários de Lisboa já sofreu violência sexual física

Um terço dos estudantes universitários da área metropolitana de Lisboa já foi vítima de violência sexual física pelo menos uma vez, mas são muitos poucos os que denunciam as agressões, raramente o fazendo à …

OE2020: Esquerda vai negociar "até ao último minuto". PSD não comenta eventual traição madeirense

O Governo apresentou, nesta terça-feira, na Assembleia da República, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) aos partidos com representação parlamentar. Dos encontros, não saiu fumo branco, com o Bloco …

Turismo fez subir o custo de vida dos portugueses. Salários continuam estagnados

O crescimento do turismo em Portugal fez crescer o custo de vida dos portugueses, especialmente nos que vivem nas grandes cidades, apesar de estes continuarem com os salários estagnados, escreve o Jornal de Notícias. Entre 2013 …

Contrato público. Amazon apresenta queixa em tribunal contra Trump

A Amazon revela que os "insistentes ataques públicos e de bastidores" de Donald Trump contra Jeff Bezos causaram "pressão" que levou à perda de contrato público com o Departamento de Defesa.  A Amazon apresentou uma queixa …

Empurrões, insultos e (talvez) um murro: Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro perderam as estribeiras no túnel do Jamor

Os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro, desentenderam-se no túnel de acesso ao relvado do Estádio Nacional, ao intervalo do jogo em que as duas equipas empataram a uma bola. …