Do “ditador” ao “racismo flagrante”. Turquia e Israel trocam insultos

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

O primeiro-ministro israelita atacou na terça-feira o Presidente turco depois de o porta-voz do Governo da Turquia ter classificado como “racismo flagrante” as declarações daquele sobre Israel ser apenas um Estado-nação do povo judeu.

“O ditador da Turquia, [Recep Tayyip] Erdogan, ataca a democracia de Israel enquanto jornalistas e juízes enchem as suas prisões. Que piada!”, declarou Benjamin Netanyahu, através de um comunicado difundido pelos seus serviços.

O chefe do Governo israelita afirmou que em Israel “ninguém é cidadão de segunda” e garantiu que o país “é uma democracia, em que todos os israelitas, incluindo os quase dois milhões de cidadãos árabes, desfrutam dos mesmos direitos individuais”.

A polémica resultou de declarações feitas por Netanyahu no domingo passado, em que afirmou que “Israel não é um Estado de todos os seus cidadãos”. Em resposta a críticas da conhecida modelo israelita Rotem Sela, Netanyahu escreveu nas redes sociais: “De acordo com a Lei Básica que aprovámos, Israel é o Estado-nação do povo judeu, e apenas seu”.

O porta-voz do executivo turco, Ibrahim Kalin, condenou na terça-feira, na sua conta na rede social Twitter, as declarações do primeiro-ministro israelita, a quem acusou de “racismo flagrante” e “discriminação”.

E acrescentou: “1,6 milhões de árabes/muçulmanos vivem em Israel. Os governos ocidentais vão reagir ou guardar silêncio novamente, sob pressão?”.

As declarações de Netanyahu, feitas em período pré-eleitoral, valeram-lhe várias críticas, designadamente de atrizes e modelos, como Gal Gadot, a “Mulher-Maravilha”, e provocou uma forte polémica no país. A Lei do Estado-Nação, aprovada em 2018 em Israel e qualificada como racista, outorga o direito à autodeterminação apenas ao povo judeu e retira o estatuto de língua cooficial ao árabe.

Cerca de 20% da população israelita são cidadãos árabes com nacionalidade israelita, na sua maioria palestinianos que ficaram dentro das fronteiras de Israel depois da sua criação em 1948 e seus descendentes, um grupo que se considera discriminado e que os setores mais extremistas consideram uma ameaça para a identidade judia de Israel.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que esses 20% de árabes com cidadania israelita permaneceram em Israel? Por que não foram para junto dos seus compatriotas para lutar por não sei o quê? Resposta possível: porque Israel é um país altamente respeitável, uma verdadeira democracia, uma nação trabalhadora e próspera, um lugar em que todas as pessoas que desejarem se integrar ao modo de vida progressista têm espaço. Façam uma pesquisa honesta e séria sobre os avanços tecnológicos, médicos, sociais, agrícolas, econômicos etc. etc. etc. de Israel. Ficarão de queixo caído.

RESPONDER

Erro clínico. Centenas de hóspedes em quarentena em hotel da Austrália vão ter de fazer teste ao VIH

Centenas de pessoas que estiveram em quarentena no hotel Victoria, na Austrália, vão ter de fazer o teste de doenças transmitidas pelo sangue, incluindo VIH, devido a um erro dos profissionais de saúde daquele local …

Forças Armadas dos EUA estão a adquirir coletes à prova de bala adaptados para mulheres

As Forças Armadas dos EUA estão a dar grandes passos no que diz respeito à igualdade de género. A instituição está a começar a mudar os seus coletes à prova de bala, de forma a …

Abstenção do PCP no OE2021? É um excelente indicador, diz Costa

O primeiro-ministro, António Costa, considerou um “excelente indicador” o PCP ter anunciado a abstenção no Orçamento do Estado de 2021 (OE2021) e resultado de um entendimento “para ter um bom orçamento para o próximo ano”. “É …

Egito abre restaurante com vista de luxo para as pirâmides de Gizé

O Egito inaugurou um novo restaurante com vista panorâmica para as pirâmides. O investimento faz parte de uma tentativa de reavivar o turismo no país. O Egito revelou novas instalações para os visitantes no planalto nas …

Novo recorde. Portugal regista mais 3.669 casos de covid-19

Portugal regista este sábado 3.669 novos casos de infeção com o novo coronavírus, responsável pela covid-19, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e mais 21 mortes relacionadas com a covid-19, segundo …

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …