Trump é “um génio muito estável” (e é o próprio que o diz)

gageskidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O Presidente dos EUA voltou a reagir às acusações do livre “Fire and Fury”, do jornalista Michael Wolff.

Através de uma publicação no Twitter, Donald Trump reagiu, mais uma vez, ao polémico livro de Michael Wolff, “Fire and Fury”, que descreve o Presidente dos EUA como um indivíduo mentalmente instável, segundo o ex-assessor Steve Bannon.

“Ao longo da minha vida, os meus dois maiores ativos foram estabilidade mental e ser, tipo, mesmo esperto”, disse numa série de três tweets.

“Parti de ser um MUITO bem-sucedido empresário para me tornar numa estrela de televisão de topo e ser Presidente dos EUA (na minha primeira tentativa). Penso que isso significa ser não esperto, mas um génio… e um génio muito estável!“, lê-se ainda.

Tillerson diz que nunca duvidou da “capacidade mental” de DonaldTrump

O livro do jornalista Michael Wolff “Fire and Fury: Inside the Trump White House” (Fogo e Fúria: Dentro da Casa Branca de Trump) fez manchetes e alcançou o topo da lista de vendas da Amazon hoje, dia em que foi publicado, relançando o debate sobre a personalidade instável do dirigente da principal potência mundial.

Nunca pus em causa a sua aptidão mental, não tenho qualquer razão para duvidar da sua capacidade mental”, declarou Rex Tillerson, numa entrevista à estação televisiva CNN hoje transmitida.

“Ele não é como os presidentes anteriores, e também foi por essa razão que os americanos o escolheram, queriam uma mudança, e eu aprendi, ao longo do ano, a melhorar as minhas relações com o Presidente, a fim de lhe dar as informações de que ele precisa para tomar boas decisões”, prosseguiu o secretário de Estado, que nunca negou pessoalmente ter chamado “imbecil” ao Presidente, em privado, no verão passado, embora a sua porta-voz o tenha feito.

Através de muitos testemunhos, na maioria anónimos e classificados pelo Presidente como fantasiosos, o autor do livro descreve um executivo disfuncional e um chefe de Estado alérgico à leitura, muitas vezes fechado nos seus aposentos a partir das 18:30, com os olhos cravados nos seus três ecrãs de televisão, multiplicando os telefonemas para um pequeno grupo de amigos, sobre quem verte “um dilúvio de recriminações” que vão desde a desonestidade da imprensa à falta de lealdade da sua equipa.

Todo o seu gabinete, segundo o autor, se interroga sobre a sua capacidade para governar, como declarou hoje numa entrevista concedida à televisão NBC.

Dizem que ele é como uma criança. O que querem dizer é que ele precisa de ver imediatamente satisfeitos os seus pedidos. Tudo gira em torno dele”, afirmou Michael Wolff.

“Ele é como uma esfera de ‘flipper’, dispara em todas as direções”, acrescentou, contando como, por exemplo, Trump repete as mesmas histórias “três vezes em dez minutos”, uma tendência também observada nas suas intervenções públicas.

Tais críticas a Donald Trump, de 71 anos, não são totalmente novas, mas o autor deste livro vem engrossar as fileiras onde já pontificavam, desde 2015 e 2016, a democrata Hillary Clinton e alguns republicanos.

Mais recentemente, o senador John McCain qualificou o septuagenário como “mal informado” e “impulsivo”.

Por sua vez, o presidente da comissão de Negócios Estrangeiros do Senado, Bob Corker, comparou a Casa Branca a uma “creche para adultos“. “Sei de fonte segura que todos os dias, na Casa Branca, o objetivo é detê-lo”, declarou, em outubro passado.

Trump está furioso com a imprensa, que ele considera ser-lhe irremediavelmente hostil.

“Agora que se provou que o conluio com a Rússia é uma farsa completa e que a única conspiração existente foi entre Hillary Clinton e o FBI/Rússia, a imprensa ‘fake news’ e este novo livro falso atacam em todas as frentes imagináveis. Eles deviam tentar ganhar uma eleição. Triste!”, escreveu hoje o Presidente na rede social Twitter.

No Congresso, a questão do estado psicológico de Trump é cada vez menos um tabu: mais de uma dezena de representantes democratas (e um republicano) consultou em dezembro uma psiquiatra da Universidade de Yale que se interroga publicamente sobre a degradação mental do chefe de Estado.

“Risível”, reagiu a porta-voz da Casa Branca.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. A degradação mental do homenzinho parece real. E isso é verdadeiramente perigoso. Mete medo. Assusta. É-me mais fácil dizer isso do que sugerir que ele, Trump, apenas reflecte a alma da sua gente, o sentido medieval da existência, o conceito de SER e de VIDA que para eles é igual a IGNORÂNCIA, FORÇA BRUTA, PODER, onde uma espécie de terceiro mundo prevalece, enquanto uma minoria de Homens Bons tenta, ao nível do saber e do conhecimento, equilibrar aquele país a que chamam U.S.A.
    Há que não esquecer que se Trump foi eleito, à maioria dos norte-americanos o deve.

    • Mas como é que o país mais rico do mundo é uma espécie de terceiro mundo? A diferença é que as pessoas estão atentas aos EUA e não aos verdadeiros países de terceiro mundo. Além disso não é a primeira vez que este autor faz livros com informações falsas. Foi só para vender e as pessoas acreditam.

      A minha sugestão é de questionar a opinião dos media porque só têm estado a difamar aqueles que não seguem as suas ideologias e a espalhar notícias que já foram confirmadas falsas. Trump pode ter os seus problemas só que uma pessoa que se tornou milionária e presidente não pode ter degradação mental como os media querem fazer entender. É mais uma tentativa de difamação que no fim teve o efeito contrário. Estas tentativas de ataques ridículas a Trump só estão a aumentar a sua popularidade.

      • Caro Emanuel,
        ser ou não ser o país mais rico do mundo, há que se ter em conta o ponto de vista pelo qual a questão é analisada.
        O mesmo se poderá (e deverá) fazer quanto ao (sub)desenvolvimento da mentalidade geral do seu povo. E foi em referência a isso que falei em terceiro mundo.
        Bom domingo.

        • Os EUA têm algumas das pessoas mais inteligentes do mundo. Também tem montes de gente pouco inteligente e que por acaso são mais mais visíveis. Todos os países têm. A única diferença é que se fala mais nos EUA. Parece-me que está a subestimar a capacidade intelectual dos americanos.

          Bom domingo.

          • Estou, sim, a subestimar a capacidade intelectual dos americanos. Mas penso que deixei claro, no primeiro comentário, que no seu seio, «uma minoria de Homens Bons tenta (…) equilibrar aquele país».

      • Não sejas ridículo lol
        Trump é um anormal, burro, e pior, tem a mania da superioridade porque conhece bem as suas fragilidades, este comportamento dele é apenas um mecanismo de contrariar a realidade.
        Mas a realidade é esta, Trump é um cepo!

        • O que é mais ridículo? Achar que uma pessoa que se tornou milionário e presidente e que o seu trabalho até esta a correr bem é um anormal, burro e com mania de superioridade ou achar que Trump é um cepo sem qualquer argumento válido? Se calhar melhor era olhar para a política dele em vez de criticar o homem.

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …