Trump destrói base Síria para vingar ataque químico. Putin fala em agressão

Os EUA lançaram dezenas de mísseis de cruzeiro contra uma base aérea na Síria, no primeiro ataque directo contra o regime de Bashar al-Assad desde que começou a guerra civil. A Rússia, aliada de Assad, fala numa “agressão”.

O ataque dos EUA à Síria surge na sequência do bombardeamento com armas químicas contra uma localidade no norte da Síria, que matou mais de 80 civis na terça-feira.

O exército norte-americano disparou 59 mísseis “Tomahawk” contra a base aérea de Shayrat, em Homs, de onde o Governo norte-americano acredita que partiram os caças que executaram os ataques aéreos contra civis, de acordo com fontes militares.

Todos os aviões militares estacionados em Shayrat estão inoperacionais. Podemos dizer que a base completamente destruída”, disse um funcionário da base militar Síria citado pela Sputnik News.

Os números da agência oficial síria Sana apontam para nove civis mortos, entre os quais quatro crianças, e sete feridos. O governador da província de Homs disse que o ataque matou três soldados e dois civis.

Já o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH, oposição), com sede em Londres, referiu que o ataque matou quatro soldados, incluindo um general.

A decisão de Donald Trump de tomar medidas de forma unilateral contra o Governo sírio está a provocar incómodo na Rússia, numa altura em que decorrem conversações no Conselho de Segurança da ONU. Mas até agora, o grupo continua muito dividido e ainda não tomou uma resolução sobre a situação.

Putin classifica ataque dos EUA como “agressão”

O presidente russo já classificou o ataque como “uma agressão” com um “pretexto inventado” e disse que a acção de Washington prejudica as relações entre os dois países.

Vladimir Putin “considera que os ataques norte-americanos na Síria são uma agressão contra um Estado soberano e uma violação do direito internacional, já que aconteceram sob um pretexto inventado”, disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O Presidente russo “vê nos ataques uma intenção por parte dos Estados Unidos de desviar a atenção da comunidade internacional das múltiplas vítimas entre a população civil no Iraque”, onde as tropas norte-americanas lideram uma operação militar contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), acrescentou o porta-voz.

A Rússia já pediu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas “para discutir a situação”, conforme disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo através de comunicado.

O chefe da diplomacia russa acrescenta que os ataques dos Estados Unidos constituem “uma ameaça à segurança internacional”.

A Rússia também anunciou que vai suspender o acordo com os EUA para prevenir incidentes aéreos sobre a Síria. Os russos têm dezenas de aviões de guerra e baterias antiaéreas na sua base naquele país.

As Forças Armadas russas também indicaram que o ataque dos EUA sobre Shayrat destruiu seis caças sírios estacionados nas instalações e que apenas 23 dos 59 mísseis lançados atingiram o espaço militar.

Alemanha, França e Reino Unido ao lado de Trump

Entretanto, a comunidade internacional vai reagindo ao ataque. Portugal anunciou que “compreende” os aliados que actuam em retaliação a “crimes de guerra”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Também em França e Alemanha, François Hollande e Angela Merkel se manifestam ao lado dos EUA, considerando que o presidente sírio, Bachar al-Assad, tem a “inteira responsabilidade” pelos ataques norte-americanos.

Numa declaração conjunta, Hollande e Merkel consideram que o presidente Assad “tem responsabilidades devido ao uso repetido de armas químicas e pelos crimes contra o seu povo”. Os dois líderes apelaram ainda à comunidade internacional para “uma união de forças para uma transição política na Síria, de acordo com a resolução da ONU”.

Também o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, acusa o regime sírio de ter “a responsabilidade total pelo ataque químico de terça-feira, considerando que “qualquer uso de armas químicas é inaceitável e não pode ser ignorado”.

O Governo britânico anunciou igualmente, que “apoia plenamente a acção dos Estados Unidos”, com um porta-voz de Theresa May a realçar que é “uma resposta apropriada ao ataque bárbaro com armas químicas realizado pelo regime sírio”.

Por outro lado, o Irão condenou “vigorosamente” os bombardeamentos norte-americanos e a China pede para que seja evitada uma “nova deterioração da situação” na Síria.

Mas um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês sublinhou que o país se opõe “ao uso de armas químicas, por qualquer país, organização, ou indivíduo, sejam qual forem as circunstâncias e objectivos”.

O comando do exército da Síria acusou os Estados Unidos de se tornarem “num aliado de terroristas”, nomeadamente do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e da Frente Al-Nosra, nome que usava a actual Frente de Conquista do Levante até que se desligou da rede terrorista Al-Qaida, em Julho passado.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Pela primeira vez, apoio o Trump nesta decisão. E só é pena não ter feito o mesmo em Moscovo para acabar de vez com essa escumalha russa.

  2. matar com armas químicas é impensável, uma atrocidade, crime contra a humanidade; deve-se matar é com bombas apenas, de preferencia, drones. Os EUA “retaliaram”, sou eu que estou confuso ou o significad de “retaliação” mudou? Os sírios bombardearam os EUA para estes terem retaliado?

  3. Mais um pretexto inventado pelos americanos para espalharem o seu terror imperialista!

    Só é pena que os americanos não tenham a mesma preocupação com o Tibete invadido e subjugado pela china, com Taiwan, etc.

    Bater nos fracos é fácil.

    Coitado do povo Sírio, leva pancada de todos os lados!

  4. Éu só contra violencia e nego esta pratica de donald trump,pelo que éu saiba é que trump nos ultimos dias tém procurado 1 adversario para testar as suas qualidade militar.É um absurdo

RESPONDER

Taiwan vende vacinas da AstraZeneca a 17 euros para evitar que expirem

Com lotes da vacina da AstraZeneca em risco de expirarem, devido a resistência à sua toma entre grupos prioritários, Taiwan começou esta segunda-feira a administrá-las a qualquer pessoa, por 17 euros. Horas depois de o sistema …

Mourinho: "Não preciso de fazer uma pausa, estou sempre no futebol"

O treinador português disse, esta segunda-feira, que "não necessita de fazer uma pausa", após deixar o comando técnico do Tottenham, e frisou estar "sempre no futebol". Embora não se tenha alongado muito, José Mourinho falou pela …

Regime sírio acusado de crimes contra a humanidade na Suécia

Quatro organizações não-governamentais apresentaram uma queixa junto da polícia da Suécia contra altos responsáveis do regime sírio por crimes contra a humanidade pelos ataques com armas químicas na Síria, em 2013 e 2017. A queixa foi …

Portugal, Lituânia e Malta são os únicos países da UE sem 5G

Portugal, Lituânia e Malta são os únicos países na União Europeia (UE) que ainda não têm qualquer oferta comercial de 5G, revelou o último relatório trimestral do Observatório Europeu do 5G, um organismo da Comissão …

Jair Bolsonaro diz que quem votar em Lula da Silva "merece sofrer"

No mês passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que Lula da Silva pode voltar a candidatar-se à presidência do Brasil e Jair Bolsonaro, o atual presidente do país, considera que quem votar em Lula "merece …

Covid-19. Plano Nacional inclui testes em centros comerciais ou empresas

O Plano Nacional para a Testagem Massiva prevê a realização generalizada de testes para deteção precoce do coronavírus, passando a estar disponível em centros comerciais, estações de transportes públicos ou empresas, e podendo pode ser …

Seul vai aceitar descarga de água radioativa de Fukushima (se o Japão cumprir certas condições)

A Coreia do Sul aceitará, caso sejam cumpridas algumas condições, o plano do Governo japonês para despejar gradualmente no mar águas tratadas, mas ainda radioativas, da central nuclear destruída de Fukushima, segundo o Governo sul-coreano. O …

CDS vai apresentar projeto sobre enriquecimento ilícito. PSD só apoia medida que seja "eficaz e constitucional"

O CDS-PP vai apresentar no Parlamento um projeto sobre o enriquecimento ilícito, anunciou o presidente do partido esta terça-feira, antecipando que a iniciativa se debruçará sobre o poder político, o poder judicial e o funcionamento …

Deputada Cristina Rodrigues propõe campanha contra pirataria de jornais

A deputada não inscrita Cristina Rodrigues recomendou, esta segunda-feira, ao Governo a divulgação de uma campanha nacional que promova o combate à pirataria de jornais e revistas e que aumente a fiscalização relativa ao crime …

Fuga a notificações judiciais deixa 15 mil pessoas à margem da lei

A Direção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ) divulgou uma lista com 15.178 nomes de cidadãos e gerentes de empresas procurados por não prestarem contas dos crimes cometidos. Dessa lista, 7900 são homens, 1401 mulheres, 5665 pessoas …