Venezuela, promessas e (muitos) elogios: Trump e Bolsonaro foram feitos um para o outro

Chris Kleponis / EPA

Não faltaram sorrisos, elogios nem promessas de cooperação. Os Presidentes das duas maiores economias da América concentraram as atenções na Venezuela. Enquanto Trump prometeu dar apoio à entrada do Brasil na OCDE e na NATO, Bolsonaro diz que regressa ao seu país com a sensação de missão cumprida.

Uma conversa de 20 minutos na Sala Oval e um almoço na sala de jantar da Casa Branca serviram para estreitar as relações entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Por breves momentos, a Sala Oval mascarou-se de campo de futebol, enquanto as duas equipas – neste caso, os representantes das duas maiores economias da América – trocavam camisolas: Donald Trump ofereceu a Jair Bolsonaro uma camisola da seleção norte-americana, enquanto que o seu homólogo lhe retribuiu o gesto com uma camisola da “canarinha” com o número 10 e o nome de Trump, adianta o Público.

Os chefes de Estado assinaram vários acordos de parcerias económicas e militares, como é habitual neste tipo de encontros. Mas o que saltou à vista de todos foi o facto de terem emergido como aliados ideologicamente alinhados: “Pensamos de forma muito parecida”, disse Trump na conferência de imprensa. Bolsonaro concordou: “Temos muita coisa em comum”.

Ainda assim, foi a crise na Venezuela que mais se destacou nesta reunião, um tema que une ainda mais os dois líderes conservadores e apoiantes do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, que se declarou Presidente interino do país.

Batizando Nicolás Maduro de “marioneta do Governo cubano”, Trump agradeceu a Bolsonaro o apoio aos opositores do Presidente venezuelano e anunciou a “hora do crepúsculo do socialismo” no continente.

Trump prometeu também ao Presidente brasileiro apoio na entrada do Brasil na OCDE e uma sugestão inesperada de integração na NATO.  “Temos um aliado especial fora da NATO e, quem sabe, dentro da NATO”, disse o Presidente norte-americano, crítico da Aliança Atlântica.

Segundo o diário, na véspera deste encontro, as comitivas dos dois países anunciaram um acordo que permite aos Estados Unidos a utilização da base militar de Alcântara, no Maranhão, para fazer testes de lançamentos espaciais.

Com a presidência de Jair Bolsonaro inaugura-se um novo capítulo nas relações do país com os Estados Unidos – e é o próprio que o afirma, voltando a apontar o dedo aos seus antecessores. “É tempo de superar os velhos vácuos. Hoje, o Brasil não tem um Presidente anti-americano, caso inédito nas últimas décadas.”

“Brasil está a postos” para intervenção na Venezuela

No que diz respeito à crise venezuelana, “todas as opções estão em aberto” para Donald Trump, incluindo uma intervenção militar. Ao seu lado, Bolsonaro concordou e afirmou: “o Brasil está a postos”.

Trump não deu prazos para que a crise se resolva, e Bolsonaro despistou o assunto afirmando que uma eventual intervenção militar se trata de “uma questão estratégica, com ações sigilosas, e as questões estratégicas deixam de o ser se forem divulgadas“.

“Pedimos aos militares da Venezuela que parem de apoiar Maduro, que não é mais do que uma marioneta de Cuba. O ocaso do socialismo chegou ao mundo ocidental e ao nosso país também”, sublinhou o Presidente dos Estados Unidos. Por sua vez, Bolsonaro destacou o esforço do Brasil no envio de alimentos e de outros produtos de primeira necessidade aos venezuelanos por meio da fronteira com o estado do Roraima.

Contudo, ao não descartar o apoio a uma eventual intervenção militar na Venezuela, Bolsonaro inicia uma guerra com o seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão, que já se declarou contra essa decisão, lembra o Diário de Notícias.

Trump quer Brasil como aliado na NATO

Donald Trump afirmou que deseja ter o Brasil como um aliado dentro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), organização militar comum de defesa, que conta com 29 países-membros.

“Tenho a intenção de designar o Brasil como um aliado especial fora da NATO e até mesmo como um aliado dentro da NATO. Isso poderia melhorar nossa cooperação. As nossas nações estão a trabalhar juntas para proteger o povo do terrorismo do crime transnacional e do tráfico de drogas, armas e pessoas, algo que é prioridade”, disse Trump.

O Brasil poderá assim tornar-se no segundo país da América Latina, depois da Argentina, e apenas o décimo oitavo país do mundo a obter o estatuto especial de aliado militar estratégico dos EUA fora da NATO.

Uma troca de elogios (e um apoio na entrada na OCDE)

Ao longo de toda a conferência de imprensa, Trump elogiou o percurso de Bolsonaro, tanto durante a campanha eleitoral como já no cargo de Presidente, declarando que os dois países têm “valores em comum”, como a importância da “família”, e a “fé no país”.

Donald Trump lembrou que os EUA foram o primeiro país a apoiar a independência do Brasil e que na segunda guerra mundial aquele país apoiou os EUA no conflito, acrescentando que os dois chefes de Estado pensam “de forma muito parecida”, referindo o apoio brasileiro ao povo venezuelano.

“Conversámos muito das nossas prioridades mútuas. O Brasil tem sido um líder extraordinário para ajudar o povo da Venezuela. Junto com os EUA, o Brasil foi um dos primeiros a reconhecer Juan Guaidó como presidente interino”, lembrou. “Expresso a minha gratidão profunda ao Presidente Bolsonaro pelo Brasil ter permitido a passagem de ajuda humanitária para os venezuelanos pelo território brasileiro.”

O governante dos EUA manifestou-se também acerca do acordo, firmado nesta segunda-feira, que permite aos Estados Unidos da América o lançamento de satélites a partir da base de Alcântara, no Estado brasileiro do Maranhão. “Depois de 20 anos de conversações, finalmente terminamos o acordo para lançamento de satélites. Economizaremos dinheiro com isso”, frisou Trump.

No início do encontro na Casa branca, o chefe de Estado norte-americano afirmou ainda que apoia a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). “Eu estou a apoiar os esforços deles [brasileiros] para entrar na OCDE”, disse Trump, ao lado de Bolsonaro, sem dar mais detalhes sobre o assunto.

Bolsonaro e a “sensação de missão cumprida”

Jair Bolsonaro saiu dos Estados Unidos com “a sensação de missão cumprida”. O Presidente do Brasil acrescentou ainda que a sua deslocação aos Estados Unidos produziu avanços nas áreas económica, de segurança e na política externa.

“Deixámos a América com a sensação de missão cumprida. Avanços importantes foram alcançados na área económica, de segurança e política externa, bem como a consolidação do novo caminho de forte amizade entre Brasil e Estados Unidos. Vamos cooperar para o bem dos nossos povos”, afirmou Bolsonaro no Twitter.

Após o encontro com o seu homólogo norte-americano, Bolsonaro declarou que alguém precisava de tomar a iniciativa e “estender a mão”, referindo-se à decisão unilateral do Brasil de dispensar o visto de entrada no país para os norte-americanos. “Alguém tinha de estender a mão e fomos nós. Creio que podemos ganhar muito na questão do turismo.”

Segundo Bolsonaro, citado pela Agência Brasil, nenhum norte-americano vai ao Brasil atrás de emprego, embora “o contrário exista”. Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil anunciou outros compromissos comerciais firmados entre os dois países.

“O Presidente Bolsonaro anunciou que o Brasil implementará uma quota tarifária, permitindo a importação anual de 750 mil toneladas de trigo americano à taxa zero. Além disso, os Estados Unidos e o Brasil concordaram com as condições científicas para permitir a importação de carne suína dos Estados Unidos“, informou a tutela.

O Itamaraty, nome como é conhecido este ministério, acrescentou que, com a finalidade de retomar as exportações brasileiras de carne bovina, os Estados Unidos concordaram em agendar uma visita técnica, com profissionais norte-americanos, para auditar o sistema de inspeção de carne bovina do país sul-americano.

O ministério referiu também que Jair Bolsonaro “começará a abrir mão” do tratamento especial que o Brasil recebe na Organização Mundial do Comércio (OMC). A decisão está “em linha” com a proposta apresentada por Donald Trump, para que o país apoie a entrada do Brasil na OCDE.

LM, ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Que dupla!..
    O Trump, que ainda há pouco dizia que a NATO não servia para nada, agora até já convida paises para a organização…

  2. Não sei como é que o povo americano elegeu o Presidente Trump, realmente não tem nenhum talento como politico ou estadista, para além de não saber ser humilde e/ou bom senso.

RESPONDER

Infetados que furem quarentena podem arriscar prisão preventiva

Em Portugal, o crime de propagação de doença tem uma moldura penal que pode ir até oito anos de prisão, admitindo ainda medidas de coação privativas da liberdade, como é o caso da prisão preventiva. Assim, …

Conquistadores espanhóis usaram técnicas indígenas para construir as suas armas

Um novo estudo concluiu que os invasores espanhóis foram obrigados a aprender com os indígenas da Mesoamérica sobre a produção de cobre. Descobertas arqueológicas em El Manchón, no México, apoiam a ideia de que invasores espanhóis, desesperados …

Açambarcamento de medicamentos por Portugal? "É um total absurdo", diz Infarmed

O Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde reagiu à acusação feita por uma organização belga, que dizia que Portugal está a fazer um armazenamento excessivo de medicamentos essenciais para o tratamento …

Descoberto âmbar com 40 milhões de anos com duas moscas a acasalar

Há 40 milhões de anos, no supercontinente Gonduana, duas moscas que se encontravam a acasalar viram-se, inesperadamente, numa situação complicada. De alguma forma, este par de moscas de pernas longas (Dolichopodidae) ficou preso na seiva pegajosa …

40 marinheiros do porta-aviões Charles de Gaulle com sintomas de covid-19

Quarenta marinheiros do porta-aviões francês Charles de Gaulle apresentaram recentemente "sintomas compatíveis" com os da infeção pelo novo coronavírus e estão sob "observação médica reforçada", anunciou o Ministério da Defesa. "A partir de hoje, uma equipa …

Medidas para as prisões, apoios às empresas, suspensão de tarifas. Parlamento discute mais de 100 iniciativas

Medidas excecionais para prisões e banca, mais apoios às empresas ou à cultura ou a suspensão de propinas e das tarifas de gás e luz são alguns dos temas que vão passar esta quarta-feira pelo …

Trump tem "interesse financeiro" em farmacêutica que produz hidroxicloroquina (a sua "cura" para a Covid-19)

Donald Trump falou da hidroxicloroquina como uma potencial "cura milagrosa" para a Covid-19, apesar das recomendações contrárias de especialistas e da falta de estudos científicos válidos que confirmem os benefícios da substância. O The New …

Restos de bombas atómicas revelam longa vida dos tubarões-baleia

Cientistas estão a determinar a esperança de vida do maior peixe dos oceanos com a ajuda de testes de bombas atómicas realizados durante a Guerra Fria, entre os anos 50 e 60. Em perigo de extinção, …

Telescópio russo apanha o despertar de um buraco negro

O telescópio russo ART-XC do observatório espacial Spektr-RG detetou uma fonte brilhante de raios-X no centro da Via Láctea, que acabou por revelar ser o "despertar" do buraco negro 4U 1755-338. A descoberta ocorreu no passado …

O cometa interestelar 2I/Borisov partiu-se em dois

O cometa interestelar 2I/Borisov, o primeiro do seu tipo a ser descoberto em agosto do ano passado, começou a dividir-se em duas partes na semana passada. As imagens contínuas do telescópio espacial Hubble do objeto interestelar …