Tribunal de Contas diz que continua a haver procedimentos inadequados na ANPC

Nuno André Ferreira / Lusa

O Tribunal de Contas (TdC) concluiu que continua a haver procedimentos inadequados no sistema de gestão e controlo dos apoios financeiros concedidos pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) às associações humanitárias de bombeiros (AHB).

“Continuou a verificar-se inadequação de diversos procedimentos, quer na ANPC, quer no sistema de gestão e controlo dos apoios financeiros concedidos pela ANPC às AHB (e aos seus corpos de bombeiros)”, refere o relatório de seguimento das recomendações formuladas pelo Tribunal de Contas nas auditorias à Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Os procedimentos inadequados estão “relacionados com a reduzida integração e eficiência dos meios informáticos, insuficiência de controlos e falta de fiabilidade dos dados, bem como situações novas que carecem de enquadramento e desenvolvimento regulamentar”, concluiu o TdC.

A auditoria visou aferir o grau de acolhimento das recomendações formuladas pelo TdC nos relatórios de 2016, sobre as transferências financeiras da ANPC para as associações humanitárias de bombeiros, e de 2014, à Empresa de Meios Aéreos (EMA) que foi extinta, tendo a gestão do dispositivo passado para a ANPC.

O Tribunal de Contas avança que há um conjunto de recomendações que não foram acolhidas e outras que o foram apenas parcialmente.

Nesse sentido, o TdC verificou que “continua a existir um inadequado sistema de controlo da prestação de contas das associações humanitárias de bombeiros, que não comporta a realização de ações sistemáticas de acompanhamento que assegurem o cumprimento das obrigações legais das AHB”.

O TdC concluiu também que “o exame dos sistemas contabilísticos das AHB continuou a revelar insuficiente normalização de procedimentos, ausência de critérios uniformes de classificação e contabilização”.

O Tribunal detetou igualmente divergências na composição do universo das AHB, entre a informação publicitada pela ANPC (412) e o registo no Instituto de Registo e Notariado IRN (437), que “evidenciam falhas na articulação entre estas entidades e, consequentemente, na garantia de que a ANPC fiscaliza o cumprimento do RJAHB [Regime Jurídico das Associações Humanitárias de Bombeiros] por todas as AHB”.

O tribunal constatou ainda que na ANPC existiu “uma grande rotatividade dos cargos de direção e de coordenação [comandantes] que se refletiu na operacionalidade dos serviços e na delegação de competências, cuja publicação ocorreu vários meses após a designação do titular para o cargo”, considerando que tal “consubstancia práticas desadequadas à gestão dos serviços”.

O TdC refere também que nas “áreas administrativa, financeira e patrimonial da sede da ANPC, continuam a não existir manuais de procedimentos“.

“A documentação de prestação de contas apresentada pela ANPC, referente ao triénio 2014-2016 revelou inconsistências nos registos, insuficiente e inadequada informação nos anexos às demonstrações financeiras, não permitindo a compreensão do conteúdo das mesmas e das operações efetuadas”, refere o TdC, sublinhando que, em 2014, não foram contabilizados no património, os bens provenientes da EMA, nomeadamente, os meios aéreos.

A auditoria dá ainda conta que os recursos humanos da ANPC integravam elementos vinculados à Escola Nacional de Bombeiros que exerciam funções no Comando Nacional de Operações de Socorro e nos Comandos Distritais de Operações de Socorro, remunerados através de protocolos, “que carecem de adequado enquadramento e regulamentação”.

Perante as situações detetadas, o TdC recomenda ao presidente da ANPC que “promova melhorias no sistema de controlo interno” e “determine a realização de ações de acompanhamento e controlo da atividade da ANPC e das AHB”.

A ANPC deve também emitir “orientações urgentes” às AHB, tendo em vista “a uniformização da classificação, dos registos contabilísticos e dos procedimentos associados aos apoios públicos” e que, nas empreitadas e nas aquisições de bens e serviços com recurso a dinheiros públicos, “respeitem os princípios da concorrência, publicidade, transparência, igualdade, imparcialidade, proporcionalidade e boa gestão”.

O TdC recomenda ainda ao ministro da Administração Interna que providencie “a urgente regularização da afetação de pessoal das AHB em funções na ANPC”.

O Tribunal de Contas exclui desta auditoria a operacionalidade dos meios aéreos e respetiva execução contratual, o modelo de prevenção e combate a incêndios e o SIRESP, bem como a legislação recentemente aprovada.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …

Pelo menos 58 mortos em naufrágio ao largo da Mauritânia

Pelo menos 58 pessoas morreram, esta quinta-feira, num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia. Pelo menos 58 migrantes morreram num naufrágio ao largo da costa da Mauritânia, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). …