Mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram enquanto o Qatar se preparava para receber o Mundial de 2022

De acordo com a edição desta terça-feira do britânico The Guardian, mais de 6.500 trabalhadores da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no Qatar desde dezembro de 2010, quando o país se preparava para receber o Mundial de 2022.

Mais de 6.500 trabalhadores migrantes da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no Qatar desde que o país ganhou o direito de sediar o Mundial de 2022, há dez anos, avança esta terça-feira o The Guardian.

Para receber o campeonato do mundo de futebol de 2022, o Qatar embarcou num programa de construção sem precedentes. Nos últimos 10 anos, foram inaugurados quatro estádios e há mais quatro por concluir. Nos novos projetos, está ainda incluído um novo aeroporto, estradas, sistemas de transportes públicos e hotéis.

Desde dezembro de 2010, altura em que o Qatar se assumiu como anfitrião do campeonato, o The Guardian estima que uma média de 12 trabalhadores migrantes tenham morrido a cada semana.

Os números foram fornecidos pelas embaixadas destes países em Doha, mas não precisam em que setores profissionais é que as mortes ocorreram. Ainda assim, o perfil da emigração asiática para o Qatar permite concluir que a grande maioria está relacionada com a construção civil.

De acordo com o diário britânico, os dados governamentais da Índia, Bangladesh, Nepal e Sri Lanka, mostram que 5.927 trabalhadores migrantes morreram entre 2011 e 2020. Já os dados da embaixada do Paquistão apontam para mais de 824 mortes de trabalhadores paquistaneses entre 2010 e 2020.

Tudo somado, conclui-se que mais de 6.700 trabalhadores migrantes morreram no Qatar desde que o país começou a preparar a receção do Mundial de 2022. O matutino ressalva ainda que o total de mortes é “significativamente mais elevado”, uma vez que estes números não incluem os dados de vítimas mortais de outros países, como as Filipinas e o Quénia, nem as mortes ocorridas nos últimos meses de 2020.

“Uma proporção muito significativa dos trabalhadores migrantes que morreram desde 2011 estava no país apenas porque o Qatar ganhou o direito de receber o Mundial de futebol”, confirmou ao jornal Nick McGeehan, diretor da FairSquare Projects, uma organização não-governamental especializada em direitos dos trabalhadores no Golfo.

Milhares de imigrantes provenientes de países asiáticos chegam ao Qatar à procura de trabalho, mas, à sua espera, encontram más condições de alojamento e falsas promessas. Em 2016, um relatório da Amnistia Internacional revelou que os trabalhadores que construíram um dos novos estádios “sofreram abusos sistemáticos, em alguns casos trabalho forçado”.

Apesar de a grande maioria dos óbitos ser atribuída a “causas naturais”, relacionadas com paragens cardíacas ou falhas respiratórias, o The Guardian escreve que este tipo de classificação é feito sem recurso a autópsias.

O Governo do Qatar justifica que “a taxa de mortalidade entre estas comunidades está dentro do esperado, tendo em conta a dimensão e a demografia da população”. Além disso, o porta-voz do Executivo afirmou que os trabalhadores migrantes têm acesso a cuidados de saúde de excelência no país.

Em comunicado, um porta-voz da FIFA disse estarem totalmente empenhados em proteger os direitos dos trabalhadores. “Com as medidas de saúde e segurança muito rigorosas no local, a frequência de acidentes em locais de construção do Mundial de Clubes tem sido baixa em comparação com outros grandes projetos de construção em todo o mundo”, referiu.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Caso do avião com cocaína. PJ vai vigiar Aérodromo de Tires 24 horas por dia

A Polícia Judiciária (PJ) vai vigiar as movimentações de aeronaves e passageiros que chegam e saem do Aeródromo de Tires 24 horas por dia. A informação foi adiantada pelo Correio da Manhã, que falou com …

Facebook paga 650 milhões para encerrar litígio sobre vida privada nos EUA

O juiz federal norte-americano James Donato aprovou a indemnização de 650 milhões de dólares (540 milhões de euros) a 1,6 milhões de utilizadores do estado norte-americano do Illinois por parte do Facebook. Este acordo, assinado na …

"Retoma da normalidade". Bruxelas propõe este mês livre-trânsito digital para vacinados e recuperados

A Comissão Europeia vai apresentar este mês uma proposta legislativa para criar um livre-trânsito digital que permita retomar as viagens em altura de pandemia de covid-19, comprovando a vacinação ou a recuperação dos cidadãos. A informação …

Noiva de Khashoggi pede "punição imediata" de Mohammed bin Salman

As declarações da noiva de Jamal Khashoggi surgem depois de as autoridades norte-americanas terem publicado um relatório em que Mohammed bin Salman é acusado de ter ordenado o assassínio do jornalista. Joe Biden está a ser …

Covax permite que países mais pobres comecem a receber a vacina (mas só garante 20% da vacinação)

A Covax visa fornecer vacinas contra a covid-19 a 20% da população de 200 países e territórios que estão incluídos no sistema através de um sistema de financiamento que permite a 92 economias de baixo …

Reino Unido vacinou 20 milhões com 1.ª dose. País deteta casos de variante de Manaus

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, anunciou no domingo que mais de 20 milhões de pessoas no Reino Unido já receberam a primeira dose da vacina contra covid-19. "Estou absolutamente encantado por informar que mais …

Famílias numerosas já podem pedir desconto no IVA da luz

As famílias com cinco ou mais elementos podem pedir a redução do IVA da eletricidade ao seu fornecedor a partir desta segunda-feira e têm de comprovar a sua condição de família numerosa. Em causa está a …

Netflix foi a grande vencedora da noite dos Globos de Ouro

  A 78.ª edição dos Globos de Ouro decorreu de forma virtual, com apresentação de Tina Fey e Amy Poehler e a participação de alguns dos laureados do ano passado. Os Globos de Ouro, prémios de cinema …

Portugal regista mais 34 óbitos e 394 novos casos. O número mais baixo desde setembro

Portugal registou esta segunda-feira 394 novos casos de infeção por covid-19 e mais 34 mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …

Nicolas Sarkozy condenado a três anos de prisão por corrupção

Nicolas Sarkozy foi esta segunda-feira condenado a três anos de prisão por corrupção e tráfico de influências, tornando-se o segundo chefe de Estado condenado em França, após Jacques Chirac em 2011. O ex-Presidente francês foi condenado …