Mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram enquanto o Qatar se preparava para receber o Mundial de 2022

De acordo com a edição desta terça-feira do britânico The Guardian, mais de 6.500 trabalhadores da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no Qatar desde dezembro de 2010, quando o país se preparava para receber o Mundial de 2022.

Mais de 6.500 trabalhadores migrantes da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no Qatar desde que o país ganhou o direito de sediar o Mundial de 2022, há dez anos, avança esta terça-feira o The Guardian.

Para receber o campeonato do mundo de futebol de 2022, o Qatar embarcou num programa de construção sem precedentes. Nos últimos 10 anos, foram inaugurados quatro estádios e há mais quatro por concluir. Nos novos projetos, está ainda incluído um novo aeroporto, estradas, sistemas de transportes públicos e hotéis.

Desde dezembro de 2010, altura em que o Qatar se assumiu como anfitrião do campeonato, o The Guardian estima que uma média de 12 trabalhadores migrantes tenham morrido a cada semana.

Os números foram fornecidos pelas embaixadas destes países em Doha, mas não precisam em que setores profissionais é que as mortes ocorreram. Ainda assim, o perfil da emigração asiática para o Qatar permite concluir que a grande maioria está relacionada com a construção civil.

De acordo com o diário britânico, os dados governamentais da Índia, Bangladesh, Nepal e Sri Lanka, mostram que 5.927 trabalhadores migrantes morreram entre 2011 e 2020. Já os dados da embaixada do Paquistão apontam para mais de 824 mortes de trabalhadores paquistaneses entre 2010 e 2020.

Tudo somado, conclui-se que mais de 6.700 trabalhadores migrantes morreram no Qatar desde que o país começou a preparar a receção do Mundial de 2022. O matutino ressalva ainda que o total de mortes é “significativamente mais elevado”, uma vez que estes números não incluem os dados de vítimas mortais de outros países, como as Filipinas e o Quénia, nem as mortes ocorridas nos últimos meses de 2020.

“Uma proporção muito significativa dos trabalhadores migrantes que morreram desde 2011 estava no país apenas porque o Qatar ganhou o direito de receber o Mundial de futebol”, confirmou ao jornal Nick McGeehan, diretor da FairSquare Projects, uma organização não-governamental especializada em direitos dos trabalhadores no Golfo.

Milhares de imigrantes provenientes de países asiáticos chegam ao Qatar à procura de trabalho, mas, à sua espera, encontram más condições de alojamento e falsas promessas. Em 2016, um relatório da Amnistia Internacional revelou que os trabalhadores que construíram um dos novos estádios “sofreram abusos sistemáticos, em alguns casos trabalho forçado”.

Apesar de a grande maioria dos óbitos ser atribuída a “causas naturais”, relacionadas com paragens cardíacas ou falhas respiratórias, o The Guardian escreve que este tipo de classificação é feito sem recurso a autópsias.

O Governo do Qatar justifica que “a taxa de mortalidade entre estas comunidades está dentro do esperado, tendo em conta a dimensão e a demografia da população”. Além disso, o porta-voz do Executivo afirmou que os trabalhadores migrantes têm acesso a cuidados de saúde de excelência no país.

Em comunicado, um porta-voz da FIFA disse estarem totalmente empenhados em proteger os direitos dos trabalhadores. “Com as medidas de saúde e segurança muito rigorosas no local, a frequência de acidentes em locais de construção do Mundial de Clubes tem sido baixa em comparação com outros grandes projetos de construção em todo o mundo”, referiu.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Advogados apontam falhas à investigação da morte de Giovani Rodrigues

Alguns advogados de defesa dos acusados do homicídio de Giovani Rodrigues apontaram, esta quarta-feira, falhas à investigação, desde o apuramento dos factos à condição clínica, com a revelação de que o jovem foi também vítima …

Dia com menos mortes desde 28 de outubro. Mais 830 novos casos

Há mais 830 casos de covid-19 em Portugal. A Direção-Geral da Saúde indica que há agora 1708 doentes com covid-19 internados, menos 119 do que na quarta-feira. O número de doentes nos cuidados intensivos está …

Concelhia do PSD/Sintra tenta contornar Santana (e já aprovou um nome)

Enquanto a direção nacional do PSD tenta convencer Pedro Santana Lopes, a estrutura do PSD/Sintra aprovou o nome de António Pinto Pereira como candidato. Esta quarta-feira, a concelhia do PSD/Sintra aprovou o nome de António Pinto …

TAP com novo voo do Brasil para Portugal a 11 de março

A Embaixada de Portugal em Brasília anunciou, esta quarta-feira, que se irá realizar, a 11 de março, um novo voo entre São Paulo e Lisboa, em "condições inteiramente idênticas" às da viagem de repatriamento ocorrida …

Campos de reeducação servem para reduzir o número de uigures, diz estudo chinês

Um relatório chinês confirma que os campos de reeducação para onde o Governo envia os uigures da província de Xinjiang têm como objetivo diminuir a população uigur. O documento foi publicado acidentalmente online Depois de uma …

Merkel cede e aceita levantamento progressivo das medidas. França estima que situação melhore em abril

A chanceler alemã, Angela Merkel, aceitou na quarta-feira um levantamento progressivo das restrições contra a pandemia na Alemanha, cedendo a um descontentamento crescente na opinião e no próprio governo a sete meses das eleições legislativas. Ao …

Não tem de "haver culpados" no incêndio que matou cães em Santo Tirso, diz Governo

A secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, defendeu ontem que “não tem de haver culpados” no incêndio de julho de 2020 que vitimou mais de 70 animais em dois abrigos ilegais em Santo …

Diagnóstico de grupo de peritos confirma cenário negro na Saúde Pública

A Comissão para a Elaboração da Proposta de Reforma da Saúde Pública e Sua Implementação pinta um retrato negro do estado da Saúde Pública em Portugal. Em fevereiro do ano passado, a ministra Marta Temido nomeou …

"Raciocínio Neandertal". Biden critica fim das máscaras obrigatórias no Texas

O Presidente norte-americano criticou, esta quarta-feira, a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara, classificando-a de "raciocínio Neanderthal". "Estamos à beira de ser capazes de mudar fundamentalmente a natureza …

Joacine já exonerou quatro assessores desde que saiu do Livre

Silavnia de Barros e Inês Beleza Barreiros saíram do gabinete de Joacine Katar Moreira. A deputada não-inscrita já exonerou quatro assessores desde que se desvinculou do Livre. Esta quarta-feira, um despacho publicado em Diário da República …