Trabalhadores em lay-off estão a ser prejudicados na carreira. Governo vai corrigir (mas não se sabe quando)

Paulo Cunha / Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho

Esta terça-feira, a Provedora de Justiça alertou para a penalização nos subsídios de que trabalhadores que estiveram em lay-off ou abrangidos pelo apoio extraordinário à família estão a ser alvo trabalhadores. O Governo garante que vai corrigir, mas não diz quando.

Num ofício enviado ao secretário de Estado da Segurança Social, assinado pelo Provedor-adjunto, Joaquim Cardoso da Costa, e citado pelo jornal Observador, é referido que a Provedora de Justiça “tem vindo a receber um significativo número de queixas a respeito da omissão de registos por equivalência à entrada de contribuições nos períodos de lay-off” e reclamações devido “ao impacto negativo que o pagamento do apoio excecional à família teve na carreira contributiva dos respetivos beneficiários”.

O organismo liderado por Maria Lúcia Amaral têm recebido cerca de 50 queixas relativas a penalizações no subsídio de gravidez de risco, no subsídio parental, de doença e de desemprego.

Segundo a denúncia, há trabalhadores que estiveram em lay-off e que, no registo de remunerações relativo a esse período, ficou refletido ao contrário do que dita a lei, não o salário habitual, mas o ordenado com os cortes daquele regime.

“Na maioria dos casos reportados à Provedora de Justiça”, a omissão levou a que as prestações sociais que foram pagas a esses trabalhadores, como prestações de parentalidade, doença e desemprego, “tivessem sido calculadas com base em valores inferiores aos corretos, resultando na atribuição de prestações de valor também inferior ao que lhes seria efetivamente devido”.

Quanto ao apoio à família, alguns beneficiários podem receber dois terços da remuneração base, tendo sido esse o valor registado na carreira contributiva.

Joaquim Cardoso da Costa lamentou que, embora esta explicação já seja pública desde novembro, a situação continue por regularizar. “Importa não esquecer que estamos perante prestações sociais substitutivas da perda dos rendimentos do trabalho – máxime, subsídio por risco clínico durante a gravidez, subsídio parental, subsídio de desemprego, subsídio de doença – cuja salvaguarda, num contexto de crise como a atual, emerge como uma prioridade inquestionável”, disse.

“A situação continua por regularizar, verificando-se um alarmante aumento do número de casos de cidadãos que se veem prejudicados no montante das prestações sociais a que, entretanto, acederam, e aos quais urge dar resposta”, rematou.

Em declarações ao Jornal de Negócios, o Governo garantiu que as carreiras contributivas dos trabalhadores que passaram por situações de lay-off e que receberam o apoio à família, vão ser corrigidas para evitar que os cortes salariais os prejudiquem no acesso a um subsídio de doença, de parentalidade, de desemprego ou reforma. No entanto, o Ministério da Segurança Social não explica exatamente quando é que estes dois problemas vão ficar efetivamente resolvidos.

Fonte oficial do ministério disse que o novo mecanismo para registo de remunerações por equivalência nas situações de lay-off, que é mais complexo do que o atual, se encontra “em implementação avançada”.

“Prevê-se que se encontre totalmente concluído nas próximas semanas”, afirmou. “Nessa altura, os trabalhadores cujo valor das prestações sociais apuradas possam ter sido reduzidas por esta razão serão ressarcidos de forma retroativa dos montantes pagos a menos”, concluiu.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

UE condena "instrumentalização" de refugiados pela Bielorrússia

A União Europeia (UE) condenou esta sexta-feira "a instrumentalização de migrantes e refugiados pelo regime bielorrusso", alegando que é "totalmente inaceitável" usar pessoas para "promover objetivos políticos" e prometeu avaliar hipótese de punição de contrabandistas. O …

André Ventura - Chega

Autárquicas serão "início do fim do reinado" de Costa. Em Moura, Ventura é apelidado de "fascista"

Esta sexta-feira à noite, em Moura, um grupo de pessoas juntou-se perto do comício de André Ventura, em protesto, apelidando o líder do Chega de "fascista". O líder do Chega, André Ventura, apresentava esta sexta-feira os …

Incêndios na Turquia chegam a zonas turísticas. Há suspeitas de mão criminosa

Os devastadores incêndios que se estão a fazer sentir na zona sul da costa da Turquia já fizeram pelo menos quatro mortes. Depois das ondas de calor mortais nas Américas, inundações na Europa e China e …

Sonae vende 24,99% da empresa que detém o Continente por 528 milhões de euros

O grupo Sonae acordou vender uma participação de 24,99% na Sonae MC, a proprietária dos supermercados Continente, por 528 milhões de euros, informou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A alienação de …

Supertaça. Sporting e Sp. Braga defrontam-se 39 anos depois (e adeptos regressam aos estádios)

Sporting e Sp. Braga lutam este sábado pelo primeiro título da época (e os adeptos já vão estar na bancada). O encontro da 43.ª edição da supertaça Cândido de Oliveira está marcado para este sábado, …

Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões …

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …