A Terra devorou o seu próprio super-oceano (e pode voltar a acontecer)

Christopher Scotese / Ian Webster / Paleomap / University Of Sydney

Um novo estudo sugere que o antigo supercontinente Rodínia virou ao contrário enquanto a Terra devorava o seu próprio oceano há 700 milhões de anos.

A Rodínia foi o super-continente que precedeu a famosa Pangeia, que existiu há entre 320 milhões e 170 milhões de anos.  Num novo estudo, cientistas liderados por Zheng-Xiang Li, da Universidade Curtin, em Perth, Austrália, argumentam que super-continentes e os seus super-organismos se formam e se fragmentam em ciclos alternados que, às vezes, preservam a crosta oceânica e, às vezes, reciclam-na de volta ao interior da Terra.

“Sugerimos que a estrutura do manto da Terra só será completamente reorganizada a cada segundo super-continente – ou em todos os outros ciclos – através da regeneração de um novo super-oceano e um novo anel de fogo“, disse Li.

O “Anel de Fogo” é uma cadeia de zonas de subducção em redor do Pacífico, onde a crosta do oceano range por baixo dos continentes. Vulcões e terremotos são frequentes na zona do Anel de Fogo.

A história dos super-continentes é um pouco obscura, mas os geocientistas estão cada vez mais convencidos de que os continentes se fundem numa massa de terra gigante a cada 600 milhões de anos, em média. Primeiro veio a Nuna, que existia entre 1,6 mil milhões e 1,4 mil milhões de anos atrás. Nuna separou-se, apenas para se unir como Rodínia há cerca de 900 milhões de anos. Rodínia separou-se há 700 milhões de anos. Há cerca de 320 milhões de anos, a Pangeia formou-se.

Há padrões na circulação do manto que parecem combinar muito bem com o ciclo de 600 milhões de anos. Mas alguns minerais e depósitos de ouro e assinaturas geoquímicas na rocha antiga repetem-se num ciclo mais longo – mais próximo de mil milhões de anos.

Num artigo publicado na revista Precambrian Research, Li e os colegas argumentam que a Terra tem dois ciclos simultâneos: um super-continente de 600 milhões de anos e um super-continente de mil milhões de anos. Cada super-continente quebra e reforma-se em dois métodos alternados – a introversão e a extroversão.

Na introversão, o continente começa a dividir-se em pedaços separados por um novo oceano interno. Por qualquer motivo, os processos de subducção começam neste novo oceano interno. Nos pontos de fogo, a crosta oceânica mergulha no manto quente da Terra e o oceano interno volta para o interior do planeta. Depois, os continentes voltam a juntar-se novamente – um novo super-continente, rodeado pelo mesmo velho super-oceano.

Extroversão, por outro lado, cria um novo continente e um novo super-oceano. Nesse caso, um super-continente separa-se, criando o oceano interno. Mas desta vez, a subducção não ocorre no oceano interno, mas no super-oceano que rodeia o super-continente. A Terra engole o super-oceano, arrastando a crosta continental. O super-continente basicamente vira ao contrário: os antigos litorais fundem-se para formar um novo meio e o meio rasgado é agora a costa. Enquanto isso, há um super-oceano novo.

Nesse cenário, o super-continente Nuna separou-se e formou Rodínia via introversão. O super-oceano de Nuna sobreviveu e tornou-se o super-oceano de Rodínia, que os cientistas apelidaram de Mirovoi. Nuna e Rodínia tinham configurações semelhantes, o que reforça a noção de que Nuna se separou e se voltou simplesmente a unir.

Mas a crosta oceânica de Mirovoi começou a subductar. Rodínia separou-se quando o super-oceano desapareceu e reapareceu no outro lado do planeta como Pangeia. O novo oceano que se formou é conhecido como Panthalassa.

A Pangeia separou-se para se tornar os continentes que conhecemos hoje. Os remanescentes de Panthalassa sobrevivem na crosta oceânica do Pacífico.

Os últimos 2 mil milhões de anos de história são plausíveis, disse Mark Behn, geofísico do Boston College e Woods Hole Oceanographic Institution, que estuda a história profunda da Terra. No entanto, é difícil saber se os ciclos estudados representam um padrão verdadeiro e fundamental.

Se o padrão alternativo se mantiver, o próximo super-continente formar-se-á por introversão. Os oceanos internos criados pela quebra da Pangeia – os oceanos Atlântico, Índico e Sul – fechar-se-ão e Pacífico expandir-se-á para se tornar o único super-oceano do novo continente. Este é o futuro teórico do super-continente Amasia.

O futuro do super-continente da Terra ainda não está claro. Modelos que tentam combinar os movimentos dos continentes da Terra com a dinâmica interna do manto podem ajudar a determinar se os métodos de montagem de introversão e extroversão são realistas. Os métodos usados ​​por Li provavelmente estão no caminho certo para abordar essas questões fundamentais da tectónica de placas, disse Behn.

PARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

      • Bilião não é a mesma coisa que Bilhão, já que Bilião são mil milhões e Bilhão é milhão de milhões.
        No Brasil Bilião é igual a mil milhões, em Portugal representa milhão de milhões.
        isto porque existem 2 escalas, a curta e a longa, usada respectivamente pelo Brasil e Portugal, e no continente americano e europeu.

        • Vamos ver se nos entendemos, D.ª Isabel. Bilhão não existe na língua portuguesa e faz parte da escala curta utilizada no Brasil e nos países de língua inglesa e árabe. Portanto um milhão são 10 elevado a 6 e um bilião 10 elevado a 12, portanto um milhão de milhões, na escala longa. O bilhão, que não existe na língua portugesa, corresponde a 10 elevado a 9, portanto a mil milhões. Na escala curta cada novo termo superior a um milhão cresce 1000 vezes enquanto na escala longa, usada por Portugal e Europa Continental, esse crescimento é de um milhão de vezes, portanto de 10 elevado a 6. Estaremos assim enetendidos?

  1. Eu gostaria de saber como os cientistas conseguem saber o que aconteceu a 320 milhões de anos se a tecnologia que temos não é possível saber direito o que aconteceu depois da vinda e morte de Jesus Cristo.

    • É por que existe poucos registros escritos sobre a vinda de Cristo, a não ser os relatos dos apóstolos que estão na Bíblia, algo pouco confiável em termos históricos, já que são baseados em relatos não oculares.

  2. Desde quando “cristo” é um facto histórico, só aparece na biblia e em milhentas crónicas forjadas seculos após essa suposta existencia…… é o maior embuste que há memória, só comparável com a porcaria que os politicos nacionais e internacionais andam a fazer actualmente, para proteger o seu poder sejam eles, comunistas, liberais, capitalistas e os afins de cada facção que são gerados. Se o nosso planeta nos extinguir, ao nível da 1ª extinção Pré-Cambrica ou a do Triassico que extinguiu os Dinossauros, nada se perdia. O facto de sermos uma especie senciente, não nos dá o direito de dispor da natureza como fazemos.

  3. Só não entendeu quem fugiu da escola ou não a teve, infelizmente. Criticar por criticar é lamentável. Argumentos contrários embasados em outras evidências, nada. Muita bobagem nos comentários.

Responder a Jo Cancelar resposta

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …

Novo comboio-bala entra ao serviço na linha Tóquio-Osaka

O mais novo modelo de comboio-bala do Japão - o N700S - entrou ao serviço no dia 1 de julho, numa jornada inaugural de Tóquio a Osaka. A série N700S (sendo que o "S" significa "Supreme") …

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos EUA

O músico norte-americano Kanye West anunciou este sábado, Dia da Independência dos Estados Unidos, a sua candidatura à Casa Branca, depois de ter apoiado anteriormente o atual Presidente e candidato à reeleição, Donald Trump. "Agora devemos …

Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que "mata" uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real. A equipa de investigadores conseguiu registar …

Reutilizável, dobrável e esterilizável. Novo "escudo" protege profissionais de saúde

Uma equipa de cientistas desenvolveu, recentemente, um dispositivo dobrável em forma de tenda que atua como um escudo físico para os profissionais de saúde na linha da frente contra a covid-19. A tenda redutora de gotículas …

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …