Geólogos encontraram um pedaço da América do Norte colado à Austrália

Geology / Curtin University

Rochas de Georgetown, na Austrália, são feitas de sedimentos originários do actual Canadá.

Geólogos australianos encontraram provas que demonstram que uma parte da Austrália já esteve ligada à América do Norte há 1,7 mil milhões de anos, antes de o super-continente Nuna se desfazer.

Estes dados surpreendentes foram apurados por investigadores da Universidade Curtin, na Austrália, que compararam rochas de lados opostos do planeta.

Estes geólogos analisaram rochas sedimentares de arenito da região de Georgetown, zona localizada a norte de Queensland, na Austrália, e concluíram que têm “assinaturas que são desconhecidas na Austrália e que, ao invés, têm uma semelhança surpreendente com rochas encontradas no Canadá actual”, como se explica no comunicado sobre a investigação.

Dados que sugerem que esta parte da Austrália se desprendeu da América do Norte há 1,7 mil milhões de anos, como referem os investigadores no artigo científico publicado no jornal Geology, propriedade da Sociedade Geológica da América.

Depois, 100 milhões de anos mais tarde, a massa de terra de Georgetown colidiu com o que é actualmente a Austrália, na região do Monte Isa, explica o investigador que liderou o estudo, Adam Nordsvan, da Escola de Terra e Ciências Planetárias.

Nordsvan nota como esta descoberta acarreta informações “significativas” sobre o antigo super-continente Nuna que existiu há 1,6 mil milhões de anos.

“Esta foi uma parte crítica da reorganização continental global quando quase todos os continentes da Terra se juntaram para formar o super-continente chamado Nuna”, afiança o investigador.

Quando o Nuna, também conhecido por Columbia, se desfez, a área de Georgetown manteve-se “colada” à Austrália, tornando-se, assim, sua “peça” permanente, enquanto a massa de terra da América do Norte se afastou.

Geology / Curtin University

Formação do super-continente Nuna há 1,6 mil milhões de anos, com a área de Georgetown, a verde, a juntar-se à Austrália.

Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o nordeste da Austrália esteve próximo da América do Norte e da Sibéria quando os continentes se juntaram para formar o Nuna.

Nordsvan e a sua equipa também encontraram provas da formação de montanhas aquando da colisão de Georgetown com a Austrália.

A colisão de massas terrestres pode formar cadeias de montanhas, como explica o site científico Live Science, notando que foi assim que os Himalaias foram criados, há 55 milhões de anos, com o choque entre as placas continentais da Índia e da Ásia.

No caso das montanhas “nascidas” da colisão entre Georgetown e a Austrália, não terão sido muito altas, o que sugere que “o processo final de junção continental que levou à formação do super-continente Nuna não foi uma colisão forte como a mais recente colisão da Índia com a Ásia”, explica o co-autor do estudo, Zheng-Xiang Li, professor de Ciências da Terra na Universidade de Curtin.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …