Teresa Morais questiona se será razoável “silenciamento de deputados” do PSD

Confrontado com o assunto na quinta-feira, Rui Rio, presidente do PSD, recusou comentar o alegado silenciamento de deputados, dizendo que foi eleito “para gerir o PSD e fazer oposição ao Governo”.

A deputada do PSD, Teresa Morais, questiona num artigo hoje publicado se será razoável que pessoas que podem contribuir para o combate feito pelo partido estejam “a ser silenciadas e impedidas de exercer cabalmente o seu mandato“.

Na quinta-feira, a deputada Teresa Morais levantou a questão do “silenciamento” a que considera terem sido votados muitos dos deputados da bancada, que não são chamados a intervir em nome do partido, questionando o sentido de tal estratégia, “sobretudo num ano eleitoral, em que o partido precisa de todos”.

Num artigo de opinião publicado esta sexta-feira no jornal Público a antiga vice-presidente da bancada social-democrata, questiona se será aceitável que “o maior grupo parlamentar português tenha a maioria dos seus deputados arredados do combate político” e quais são os objetivos.

“É que nem os esforços, que reconheço, do líder parlamentar, que avaliará a falta que muitos lhe fazem para a luta política que dirige, conseguem furar o bloqueio imposto pela direção, em que parece haver gente cuja única tarefa, já que ninguém lhes vê outra, é vetar nomes e garantir a invisibilidade de algumas pessoas“, sublinhou.

No entendimento da social-democrata Teresa Morais, a resposta parece estar na “obsessão de garantir que a tese de conspiração vencerá e justificará que muitos sejam ‘dispensados’ no final da legislatura, teoria coadjuvada pelo silenciamento dos deputados, que conduza ao seu apagão”.

A antiga vice-presidente da bancada do PSD salientou que sempre respeitou o cumprimento dos mandatos dos presidentes dos partidos, mesmo quando não se revia na estratégia ou forma de estar de quem liderava.

“O voto democrático dos militantes dá-lhes esse direito. Mas também cedo aprendi com uma admirável militante do PSD que nunca se entrega o cartão”

“Os líderes passam. Nós ficamos, disse-me um dia Leonor Beleza”, destacou ainda a social-democrata.

No artigo, Teresa Morais destacou o seu percurso no partido, salientando que nunca pediu lugares.

Nunca deixei de dizer o que pensava com receio de perder lugares. Nunca acocorei perante ninguém para manter lugares. Foi sempre do partido a iniciativa de me procurar”, lê-se no artigo.

“Portanto, desculparão os que estão interessados em fomentar uma teoria de conspiração – esperando que ela os venha ilibar de um eventual desaire eleitoral, legitimando o discurso de vitimização -, mas não podem, ou seguramente, não devem lançar calúnias sobre toda a gente”, frisou.

De acordo com Teresa Morais, “há quem não se esmifre por ‘lugarzinhos’, há quem não conspire para manter ‘lugarzinhos’, há quem simplesmente queira trabalhar porque foi para isso que foi eleito”.

Na opinião da deputada, existe no partido um “lastro de fontes próximas da direção que insistem na ideia de que há no grupo parlamentar uma conspiração latente, destinada a desgastar a liderança”.

“Se há, não a conheço. Não faço parte dela. Conspirar não bate certo com a minha natureza. O que quis dizer ao presidente do partido disse-o, olhos nos olhos, na primeira e única reunião do grupo parlamentar em que até hoje participou”, prossegue.

“Por isso, escusam de se afanar a fazer listas de nomes de ‘opositores’ que não o são, e de alegados ‘críticos’ que estão simplesmente calados, no seu posto, preparados para trabalhar. É a única coisa que querem. Trabalhar. Se não pelo líder que os repudia, pelo partido, que especialmente em ano pré-eleitoral precisa, com certeza, de todos”, salientou.

Na quinta-feira, o presidente do PSD, Rui Rio, recusou comentar o alegado silenciamento de deputados, dizendo que foi eleito “para gerir o PSD e fazer oposição ao Governo“, e que aquilo que o incomoda “é a situação do país”.

“Isso é que é a notícia do dia? Não. Não tenho nada a comentar sobre isso. Eu fui eleito presidente do PSD, para gerir o PSD e fazer oposição ao Governo, não é para fazer comentários desses”, disse Rui Rio, na Guarda, onde foi confrontado com o assunto.

Também o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, rejeitou que algum deputado do PSD tenha sido silenciado por si ou por instruções da direção, salientando ser natural que os protagonistas mudem quando a liderança do partido muda.

Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco quer acordo por escrito com o PS se houver novo Governo da esquerda

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, afirma que o partido quer um acordo por escrito com o PS. “Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões …

Matteo Salvini considera que pode ser candidato à Comissão Europeia

Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana disse que deveria ser candidato à presidência da Comissão Europeia caso se verifique a vitória de "uma coligação soberanista" nas próximas eleições europeias. “É verdade. Amigos de diferentes países europeus …

Ryanair revela vídeo. Fotografia de tripulantes a dormir no chão foi encenada

Um vídeo divulgado pela Ryanair confirmou que a fotografia dos tripulantes portugueses a dormir no chão foi encenada. A imagem foi denunciada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC). De acordo com …

Jornalista saudita. Arábia transferiu 100 milhões para os Estados Unidos

A Arábia Saudita transferiu 100 milhões de dólares para os EUA nesta terça-feira, no mesmo dia em que o secretário de estado norte-americano Mike Pompeo chegou à capital Riade para discutir os contornos da morte …

Benfica contratou russos para investigar e-mails

O Benfica contratou uma empresa de cibersegurança e um escritório de advogados russos para identificar os responsáveis das empresas onde estão alojados os e-mails confidenciais divulgados pelos blogues anónimos. De acordo com a página de jornal …

Demissão de Rovisco Duarte terá sido imposta por novo ministro da Defesa

Rovisco Duarte apresentou a sua demissão ao ministro da Defesa, tendo sido João Gomes Cravinho quem o "empurrou" para a saída, avança o Observador. Esta quarta-feira de manhã, o Chefe de Estado Maior do Exército, Rovisco …

Centeno pode ter mais 150 milhões para aumentos na função pública

O ministro das Finanças já disse e repetiu que só tem 50 milhões de euros para aumentar os salários da função pública em 2019. No entanto, esta verba faz plano de um plano mais generoso, …

Governo muda as regras do jogo. Reforma antecipada só para quem aos 60 tem 40 anos de descontos

O Governo quer limitar, a partir de outubro do próximo ano, o acesso à reforma antecipada aos trabalhadores que começaram a descontar para a Segurança Social antes dos 20 anos. O Governo vai alterar o regime …

Vistos Gold representam um "sério risco de segurança" para a União Europeia

A comissária europeia da Justiça, Vera Jourova, criticou esta terça-feira os Estados-membros que têm a prática de atribuir 'vistos gold' a cidadãos extracomunitários ricos, instando-os a assegurar que a cidadania europeia não é concedida a …

Espanha em alerta vermelho por uma das piores tempestades da última década

Espanha está em alerta vermelho por causa da aproximação de duas tempestades, uma oriunda do Mediterrâneo e outra do Atlântico. O instituto de meteorologia espanhol prevê acumulação de chuva que pode ultrapassar os 100 litros …