Tecnológicas exigem novas regras de neutralidade da Internet

B!T

Tom Wheeler, presidente da FCC

Tom Wheeler, presidente da FCC

Algumas das maiores empresas norte-americanas do setor da Internet pediram à Comissão Federal de Comunicações (FCC) que aplicasse normas mais austeras aos fornecedores de serviços de Internet, dificultando, ou mesmo impedindo, que estes possam priorizar o acesso a determinados websites através de uma maior velocidade de tráfego.

A Associação da Internet, órgão defensor das liberdades da Grande Rede e representante de dezenas de empresas do setor, como a Google, a Netflix e a Amazon, exigiu esta segunda-feira à FCC que fossem implementadas regras anti-discriminatórias mais eficazes aos ISPs, de forma a ser estabelecido um padrão de acesso e tráfego que cubra todos os fornecedores de serviços online, sejam eles por cabo ou wireless.

Estas normas deverão então ditar a forma como os ISPs gerem o tráfego nas suas redes, assegurando que não exista uma priorização de certos fornecedores de conteúdos em detrimento de outros e que seja protegida a igualdade de acesso a todos os websites e programas.

Em janeiro, uma versão primária da chamada neutralidade da rede, concebida pela FCC, tinha sido dizimada por um decreto judicial, pelo que o órgão regulador das telecomunicações está agora a recolher contribuições públicas relativamente a uma proposta que deverá proibir que os ISPs bloqueiem o acesso dos utilizadores a websites ou aplicações, mas que sanciona alguns acordos “comercialmente razoáveis” entre provedores de conteúdos e fornecedores de serviços de Internet para priorização de acesso.

A Associação expressou hoje o seu descontentamento relativo à possibilidade de os ISPs terem luz verde para manipularem o acesso a websites e a velocidade do tráfego nos mesmos mediante a cobrança de taxas extraordinárias aos fornecedores de conteúdos online.

A defensora das liberdades digitais disse que os fornecedores de serviços de Internet são uma ameaça à Grande Rede e que intentam convertê-la numa plataforma discriminadora em que, mediante o pagamento de uma determinada quantia, certos websites podem usufruir de uma maior velocidade de tráfego e de acesso.

Dezenas de empresas tecnológicas, no mês passado, pediram ao presidente da FCC, Tom Wheeler, que fossem adotadas normas que visassem proteger as liberdades da Internet. Contudo, as discussões de hoje alvitraram uma posição mais demarcada da indústria relativamente à neutralidade da rede.

No entanto, as operadoras wireless, que atualmente beneficiam de uma maior liberdade devido às normas que estão ainda em vigor, disseram que regras mais severas poderão prejudicar a forma como estas empresas gerem as suas redes, o que, segundo as operadoras, poderá resultar em Internet a menor velocidade, no geral, para todos os utilizadores.

B!T

PARTILHAR

RESPONDER

Uber cobrou 100 vezes mais a passageiros nos Estados Unidos

Vários passageiros da Uber nos Estados Unidos denunciaram que a empresa lhes cobrou 100 vezes mais do que o preço inicialmente apresentado na aplicação, noticia a BBC. A Uber já reagiu, dizendo que o problema …

Barbie alia-se à ESA para mostrar que as mulheres também podem ser astronautas

A Barbie e a Agência Espacial Europeia (ESA) deram as mãos para incentivar as crianças a tornarem-se na próxima geração de astronautas, engenheiras e cientistas espaciais, realçando as conquistas da única astronauta viva da Europa, …

Filho de Júlio Iglesias e portuguesa querem a sua parte da herança, que pode chegar aos 30 milhões

Agora que foi reconhecido, pelo tribunal, como filho de Júlio Iglesias, Javier Sánchez quer ter direito à sua parte da herança - 30 milhões de euros - e a uma indemnização por danos morais. Segundo divulgou …

Na terceira semana de julho contam-se cisnes no rio Tamisa (e é um assunto real)

Há vários séculos que contar cisnes no rio Tamisa é um assunto sério e real. Swan upping é o nome desta tradição que conta com a participação da coroa britânica. A tradição manda: na terceira semana …

Ciborgues vão dominar a Terra até ao final do século XXI, diz cientista

A ideia de que as máquinas com inteligência artificial irão coexistir, dominar ou até mesmo destruir a humanidade tem ganho destaque na ficção científica. Esta ideia está presente e tem ganho grande popularidade como, por exemplo, …

Concorrência acusa associações de anunciantes e de agências de publicidade de violarem regras de mercado

A Autoridade da Concorrência (AdC) acusou a Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN) e a Associação Portuguesa de Agências de Publicidade, Comunicação e Marketing (APAP) "de limitarem o normal funcionamento do mercado ao estipularem uma regra …

Vídeo raro mostra últimos índios isolados da Amazónia para evitar um genocídio

Imagens da tribo isolada Awá, que não mantém contacto com o exterior e que está ameaçada pelo avanço dos madeireiros, na Amazónia, foram divulgadas pela organização não-governamental (ONG) Survival International como uma forma de alerta …

KLM citou estudo sobre lugares onde é mais provável sobreviver

Citando um estudo da Time, a companhia aérea KLM escreveu que "a taxa de mortalidade para os assentos no meio do avião é maior" e foi muito criticada. Após a polémica recente em que a tripulação …

Elefantes são os nossos aliados na luta contra as alterações climáticas

Os elefantes-da-floresta desempenham um papel importantíssimo na luta contra as alterações climáticas, nomeadamente no armazenamento de carbono. No entanto, a espécie está em vias de extinção. Isto de acordo com um novo estudo publicado esta segunda-feira …

Há uma nova pista no misterioso caso do desaparecimento de Emanuela Orlandi

Foram encontradas ossadas de dezenas de pessoas numa cripta junto aos túmulos abertos no Vaticano em busca de Emanuela, mas estes ossários deviam estar vazios. Foram encontrados milhares de ossos numa cripta que se pensava estar …