Tecnológicas exigem novas regras de neutralidade da Internet

B!T

Tom Wheeler, presidente da FCC

Tom Wheeler, presidente da FCC

Algumas das maiores empresas norte-americanas do setor da Internet pediram à Comissão Federal de Comunicações (FCC) que aplicasse normas mais austeras aos fornecedores de serviços de Internet, dificultando, ou mesmo impedindo, que estes possam priorizar o acesso a determinados websites através de uma maior velocidade de tráfego.

A Associação da Internet, órgão defensor das liberdades da Grande Rede e representante de dezenas de empresas do setor, como a Google, a Netflix e a Amazon, exigiu esta segunda-feira à FCC que fossem implementadas regras anti-discriminatórias mais eficazes aos ISPs, de forma a ser estabelecido um padrão de acesso e tráfego que cubra todos os fornecedores de serviços online, sejam eles por cabo ou wireless.

Estas normas deverão então ditar a forma como os ISPs gerem o tráfego nas suas redes, assegurando que não exista uma priorização de certos fornecedores de conteúdos em detrimento de outros e que seja protegida a igualdade de acesso a todos os websites e programas.

Em janeiro, uma versão primária da chamada neutralidade da rede, concebida pela FCC, tinha sido dizimada por um decreto judicial, pelo que o órgão regulador das telecomunicações está agora a recolher contribuições públicas relativamente a uma proposta que deverá proibir que os ISPs bloqueiem o acesso dos utilizadores a websites ou aplicações, mas que sanciona alguns acordos “comercialmente razoáveis” entre provedores de conteúdos e fornecedores de serviços de Internet para priorização de acesso.

A Associação expressou hoje o seu descontentamento relativo à possibilidade de os ISPs terem luz verde para manipularem o acesso a websites e a velocidade do tráfego nos mesmos mediante a cobrança de taxas extraordinárias aos fornecedores de conteúdos online.

A defensora das liberdades digitais disse que os fornecedores de serviços de Internet são uma ameaça à Grande Rede e que intentam convertê-la numa plataforma discriminadora em que, mediante o pagamento de uma determinada quantia, certos websites podem usufruir de uma maior velocidade de tráfego e de acesso.

Dezenas de empresas tecnológicas, no mês passado, pediram ao presidente da FCC, Tom Wheeler, que fossem adotadas normas que visassem proteger as liberdades da Internet. Contudo, as discussões de hoje alvitraram uma posição mais demarcada da indústria relativamente à neutralidade da rede.

No entanto, as operadoras wireless, que atualmente beneficiam de uma maior liberdade devido às normas que estão ainda em vigor, disseram que regras mais severas poderão prejudicar a forma como estas empresas gerem as suas redes, o que, segundo as operadoras, poderá resultar em Internet a menor velocidade, no geral, para todos os utilizadores.

B!T

PARTILHAR

RESPONDER

Artistas exigem 1% do Orçamento do Estado para a Cultura

Mais de 300 artistas concentrados esta terça-feira em frente ao Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, exigiram um valor imediato de 1% do Orçamento do Estado para a Cultura, em 2020. O protesto, convocado pela …

Depois do Idai, ainda há carência de comida e água potável

São milhares os desalojados que, após o ciclone Idai, continuam sem acesso a água potável. Além disso, a necessidade de comida mantém-se em níveis inalterados. Os dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), patentes no …

Há mulheres-polícia que recebem menos quando estão grávidas

De acordo com um relatório sobre as iniquidades de género dentro da Polícia de Segurança Pública (PSP), ao qual a revista Sábado teve acesso, há mulheres-polícia que recebem menos quando ficam grávidas. Segundo o inquérito realizado …

França. Governo adia entrada em vigor das novas pensões

O novo sistema universal de pensões em França vai abranger apenas as gerações nascidas a partir de 1975 e só terá nova formulação, através de pontos, a partir de 2025. O novo sistema universal de pensões …

Greta Thunberg é a "Personalidade do Ano" da revista Time

Greta Thunberg é a “Personalidade do Ano” mais jovem alguma vez escolhida pela revista Time. A capa da edição de 23 de dezembro foi divulgada esta quarta-feira. A revista norte-americana Time elegeu a ativista climática sueca …

Erupção do Whakaari. Nova Zelândia encomendou 120 metros quadrados de pele para tratar os feridos

A Nova Zelândia já encomendou 120 metros quadrados de pele humana aos Estados Unidos para tratar os 30 feridos do vulcão Whakaari, na Ilha Branca. Cirurgiões neozelandeses têm trabalhado sem parar dado o número de queimados …

Entidade Reguladora da Saúde diz que fez tudo o que devia no caso do bebé sem rosto

Esta quarta-feira, a presidente da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) considerou que o regulador fez tudo o que devia ter feito no caso do bebé que nasceu em Setúbal com malformações graves não detetadas as …

Legislação não impede que animais selvagens sejam vendidos a circos estrangeiros

A nova lei de proteção a animais selvagens não impede que estes sejam vendidos e continuem a ser usados em circos estrangeiros. Animais como camelos, cães e cavalos continuam a poder ser usados. A lei de …

Oito migrantes do norte de África desembarcam na praia de Monte Gordo

Oito migrantes oriundos do norte de África foram detidos na manhã desta quarta-feira pela Polícia Marítima, depois de desembarcarem em Monte Gordo, no Algarve. Oito migrantes foram detidos na manhã desta quarta-feira pela Polícia Marítima em …

Universidade impede que Laurent seja o mais novo a licenciar-se e criança desiste

Laurent Simons já não deverá ser o menino mais novo do mundo a licenciar-se, depois de a universidade ter alargado os seus estudos até meados de 2020. A Universidade Técnica de Eindhoven, na Holanda, propôs a …