Economia e tecnologia. Quem irá vencer a guerra comercial? EUA não facilitam, mas China já prepara plano para 2025

A atual guerra comercial entre a China e os Estados Unidos começou depois do atual presidente norte-americano, Donald Trump, anunciar a 22 de março de 2018 uma lista de tarifas superiores a 60 mil milhões de dólares sobre importações provenientes da China.

Em resposta a esta medida o governo chinês impôs taxas em mais de 128 produtos norte-americanos, incluindo na soja, uma importante exportação dos EUA para a China. Mais recentemente os EUA aplicaram o veto de empresas como Huawei ou TikTok.

Internamente, a conduta do governo Trump foi justificada como uma estratégia para mitigar as más práticas da China, como a concorrência desleal ou a transferência forçada de tecnologia que teria levado a um aumento do défice comercial e à perda de empregos nos Estados Unidos.

No entanto, muitos especialistas concordam que a luta entre os dois países tem uma implicação mais profunda: o confronto pela hegemonia mundial.

Hegemonia e ordem mundial

Ao longo da história sempre houve um país que, em virtude de sua força económica, atuou como potência hegemónica. Foi o que aconteceu com o Império Britânico durante os séculos XVIII e XIX, e com os Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial.

De certa forma, o poder hegemónico exerce o papel de “governo mundial”, valendo-se de sua preponderância económica, política, cultural e militar para ter, nas relações internacionais, a função de governo na política local.

Essa liderança é exercida através da complexa estrutura internacional de instituições, normas e acordos nos quais os países tendem a estar ligados.

Ter a capacidade de dirigir essa estrutura permite influenciar as ações das nações, uma vez que qualquer Estado que queira participar da ordem internacional deve operar de acordo com as regras estabelecidas.

Porém, as potências hegemónicas, assim como as ordens internacionais, não são eternas. A ascensão de algumas potências emergentes e o declínio de outras faz com que a ordem internacional prevalecente mude ao longo da história.

China, nova potência hegemónica?

Desde a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos desempenharam o papel de super potência mundial. Foi a partir daqui que se fundaram o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) e se estabeleceu o dólar como moeda central do sistema monetário internacional.

Posteriormente, essa ordem foi reforçada com uma complexa rede de instituições multilaterais em diferentes áreas, como a NATO ou a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Contudo, a partir da década de 80, o processo de globalização acelerou um deslocamento progressivo do peso económico do Ocidente para a região asiática, o que deu origem ao surgimento de economias de notável relevância, como é o caso da China. O país asiático tornou-se cada vez mais integrado na ordem internacional atual, dando entrada na OMC em março de 2001.

Para além disso, os próprios mecanismos de globalização criaram uma grande interdependência entre a China e os Estados Unidos, pois as empresas transnacionais americanas e, em geral, as ocidentais, deslocaram parte da sua produção para o país asiático, desenvolvendo um complexo sistema de cadeias globais de valor, que fez da China a “fábrica” do mundo.

Atualmente, com o plano Made in China 2025, o país asiático pretende tornar-se na maior potência tecnológica mundial. O objetivo deste plano é fazer um desenvolvimento na indústria de alta tecnologia e restringir o investimento direto de empresas estrangeiras e das suas tecnologias, serviços e produtos.

Paralelamente ao seu crescente papel económico, e desde que Xi Jinping chegou ao poder, a China passou de um papel passivo para um mais ativo nas relações internacionais. Essa estratégia materializa-se em projetos de impacto internacional, como a Nova Rota da Seda ou a criação do Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura, surgindo como configurações multilaterais alternativas às lideradas pelos Estados Unidos.

Tudo isto é tido pelas autoridades americanas como uma ameaça à sua hegemonia. Assim, o país passou de uma estratégia em que tentou acomodar a China na ordem internacional, para outra em que o seu principal objetivo é conter a influência do país asiático. Assim se começaram criar condições para criar a guerra comercial mencionada.

Evitar avanços tecnológicos: missão fundamental

Nessa guerra, a administração Trump concentrou a sua estratégia em conter o desenvolvimento tecnológico da China. O fato de a potência asiática ter liderado o desenvolvimento de uma tecnologia inovadora como o 5G significa que será esta quem irá ditar os padrões e normas internacionais.

Segundo o The Conversation, esta tecnologia pode ser a base da quarta revolução industrial. É por isso que empresas como a Huawei, líder do setor, são alvo de ataques dos EUA.

As implicações dessa disputa são enormes: não é só o papel mais pró-ativo da China, que promove a criação de novas regras do jogo e instituições em todo o mundo, mas os próprios EUA renunciam às regras que eles próprios promoveram aquando da Segunda Guerra Mundial.

O futuro do sistema internacional, e a sua liderança, será determinado pela forma como as tensões atuais são canalizadas.

Considerando que China e os EUA são as duas maiores potências económicas do mundo, a guerra comercial travada entre os dois países acaba por envolver, indiretamente, diversos países e talvez alcance uma escala global.

O desfecho dessa disputa que agora pode tomar um novo rumo com a futura presidência de Joe Biden.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Os seres humanos têm de se capacitar de que é na cooperação que está a luz ao fundo do túnel… e não não competição. A América de Biden está em posição de fazer esse trabalho porque a América tem a capacidade de encontrar uma plataforma de cooperação em que os valores ocidentais de liberdade, pluralismo e individualismo (não confundir com egoismo), sejam salvaguardados.

    • Enfim… o Miguel continua a não compreender a mente humana. O ser humano, tal como os restantes animais, é competitivo por natureza. E sempre houve uma potência hegemónica. Sempre.

    • Obviamente que a cooperação é essencial, mas sem competição não há evolução, e a história da Humanidade é a prova disso mesmo. A época dos Descobrimentos só ocorreu devido à competição entre as várias Nações Europeias. O Homem só foi à Lua porque existiu a Guerra Fria.

  2. Entretanto, a Europa vai vivendo como expectadora e colaboradora da China no seu desenvolvimento, eles fabricam, nós compramos, estamos bem governados e a prova está bem à vista!

  3. A briga pela hegemonia mundial estar a despertar a curiosidade de Boris, e o velho Império Britânico e o lider de uma Comunidade de Nações, pequenas e médias, que estão localizadas em todos continentes. O Boris tem sangue turco e não é tão jngênuo como os europeus do continente, e por tudo isso , já começou a tratar de modernizar o seu arsenal. Os chineses podem ter tamanho populacional e milhões de quilômetros quadrados de terras, mas a fome e a pobreza são maiores. O Japão está bem pertinho e olha com olhos de lince todos os movimentos do gigante himalaiano. Vamos ver o que acontecerá ee não custa nada por esperar…´`E o que pensa joãoluizgondimaguiargondim jlg21.com@gmail.com

  4. Cinicamente o Ocidente deixou a produçao industrial ir para a China , assim conseguio manter o seu nivel de vida ,com produtos baratos ( feitos por mao de obra escrava ou quase ) e Exportou os seus problemas de Poluiçao ! O golpe que foi chamado de Globalizaçao ,agora esta tudo com Medo pois com o poder industrial vieram as ambiçoes Belicas recalcadas

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …