TAP propõe adiantar dois milhões à Groundforce em troca da penhora da participação da Pasogal

A TAP propôs efetuar à SPdH/Groundforce um adiantamento de 2,05 milhões de euros para pagamento de salários e dívidas a fornecedores, exigindo em troca uma penhora da participação da Pasogal, o maior acionista da empresa de handling.

“O Grupo TAP concluiu que seria possível contemplar, de forma absolutamente excecional e mediante o cumprimento de determinadas condições, a possibilidade de a TAP disponibilizar à SPdH um montante de 2.050.000,00 euros a título de adiantamento do pagamento de serviços a prestar pela SPdH à TAP durante o mês de maio de 2021, com a finalidade de este montante poder ser utilizado pela SPdH para fazer face ao pagamento de salários e fornecedores críticos”, lê-se numa carta enviada na passada sexta-feira pela administração da companhia aérea à Groundforce, a que a agência Lusa teve agora acesso.

Como contrapartida, a TAP – que detém 49,9% do capital da Groundforce, estando os restantes 50,1% nas mãos do acionista privado Pasogal – propõe a “celebração de [um] contrato promessa de penhor pela Pasogal, a favor da TAP, sobre as ações representativas do capital social da SPdH por si detidas (até a totalidade dessas ações e, em qualquer caso, em termos que permitam alcançar uma posição de controlo na SPdH com a execução do penhor)”.



Para o efeito, a administração da companhia aérea envia, desde logo, em anexo as minutas de uma “procuração irrevogável à TAP para celebração desse negócio”.

“O Grupo TAP entende que só estará em condições de conceder o último adiantamento à SPdH caso a Pasogal SGPS, S.A., na sua qualidade de acionista maioritária da SPdH, também contribuir, na medida das suas possibilidades, e como deverá ocorrer em condições normais de mercado, para assegurar a continuidade operacional e financeira desta empresa, mitigando a exposição da TAP ao risco associado ao reembolso do valor do último adiantamento, bem como dos anteriores adiantamentos”, refere a companhia na missiva enviada à SPdH.

Na carta, a TAP justifica a disponibilidade para efetuar este novo adiantamento com o facto de se perspetivar, “de uma forma credível, a capacidade de viabilização financeira da SPdH”, dada a “evolução favorável” do pedido de empréstimo com apoio do Estado, que, segundo informações prestadas pela administração da Groundforce, poderá “vir a ser formalizado antes do final de março de 2021”.

Adicionalmente, a companhia destaca “o evidente interesse estratégico para o Grupo TAP, e para a TAP em particular, de evitar uma situação de rutura operacional da SPdH que seria necessariamente prejudicial para a atividade da TAP, atendendo a dificuldade, ou impossibilidade, de encontrar, em prazo útil, outro prestador dos mesmos serviços nos vários aeroportos servidos pela SPdH”.

A TAP exige ainda que a Groundforce proceda ao “reembolso integral, impreterivelmente até 15 de março de 2021 ou até à celebração de um contrato de financiamento por parte da SPdH […], consoante o que ocorrer primeiro”, quer do adiantamento de 2,05 milhões de euros agora proposto, quer dos restantes valores já adiantados pela TAP por conta de serviços já prestados ou a prestar pela SPdH, o que perfaz um valor total próximo dos 11.926 milhões de euros.

Segundo sublinha, o adiantamento agora proposto “é realizado no pressuposto de que a SPdH irá, a muito breve trecho, conseguir obter um financiamento que lhe permitirá suprir as suas necessidades de tesouraria e proceder ao pagamento dos valores em dívida à TAP dentro do prazo supra indicado”.

“Em caso de eventuais atualizações de necessidades de tesouraria que venham a ser posteriormente reportadas – acrescenta – a TAP não se encontra autorizada e não se compromete a realizar novas transferências à SPdH a título de adiantamento do pagamento de serviços prestados ou a prestar à TAP, independentemente do desfecho do processo de aprovação do financiamento a conceder a SPdH”.

O presidente do Conselho de Administração da SPdH (Serviços Portugueses de Handling, comercialmente designada Groundforce Portugal) comunicou, na passada quinta-feira, aos cerca de 2400 trabalhadores que não estava em condições de pagar os salários de fevereiro até conclusão do processo de empréstimo bancário em curso.

Sindicatos pedem ao Governo solução a “curto prazo”

Em comunicado, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA), o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), o Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial (SQAC) e o Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA) deram conta dos resultados da reunião, com o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, “relativamente à grave situação que se vive na SPdH/Groundforce”.

“Estes sindicatos exortaram o Governo a tomar medidas de efeito imediato que permitam fazer face não só à questão salarial, bem como ao curto prazo, leia-se próximos meses”, de acordo com a mesma nota, que acrescenta que a tutela “não deve excluir nenhuma solução, tal como aliás tem acontecido com diversas empresas consideradas estratégicas e necessárias para a economia nacional”.

“Recordamos que a SPdH/Groundforce é uma empresa estratégica para a TAP e para o país, responsável pela assistência em terra às principais companhias aéreas que operam em Portugal”, salientam, garantindo que o grupo “não tem dívida bancária, nem qualquer passivo e, portanto, viável e sustentável, que não pode ficar refém de interesses particulares que ponham em causa a viabilidade da mesma e dos cerca de 2400 postos de trabalho”.

Os sindicatos aguardam “que nas próximas horas todos assumam as suas responsabilidades e contribuam para a solução, desde logo o pagamento dos salários”, sem “perpetuar uma situação inevitável que compromete os trabalhadores” e a empresa.

O presidente do Conselho de Administração da Groundforce e dono da Pasogal, acionista maioritária da empresa de ‘handling’ (assistência em terra nos aeroportos), apelou ao “diálogo” de forma a “encontrar uma solução” para ultrapassar a difícil situação financeira em que esta se encontra.

“Faço um apelo de diálogo a todos os envolvidos para que possamos rapidamente pôr termo a este clima de incerteza e, nesse sentido, acabo de pedir uma audiência com caráter de urgência ao senhor ministro das Infraestruturas e Habitação, bem como aos grupos parlamentares na Assembleia da República”, afirmou Alfredo Casimiro, em comunicado.

Para proceder ao pagamento dos salários de fevereiro, a Groundforce solicitou o adiantamento do pagamento, em parte ou no todo, das faturas emitidas à TAP pelos serviços prestados em dezembro 2020 e janeiro 2021 e que totalizam seis milhões de euros. A resposta que recebemos é para nós incompreensível, e temos razões fundamentadas para acreditar também ilegal: a entrega como garantia do penhor das ações de um acionista (Pasogal) a outro acionista (TAP)”, sustentou.

A esta proposta, Alfredo Casimiro diz ter feito “uma contraproposta aceitável e proporcional, por forma a dar conforto à TAP em relação aos adiantamentos realizados à Groundforce”: Ceder antes como garantia a totalidade dos equipamentos de suporte da empresa à operação aeroportuária.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ryanair passa de lucro a prejuízo de 815 milhões de euros no último ano

A irlandesa Ryanair revelou hoje que teve um prejuízo de 815 milhões de euros no ano fiscal terminado em 31 de março, contra um lucro de 1.002 milhões de euros no exercício anterior. Na base deste …

Mais duas mortes e 199 novos casos em Portugal. R(t) sobe para 1

Portugal registou esta segunda-feira 199 novos casos de infeção por covid-19 e mais duas mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas …

"Ameaça emergente". Produção de armas em casa com impressoras 3D deixa polícia em alerta

O alerta surgiu da Europol. Na Europa, estão a ser fabricadas pistolas semiautomáticas em impressoras e teme-se que o fenómeno chegue a Portugal. Os programas podem ser descarregados em plataformas na internet. Segundo avança o Jornal …

Jerónimo acusa Governo de "falta de vontade" para responder à crise

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu que o Governo "tem meios" e só não responde aos problemas concretos causados pela crise sanitária, por lhe "faltar a vontade", dando como exemplo a questão das …

Marcelo Rebelo de Sousa inicia visita oficial à Guiné-Bissau, 32 anos depois de Mário Soares

Marcelo Rebelo de Sousa inicia esta segunda-feira à tarde a sua primeira visita oficial à Guiné-Bissau enquanto Presidente da República, com um programa intenso, que inclui encontros institucionais, com a comunidade portuguesa e uma homenagem …

Rui Pinto gera discórdia no inquérito ao Novo Banco. PSD levanta dúvidas sobre presença do hacker

No centro da discórdia está Rui Pinto, já que os partidos não conseguem chegar a um consenso sobre a convocatória do hacker para a comissão de inquérito ao Novo Banco. A sua presença será discutida …

Pesca da sardinha reabre hoje após quase sete meses

A pesca da sardinha reabre hoje, após quase sete meses de interdição, com um limite de 10.000 toneladas que deverá ser revisto em junho. No entanto, num diploma publicado em Diário da República no dia 6 …

Cortes do Estado em contratos levaram ao encerramento de 20 colégios

Desde que o Estado começou a cortar nos contratos com os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo já 20 colégios fecharam portas. Em 2016, o Estado começou a implementar cortes graduais nos contratos de associação com …

Portugal vai ser o país europeu com menor percentagem de população ativa

De acordo com as novas projeções, em 2050, Portugal terá 1,6 pessoas em idade ativa por cada idoso, sendo que atualmente conta com 2,9. As projeções do Eurostat, divulgadas pelo Jornal de Notícias, indicam que em …

"Sentimento anti-Modi." Pandemia deixa primeiro-ministro indiano debaixo de fogo

A segunda vaga de covid-19 na Índia tem alfinetado Narendra Modi. Restam saber quais serão as consequências políticas para o primeiro-ministro indiano. Narendra Modi chegou ao poder em 2014, cheio de promessas de crescimento e prosperidade …