TAP avalia venda da Groundforce. Casimiro diz que “nunca enganou o Governo”

Fernando Veludo / Lusa

A venda da participação de 49,9% que a TAP tem na Groundforce está a ser equacionada. A possibilidade foi admitida pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, esta quarta-feira no Parlamento.

Durante a audição no Parlamento, que decorreu ontem, Pedro Nuno Santos foi questionado sobre o futuro da empresa e respondeu: “A TAP vai repensar a sua participação e a sua posição na Groundforce”.

Segundo o ECO, a situação financeira vivida nas últimas semanas pela Groundforce levou, pelo menos, três empresas a manifestarem interesse numa eventual aquisição caso o negócio chegue ao mercado.

Entre os interessados encontram-se empresas internacionais da aviação que contactaram o Governo para manifestar interesse na compra. É neste cenário que a TAP está a avaliar a possibilidade de vender, mas uma posição minoritária poderá não ser suficientemente interessante.

De recordar que a participação de 50,1% detida pela Pasogal de Alfredo Casimiro não está neste momento à venda, mas o empresário já admitiu que pode ouvir propostas.

Casimiro disse ao ECO que “desconhece totalmente a existência de negociações” e garantiu que “não mandatou a TAP ou o Estado português para o representarem em qualquer negociação que tenha esse fim”.

Ainda assim, há várias formas de a participação do empresário poder vir a estar à venda, sendo que a possibilidade mais imediata poderá passar pelo acionamento do penhor da participação, avança o ECO.

Nos últimos dias houve já alguns desenvolvimentos sobre este assunto, nomeadamente no que diz respeito às ações da Groundforce detidas por Alfredo Casimiro que foram alvo de penhor.

“Há notícias de que a entidade bancária que tinha o penhor já deu início à execução. Se isso for verdade, abre uma nova perspetiva de resolução do problema da Groundforce, porque um dos principais problemas é o atual acionista privado, que, aliás, disse que não estava vendedor da sua participação, mas também não tem dinheiro para lá meter”, disse Pedro Nuno Santos.

Seja qual for a decisão, “o que vai acontecer no futuro da Groundforce ainda não está definido”, assegurou Pedro Nuno Santos, justificando que “não está porque não temos a maioria do capital da empresa. Só temos 49,9% da empresa e não controlamos o resto do capital. O que vai acontecer em abril? Não sei. O que sei é que a Groundforce não tem mais nada para dar à TAP e isso é um problema“.

Entretanto, foi alcançada uma solução temporária, para desbloquear liquidez para pagar os salários de fevereiro e março e impostos destes meses, que passou pela venda de todos os ativos da Groundforce à TAP.

Até maio, a empresa de handling pode recomprar estes equipamentos, mas depois disso a companhia aérea pode até vendê-los a outros.

Casimiro defende-se das acusações de Pedro Nuno

Durante a audição no Parlamento, Pedro Nuno Santos criticou a conduta de Alfredo Casimiro, depois de se saber que o empresário ocultou o facto de as ações que detinha na empresa de handling terem sido entregues como penhor de empréstimos no Montepio e no Novo Banco. “Estamos perante um empresário que enganou o Estado, os trabalhadores e o país”, sublinhou.

Por sua vez, o acionista privado da Groundforce, Alfredo Casimiro, rejeita ter tentado enganar o Governo e o Estado português nas negociações.

“Alfredo Casimiro nunca enganou o Governo e esteve sempre comprometido com uma solução para a Groundforce“, começa por dizer fonte oficial do empresário, ao ECO, em reação à audição parlamentar do ministro. Apesar de não haver “grosseiras mentiras”, diz que as palavras de Pedro Nuno Santos estão “repletas de meias-verdades”.

No processo de negociação de uma solução para os problemas financeiros da empresa de handling, que passaram por várias opções e acabaram por resultar numa venda de equipamentos à TAP, Pedro Nuno Santos acusa Alfredo Casimiro de não ter sido “sério” e de ter tentado “enganar” o Estado e o Governo.

O empresário nega, dizendo que o ministro omite que a empresa, entre 2007 e junho de 2012, durante a gestão pública, perdeu 156 milhões de euros.

Em relação ao montante pago no negócio, o Governo apontava para 3,6 milhões de euros e Casimiro revela ter pago 3,74 milhões. Confirma que só o fez em 2018, apesar de ter fechado a aquisição em 2012, porque “o contrato previa que só depois da emissão das licenças a garantia bancária on first demand, que existia desde 2012, fosse efetivamente transformada em pagamento”.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. O gajo é mesmo “artista”… tentar dar como garantia acções penhoradas pelo banco não é tentar enganar… nada disso!…

  2. Srs do ZAP,
    Estão a fazer confusão entre penhor e penhora.
    São duas realidades bem distintas.
    Pelo que li, as acções foram dadas de penhor, ou seja, empenhadas ao Montepio e não penhoradas como tanto tenho ouvido na CS.
    Um penhora é como um arresto, ou seja, a apreensão dos bens por ordem de um tribunal, o que não está, pelo que sei, em causa ( ainda) neste momento.
    Uma penhora tem de ser decretada por um tribunal ou pelo fisco e decorre de um processo executivo.
    Assim, quando dizem executar a penhora querem dizer executar o penhor das acções.

  3. Também não é o negociante de sucata que tem a razão toda. Ele que diga como as coisas foram desde o princípio e não a começar do fim.
    Para comprar sucata a Espanha e, ainda para cumulo da pouca vergonhice cheia de AMIANTO ! ele serve, assim como o negociante de gado (o santos silva) mais o capitão mor da quadrilha KOSTA, todos junto amarrados atrás do foguete…e juntar-lhes os restantes apoiantes/comedores…

  4. o ministro é um espanto, tem a mania que é esperto e nao percebe nada…então queria dispor duma empresa da qual nao tem maioria do capital? Trata-se duma empresa totalmente viavel, que só a crise da Tap atrapalhou, como tantas outras , menos visiveis…Este ministro é um nabo arrogante, que pensava que podia a seu bel prazer por de cocaras o maior acionista…trabalha malandro

RESPONDER

A primeira eco-casa impressa em 3D "nasceu" em Itália

A empresa de impressão 3D WASP e o Mario Cucinella Architects concluíram a casa TECLA. É o primeiro modelo de habitação eco-sustentável a ser construído a partir de matérias-primas locais usando tecnologia de impressão 3D.  O …

Partido de Le Pen desviou 6,8 milhões de fundos europeus, segundo jornal francês

O partido francês de extrema-direita União Nacional (RN, sigla original), liderado por Marine Le Pen, terá desviado 6,8 milhões de euros de fundos do Parlamento Europeu, revela este domingo um inquérito policial noticiado pelo Le …

Proporção divina. Antiga fórmula grega pode ser responsável pelo sucesso dos musicais

Desde 1972, quando "Jesus Christ Superstar" estreou na Broadway, os mais populares musicais quase unanimemente empregaram uma fórmula centenária conhecida como “a proporção divina” - e, surpreendentemente, parecem tê-lo feito acidentalmente. A proporção divina é um …

Egito já iniciou obras de alargamento do Canal do Suez

A Autoridade do Canal do Suez iniciou este sábado obras para ampliar dez quilómetros do troço sul, onde o navio Ever Given encalhou em março passado, causando o bloqueio de uma das vias de navegação …

Museu do Prado descobre erro de 500 anos numa das suas esculturas

O Museu do Prado, em Madrid, descobriu que uma das suas esculturas, que se pensava ser do século XV, é afinal uma obra do século XX. Em comunicado, o museu espanhol explicou que a escultura – …

Costa entrou em “modo avestruz” e Cabrita é uma “mancha”. Líder do CSD não poupa nas críticas

Francisco Rodrigues dos Santos fez duras críticas ao primeiro-ministro, António Costa, e ao ministro da Administração Interna, Eduarda Cabrita. O presidente do CDS-PP disse que o primeiro-ministro entrou "em modo avestruz no caso João Galamba" referindo-se …

Morreu o prefeito de São Paulo que venceu a covid-19, mas que perdeu a batalha para o cancro

O prefeito da cidade brasileira de São Paulo, Bruno Covas, morreu este domingo, aos 41 anos, vítima de cancro, segundo a imprensa brasileira e várias personalidades que nas redes sociais têm lamentado a sua morte. Bruno …

China não está a conseguir macacos de laboratório suficientes para responder à procura da comunidade científica

A proibição do comércio de animais selvagens e o crescimento da investigação científica estão a causar uma escassez de macacos de laboratório na China. A oferta cada vez menor de macacos de laboratório, amplamente usados em …

Câmara do Porto recusa hastear bandeira LGBT no dia contra a homofobia

A Câmara Municipal do Porto recusou hastear a bandeira LGBTI+ na próxima segunda-feira, dia 17 de Maio, data em que se assinala o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. Segundo o Público, a autarquia …

E se fosse possível passar um mês no Palácio de Buckingham? O preço não seria para qualquer bolso

Viver num palácio pode ser o sonho de muitos, mas não é para a carteira de qualquer um. Agora, já se sabe quanto custaria alugar, durante um mês, uma das casas reais mais conhecidas da …