TAP avalia venda da Groundforce. Casimiro diz que “nunca enganou o Governo”

Fernando Veludo / Lusa

A venda da participação de 49,9% que a TAP tem na Groundforce está a ser equacionada. A possibilidade foi admitida pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, esta quarta-feira no Parlamento.

Durante a audição no Parlamento, que decorreu ontem, Pedro Nuno Santos foi questionado sobre o futuro da empresa e respondeu: “A TAP vai repensar a sua participação e a sua posição na Groundforce”.

Segundo o ECO, a situação financeira vivida nas últimas semanas pela Groundforce levou, pelo menos, três empresas a manifestarem interesse numa eventual aquisição caso o negócio chegue ao mercado.

Entre os interessados encontram-se empresas internacionais da aviação que contactaram o Governo para manifestar interesse na compra. É neste cenário que a TAP está a avaliar a possibilidade de vender, mas uma posição minoritária poderá não ser suficientemente interessante.

De recordar que a participação de 50,1% detida pela Pasogal de Alfredo Casimiro não está neste momento à venda, mas o empresário já admitiu que pode ouvir propostas.

Casimiro disse ao ECO que “desconhece totalmente a existência de negociações” e garantiu que “não mandatou a TAP ou o Estado português para o representarem em qualquer negociação que tenha esse fim”.

Ainda assim, há várias formas de a participação do empresário poder vir a estar à venda, sendo que a possibilidade mais imediata poderá passar pelo acionamento do penhor da participação, avança o ECO.

Nos últimos dias houve já alguns desenvolvimentos sobre este assunto, nomeadamente no que diz respeito às ações da Groundforce detidas por Alfredo Casimiro que foram alvo de penhor.

“Há notícias de que a entidade bancária que tinha o penhor já deu início à execução. Se isso for verdade, abre uma nova perspetiva de resolução do problema da Groundforce, porque um dos principais problemas é o atual acionista privado, que, aliás, disse que não estava vendedor da sua participação, mas também não tem dinheiro para lá meter”, disse Pedro Nuno Santos.

Seja qual for a decisão, “o que vai acontecer no futuro da Groundforce ainda não está definido”, assegurou Pedro Nuno Santos, justificando que “não está porque não temos a maioria do capital da empresa. Só temos 49,9% da empresa e não controlamos o resto do capital. O que vai acontecer em abril? Não sei. O que sei é que a Groundforce não tem mais nada para dar à TAP e isso é um problema“.

Entretanto, foi alcançada uma solução temporária, para desbloquear liquidez para pagar os salários de fevereiro e março e impostos destes meses, que passou pela venda de todos os ativos da Groundforce à TAP.

Até maio, a empresa de handling pode recomprar estes equipamentos, mas depois disso a companhia aérea pode até vendê-los a outros.

Casimiro defende-se das acusações de Pedro Nuno

Durante a audição no Parlamento, Pedro Nuno Santos criticou a conduta de Alfredo Casimiro, depois de se saber que o empresário ocultou o facto de as ações que detinha na empresa de handling terem sido entregues como penhor de empréstimos no Montepio e no Novo Banco. “Estamos perante um empresário que enganou o Estado, os trabalhadores e o país”, sublinhou.

Por sua vez, o acionista privado da Groundforce, Alfredo Casimiro, rejeita ter tentado enganar o Governo e o Estado português nas negociações.

“Alfredo Casimiro nunca enganou o Governo e esteve sempre comprometido com uma solução para a Groundforce“, começa por dizer fonte oficial do empresário, ao ECO, em reação à audição parlamentar do ministro. Apesar de não haver “grosseiras mentiras”, diz que as palavras de Pedro Nuno Santos estão “repletas de meias-verdades”.

No processo de negociação de uma solução para os problemas financeiros da empresa de handling, que passaram por várias opções e acabaram por resultar numa venda de equipamentos à TAP, Pedro Nuno Santos acusa Alfredo Casimiro de não ter sido “sério” e de ter tentado “enganar” o Estado e o Governo.

O empresário nega, dizendo que o ministro omite que a empresa, entre 2007 e junho de 2012, durante a gestão pública, perdeu 156 milhões de euros.

Em relação ao montante pago no negócio, o Governo apontava para 3,6 milhões de euros e Casimiro revela ter pago 3,74 milhões. Confirma que só o fez em 2018, apesar de ter fechado a aquisição em 2012, porque “o contrato previa que só depois da emissão das licenças a garantia bancária on first demand, que existia desde 2012, fosse efetivamente transformada em pagamento”.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Srs do ZAP,
    Estão a fazer confusão entre penhor e penhora.
    São duas realidades bem distintas.
    Pelo que li, as acções foram dadas de penhor, ou seja, empenhadas ao Montepio e não penhoradas como tanto tenho ouvido na CS.
    Um penhora é como um arresto, ou seja, a apreensão dos bens por ordem de um tribunal, o que não está, pelo que sei, em causa ( ainda) neste momento.
    Uma penhora tem de ser decretada por um tribunal ou pelo fisco e decorre de um processo executivo.
    Assim, quando dizem executar a penhora querem dizer executar o penhor das acções.

  2. Também não é o negociante de sucata que tem a razão toda. Ele que diga como as coisas foram desde o princípio e não a começar do fim.
    Para comprar sucata a Espanha e, ainda para cumulo da pouca vergonhice cheia de AMIANTO ! ele serve, assim como o negociante de gado (o santos silva) mais o capitão mor da quadrilha KOSTA, todos junto amarrados atrás do foguete…e juntar-lhes os restantes apoiantes/comedores…

  3. o ministro é um espanto, tem a mania que é esperto e nao percebe nada…então queria dispor duma empresa da qual nao tem maioria do capital? Trata-se duma empresa totalmente viavel, que só a crise da Tap atrapalhou, como tantas outras , menos visiveis…Este ministro é um nabo arrogante, que pensava que podia a seu bel prazer por de cocaras o maior acionista…trabalha malandro

RESPONDER

Carlos César acusa BE e PCP de terem preferido "jogos de poder"

O presidente do PS acusou, esta segunda-feira, os partidos de esquerda de terem preferido "os jogos de poder", no seguimento do anúncio de ambos do voto contra o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). "BE e …

O dirigente do PSD Paulo Mota Pinto

Mota Pinto aponta "irresponsabilidade" de marcar diretas. Rangel reforça importância de ter líder "fortemente legitimado"

O dirigente do PSD defendeu, esta segunda-feira, que o partido "está preparado" para legislativas antecipadas, defendendo que estas devem ocorrer "o mais rapidamente possível". Em declarações à agência Lusa, o presidente da Mesa do Congresso e …

EMA aprova terceira dose da vacina da Moderna a partir dos 18 anos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu luz verde, esta segunda-feira, à administração da terceira dose da vacina da Moderna a partir dos 18 anos. Em comunicado, a agência refere que os dados apontam que uma …

Câmara do Porto aprova sistema de videovigilância no centro histórico

Esta segunda-feira, na reunião do Executivo portuense, foi aprovado, com o voto contra da CDU e do BE, o protocolo a celebrar com a PSP para implementação da videovigilância na Baixa do Porto. O presidente da …

Conselho das Finanças Públicas alerta para riscos na TAP e falta de orçamentação para Novo Banco

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta segunda-feira, numa análise à proposta do Governo para o Orçamento do Estado de 2022 (OE2022), para a possibilidade de se injetar mais dinheiro na TAP e no …

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho

Novo Banco apresenta nova imagem. "Agora é o renascimento", diz Ramalho

O presidente do Novo Banco disse, esta segunda-feira, que a nova imagem representa o "renascimento" da instituição financeira, que está numa "rota de lucro e rendibilidade". Na apresentação da nova imagem de marca do Novo Banco, …

Governo disponível para suspender caducidade de convenções coletivas "sem limite de tempo"

O Governo está disponível para avançar com a suspensão dos prazos da caducidade das convenções coletivas "sem limite de tempo", disse, esta segunda-feira, no Parlamento a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. A medida foi …

PEV também vota contra o Orçamento do Estado para 2022

O partido ecologista "Os Verdes" (PEV) anunciou, esta segunda-feira, que também vai votar contra o Orçamento do Estado para 2022. Em conferência de imprensa, na Assembleia da República, José Luís Ferreira disse que "o grupo parlamentar …

Governo lamenta decisão do PCP. "Nunca tínhamos ido tão longe como fomos este ano"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares reagiu, esta segunda-feira à tarde, na Assembleia da República, ao anúncio de voto contra do PCP ao Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). Na Assembleia da República, Duarte Cordeiro …

Vulcão Cumbre Vieja lança lava, cinzas e fumo em La Palma

Vulcão de La Palma "no auge da atividade". Derrocada parcial do cone revela grande fonte de lava

Uma derrocada parcial do cone do vulcão da ilha de La Palma, nas Canárias, deixou à vista uma grande fonte de lava, segundo o Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias (Involcan). "Estamos no auge da atividade" do …