/

Os talibãs estão “sentados” em depósitos minerais valiosos (no valor de um bilião de dólares)

4

Stringer / EPA

Os talibãs regressaram ao poder de Cabul, desencadeando uma crise humanitária. A ofensiva também evidenciou a riqueza mineral inexplorada do Afeganistão, recursos que poderiam transformar as perspetivas económicas do país.

Apesar de o Afeganistão ser uma das nações mais pobres do mundo, oficiares militares e geólogos norte-americanos revelaram, em 2010, que o país estava “sentado” em depósitos minerais no valor de quase um bilião de dólares.

Minerais como ferro, cobre e ouro estão espalhados pelas províncias de todo o país. Segundo a CNN, existem também minerais raros e – talvez o mais importante – o que poderia ser um dos maiores depósitos de lítio do mundo.

Este mineral poderá desempenhar um papel muito importante no rumo à descarbonização, além de ser um componente essencial, mas escasso, em baterias recarregáveis e outras tecnologias vitais para enfrentar a crise climática.

“O Afeganistão é, certamente, uma das regiões mais ricas em metais preciosos tradicionais, mas também em metais [necessários] para a economia emergente do século XXI”, disse Rod Schoonover, cientista e especialista em segurança e fundador do Ecological Futures Group.

No passado, desafios relacionados com a falta de segurança, de infraestruturas e secas severas impediram a extração da maioria dos minerais valiosos e é improvável que o cenário mude em breve sob o controlo dos talibãs.

Ainda assim, há interesse por parte de países como a China, o Paquistão e a Índia, que podem tentar a sua sorte, apesar do caos.

Mesmo antes de o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ter anunciado a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão, no início deste ano, as perspetivas económicas do país já eram pouco animadoras.

Em 2020, cerca de 90% dos afegãos viviam abaixo do nível de pobreza determinado pelo Governo norte-americano, vivendo com dois dólares por dia, de acordo com um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso dos Estados Unidos, publicado em junho.

Os talibãs conquistaram Cabul no domingo, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista, que acolhia no seu território o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

4 Comments

    • O Bin Laden é (era) saudita e pior: faz parte da família real saudita – o maior aliado dos EUA no Médio Oriente…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.